Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Retrofit: conheça esta tendência sustentável para conservação do patrimônio histórico em Arquitetura e Engenharia

por Simone Tagliani | 15/10/2020
Copiado!

O retrofit não só é um processo de arquitetura e engenharia civil, mas um trabalho de compromisso socioambiental através da transformação e conservação de edifícios antigos.

O mundo certamente clama por mudanças – prova disso é 2020! Devemos ser mais responsáveis com nossos atos. Isto inclui nós tentando realizar práticas mais sustentáveis. Já ouviu falar, por exemplo, em retrofit? Este termo é bastante utilizado no mundo da Arquitetura e da Engenharia Civil. Mas, de certo modo, você mesmo pode fazer parte deste movimento! Quer saber como? Continue lendo este post e entenderá!

São Paulo Edifícios Arquitetura
Edifícios Edifícios antigos centro de São Paulo capital. (imagem Pixabay)

O que é retrofit?

O retrofit é uma das grandes tendências do momento quando se trata de patrimônio histórico. Vamos explicar melhor! É que isto faz relação com a tentativa de revitalização de edifícios antigos – sobretudo os abandonados. Geralmente, os profissionais que se dedicam a tal ação focam naquelas obras que estão em piores condições de utilização, mas com alto valor histórico. Todavia, o retrofit também pode ser feito em construções comuns, de menor valor.

Estação Rodoviária - retrofit patrimônio histórico
Estação Rodoviária de São Paulo, exemplo de retrofit. (imagem Pixabay)

Entenda assim, realizar retrofit em uma arquitetura significa também renová-la e atualizá-la de modo a torná-la mais eficiente. Com esta transformação, suas instalações podem ganhar reforços e ampliações; e pode haver também uma melhoria em seus sistemas e equipamentos, visando um melhor conforto. Ou, simplesmente, pode-se colocar o edifício antigo em boas condições novamente para voltar a ser utilizado – inclusive, eliminando danos estruturais ou contaminantes prejudiciais à saúde de todos.

Edifício abandonado em reforma
Edifício abandonado (imagem Pixabay)

A diferença do retrofit de uma obra qualquer de reforma é que, neste caso, as características originais da edificação – o que a tornam especial – são preservadas ao máximo. Contudo, com as alterações, esta construção passaria a ser mais “amiga do meio ambiente”, combatendo questões como desperdício de recursos, poluição e destruição da natureza! Pensando no impacto sócio-ambiental que o retrofit pode gerar nas cidades brasileiras, o Senado tem, nos últimos anos, analisado mais as propostas de incentivos fiscais para imóveis reformados de acordo com estes parâmetros.

Edifício antigo em reforma - retrofit arquitetura
Edifício antigo em reforma (imagem Pixabay)

Exemplos de retrofit na história

O primeiro caso de retrofit no Brasil foi o do Edifício Hotel Fasano – obra datada dos anos 30, representante do estilo art decó – , em Salvador, Bahia. Outro exemplar na cidade é o Fera Palace Hotel, inaugurado em 1934. Já em São Paulo, o retrofit mais famoso é o do Edifício Altino Antares, de 1947. Em todos estes casos, o patrimônio foi preservado, mas a estrutura, como um todo, passou a ser mais moderna e segura após uma reforma.

Edifício Altino Arantes - exemplo retrofit arquitetura
Edifício Altino Arantes, São Paulo. (imagem Wikipedia)retrofit arquiteturaEdifício Altino Arantes, São Paulo. (imagem Wikipedia)

Qual é o foco do retrofit na engenharia civil?

Os trabalhos de arquitetura e engenharia de retrofit focam em buscar, da forma mais sustentável possível, estender a vida útil das edificações. A ideia é que, mesmo antigas, estas construções possam atender bem às necessidades contemporâneas.  Na maioria das vezes, o retrofit se faz necessário para adaptar uma construção às novas tecnologias de elétrica, hidráulica e esgoto.

Engenharia elétrica em edifício construção
Operário realizando instalação elétrica. (imagem Pixabay)

Outras soluções – inclusive eco-friendly – devem ser incorporadas a estas construções antigas.  Para começar, pode ser dado um novo envelopamento de fachada; e aberturas podem ser trocadas ou aumentadas, para o aproveitamento da luz natural.  Também é possível mudar os sistemas de ar condicionado e de automação; trocar lâmpadas antigas pelas econômicas, de LED; instalar novos aparelhos sanitários, sensores de movimento, para-raios, extintores e películas protetoras de vidros; além de outras coisas mais.

Placas solares edifício reforma
Placas solares (imagem Pixabay)

Agora, é preciso lembrar que, quando se trata de edifícios realmente muito antigos, qualquer alteração dessas requer um planejamento redobrado. É que o retrofit, neste caso, deverá atender não só às legislações municipais tradicionais, mas também àquelas que concernem à preservação do patrimônio arquitetônico.  E para que a reforma realmente fique sustentável, deve-se fazer uso de materiais com selos de qualidade e certificação, vendidos por fornecedores que seguem diretrizes rigorosas. Este é o mínimo de compromisso que o meio ambiente merece!

Leia também: Sydney Opera House: uma junção de Arquitetura e Engenharia

Conhece algum outro edifício que passou por retrofit? Comente!

Fontes: Ecycle, AEC Web, GBC Brasil, Retrofit Engenharia.

Copiado!
Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada em Arquiteta & Urbanismo e Letras; especialista em Artes Visuais; estudante de Jornalismo Digital e proprietária da empresa Visual Ideias - Redação, Edição e Produção de Conteúdos.

Comentários