Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Concreto Auto Adensável: o que é e quais as suas vantagens | 360 Explica

por Simone Tagliani | 22/03/2021

Concretar estruturas é um processo bastante complexo. Em alguns casos, principalmente quando os elementos concretados são bem grandes, é preciso "sacudir" a massa para que ela preencha todos os cantinhos da fôrma. Mas e se isto não fosse necessário? É o que promete esta novidade do mercado!

Este site, o Engenharia 360, já realizou diversas reportagens afirmando o quanto o concreto é importante para a atual construção civil mundial. Mas sempre lembramos que este material pode ser melhor explorado, além disso, ser mais resistente, sustentável e flexível . E é por isso que já desenvolvemos uma série de reportagens apresentando as mais recentes tecnologias que ajudam a transformar a receita desta massa.

Agora, exclusivamente no texto de hoje, falaremos sobre um tipo ainda mais diferente de concreto. Ele está distante de ser utilizado em obras brasileiras. Porém, apresenta um alto potencial de desenvolvimento, e por isso faz parte de estudos de instituições e empresas de vários países. Este é o concreto auto adensável ou CAA! Veja a seguir!

concreto auto adensável durante preparação
concreto auto adensável – imagem de Guia Civil

Surgimento

O concreto auto adensável foi desenvolvido no ano de 1988 pelo pesquisador japonês Hajime Okamura. Na época, o profissional buscava soluções para os problemas de durabilidade do material. Alemães já haviam descoberto o concreto têxtil, o que substitui a armação de aço por polímeros especiais, mas este caso é diferente.

Tal método de Okamura é focado na dosagem dos insumos, no qual o concreto produzido leva uma quantidade limitada de agregados. Também há uma baixa relação água e cimento, além de altas dosagens de aditivos superplastificantes. E nem só a constituição desta massa é diferente como a sua aplicação, não precisando ser vibrada para adensar – por isto o nome concreto auto adensável!

concreto auto adensável
Imagem de Mapa da Obra

Sobre a composição do concreto auto adensável

No geral, se pensarmos na massa de concreto auto adensável, ela lembra bastante a massa do concreto tradicional. Os tipos de insumos que compõem as duas receitas são semelhantes. Mas a quantidade colocada de cada um é que é diferente.

Para começar, na massa do concreto auto adensável vão muito mais materiais finos – isto em termos de espessura dos grãos. Em tese, todas as areias são adequadas para a composição do CAA – tanto as naturais quanto as obtidas em processos industriais. Já com relação aos agregados graúdos, indica-se a utilização de pedriscos com forma esférica e dimensão máxima entre 12 mm e 19 mm – a razão disso é melhorar a trabalhabilidade da massa.

homem preparando massa para construção
Imagem de Paulo e Filho Engenharia e Consultoria Estrutural

Então, chegamos enfim à questão dos aditivos. Acredita-se que este seja o maior diferencial do concreto auto adensável. Como dito antes, os materiais nesta linha utilizados na composição do CAA possuem a característica de serem superplastificantes, ou seja, com alta fluidez e coesão. Isso permite que não haja segregação do concreto – algo que sempre compromete a durabilidade deste material.

obra
concreto autoadensavel – imagem de Cimento Itambé

Sobre as qualidades do concreto auto adensável

O concreto auto adensável oferece coisas muito boas para as obras de arquitetura e engenharia civil. Como já citado, sua receita é um tanto quanto diferente e justamente por isso os resultados são outros!

Utilizando o CAA é possível, por exemplo, reduzir bastante o consumo de água em uma obra. Devido a fluidez do material, o mesmo deve escoar entre as barras de aço da estrutura sem segregar, preenchendo os espaços das fôrmas sem qualquer tipo de interferência.

Mas é importante lembrar que nem todo concreto com fluidez será considerado auto adensável!

concreto auto adensável durante preparação
concreto auto adensável – imagem de Tecnosil 2

Especificamente no caso do CAA, a massa deve se mover através de seu próprio peso e da gravidade dentro da fôrma, sem necessidade de vibração ou compactação externa. Ou seja, neste caso, não se faz necessário o uso de vibradores de imersão, réguas vibratórias ou qualquer outra ferramenta para compactação, seja manual ou mecânica. Isso também diminuiria os riscos de surgimento de patologias por fissuração ou retração.

Sendo assim, por conta de todas essas características, acredita-se que o concreto auto adensável poderia melhorar a produtividade e a agilidade no canteiro de obras – com a possibilidade da antecipação das operações de cura. Ele também melhoraria a qualidade final das peças moldadas em concreto, apresentando o melhor acabamento superficial. E mais do que isto, uma incrível economia financeira na execução do projeto, incluindo a maior durabilidade das fôrmas.

Sobre a utilização do CAA

Pode-se utilizar esse concreto em diversas situações de arquitetura e engenharia civil. Por exemplo:

  • execução de fundações de hélice contínua;
  • vigas e colunas;
  • paredes comuns e paredes diafragmas;
  • reservatórios de águas;
  • estações de tratamento de água e esgoto;
  • muros e lajes;
  • contrapisos e pisos – sobretudo de calçadas -;
  • estruturas de concreto aparente;
  • estruturas de concreto submerso;
  • estruturas pré-moldadas;
  • estruturas que necessitam de bombeamento em grandes distâncias, horizontais e verticais;
  • estruturas com grande concentração de ferragens; e
  • estruturas com formatos complexos.
ponte
imagem de Tecnosil

Aqui no Brasil, a norma que aborda a questão do concreto auto adensável é a NBR 15823. Ela é dividida em 6 partes, que detalham como essa tecnologia incipiente pode ser utilizada em obras de arquitetura e engenharia civil pelo país, falando sobre o dimensionamento das peças estruturais que, além de tudo, precisam respeitar os requisitos da NBR 6118.


Fontes: TecnosilBR, Mapa da Obra, Portal do Concreto, Cimento Itambe, AECWeb.

Comentários

Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada em Arquitetura & Urbanismo e Letras; especialista em Artes Visuais; estudante de Jornalismo Digital e proprietária da empresa Visual Ideias - Redação, Edição e Produção de Conteúdos.