Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Spot: conheça o robô que tem ajudado um hospital a triar pacientes suspeitos de coronavírus

por Kamila Jessie | 01/05/2020
Copiado!

A empresa Boston Dynamics anunciou que seu robô quadrúpede, o Spot, está em uso em um hospital de Boston, nos EUA, para auxiliar profissionais de saúde no tratamento de pacientes com COVID-19. O objetivo é expandir o uso de robôs em triagem remota de casos suspeitos e estimular essa estratégia em outros hospitais e centros de saúde.

Robô Spot. Imagem Boston Dynamics
Imagem: Boston Dynamics.

O robô Spot, melhor amigo de médicos e enfermeiros

O robô Spot está sendo implementado como máquina de telemedicina, de um modo simples, como que empregar a tal videochamada (que nós quarenteners não aguentamos mais) no cenário de hospital. O Spot usa um suporte e gabinete personalizados para um iPad ou tela de tamanho semelhante. Essa tela é usada para videoconferência entre médicos e outros profissionais de saúde e seus pacientes, fazendo triagem remota de possíveis infectados. Isso diminui o tempo de exposição de profissionais da saúde a pessoas potencialmente contaminadas pela doença.

Defensores de open source podem comemorar, pois o hardware e o software utilizados no Spot possuem código aberto e estão sendo compartilhados para que qualquer unidade de saúde do mundo possa aproveitar os mesmos recursos. O melhor é que são adaptáveis para outras plataformas robóticas móveis, que não sejam necessariamente o Spot.

Robô Spot. Imagem Boston Dynamics
Imagem: Boston Dynamics.

Pontapé do coronavírus

A Boston Dynamics, anteriormente de propriedade da Google e agora pertencente à gigante japonesa de comunicações SoftBank, diz que não pretende parar na telemedicina. Em vez disso, a empresa está procurando maneiras de tornar seus robôs Spot ainda mais ativos vitais na luta contra a pandemia de COVID-19. A empresa agora está analisando ativamente como realizar exames básicos remotamente, para que os robôs Spot possam executar tarefas como verificações de temperatura e cálculo da taxa respiratória usando a tecnologia de câmera térmica.

O avanço e redirecionamento de tecnologias pensando no cenário emergencial da pandemia de coronavírus é um indicativo de versatilidade. Isso reforça a ideia de pensar em conjunto na solução de problemas, habilidade importante em todas as engenharias e demais segmentos profissionais. Inclusive, aqui no Brasil, já desenvolvemos um robô para delivery de medicamentos em hospitais.

Se você tem interesse sobre telemedicina e como robótica pode ser aplicada nesse cenário, saiba que vai além das videochamadas e triagem de atendimento de emergência. Confira: Robô permitiu a realização da primeira cirurgia de coração a longa distância.

O que você achou da ideia? Conhece alguma semelhante? Conta para a gente!

Fonte: The Verge.

Copiado!
Engenharia 360

Kamila Jessie

Engenheira ambiental e sanitarista, MSc. e atualmente doutoranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo. http://orcid.org/0000-0002-6881-4217

Comentários