Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

O que aconteceu com o projeto chinês de construir 202 andares em 90 dias?

por Larissa Fereguetti | 03/08/2015
Copiado!

Faz pouco mais de dois anos que noticiamos aqui no BDE sobre um prédio de 838 metros que seria construído na China em apenas 90 dias. O edifício, cujo nome seria Sky City, deveria ser na época o prédio mais alto do mundo.

Era um projeto ousado até para os chineses. Para falar a verdade, os responsáveis pela construção, a Broad Group, tem projetos bem ousados. Eles também construíram o T30, um edifício de 30 andares que foi construído em apenas 15 dias. A empresa também é responsável pelo recente Mini Sky City que, como o nome diz, seria uma miniatura do Sky City. E que miniatura! Essa também foi uma notícia do BDE, que mostrou a construção deste edifício, que tem e 57 andares e foi construído em 19 dias.

Imagem: designboom.com

Imagem: designboom.com

Ainda em 2013, mostramos que, apesar de ter previsão de 90 dias, a obra já seria prolongada para 7 meses. O atraso é devido ao fato de as autoridades locais embargarem por motivos de segurança e impacto ambiental.

A previsão de abrigar 30 mil pessoas demonstrava a grandiosidade do projeto. Com isso tudo e todos os demais atributos, já dá para imaginar o tamanho do impacto ambiental, né? É como construir uma cidade em forma vertical que impactaria, não só localmente mas toda a região, proporcionado a ocorrência inclusive, de aumento do tráfego de veículos.

E a segurança? Bom, a Broad Group é responsável por vários edifícios construídos com agilidade por causa da sua técnica construtiva que consiste em andares pré-fabricados que são montados como pecinhas de Lego. Os andares, ou parte deles, são montados em outro local e transferidos para o local da obra, onde são “unidos”. É um pouco assustador pensar que 202 andares podem ser construídos (“montados”) em apenas 90 dias e não imaginar os riscos de uma obra assim.

Bom, com tudo isso em mente, a escavação para a fundação começou. Dois anos depois, a cratera continua lá, mas na forma de um lago.

Imagem: gizmodo.com

Imagem: gizmodo.com

Não é difícil imaginar os motivos que, provavelmente, são os mesmos que causaram a primeira previsão de atraso: a segurança e o impacto ambiental. Sobre o impacto ambiental, sabemos que as mesmas regras de licenciamento ambiental variam de país para país. No entanto, impactos ambientais que são óbvios até para os menos interessados no assunto não podem ser negligenciados, independentemente da legislação do país. Aqui no BDE já falamos várias vezes sobre licenciamento ambiental.

Sobre a segurança, vale ressaltar que não é só garantir que o prédio não vá desmoronar. Um exemplo simples é em caso de incêndio. Embora o velho ditado diga que “para descer todo santo ajuda”, descer 200 andares pela escada é um desafio até para os mais condicionados fisicamente. Sem falar na confusão, visto que 30 mil pessoas tentando passar pela mesma escada ao mesmo tempo não é lá uma situação muito agradável. Aliás, o projeto de instalações relacionadas ao combate ao incêndio estava dando um belo trabalho aos responsáveis.

skycity-blog-da-engenharia

Como engenheiros ou quase engenheiros, sabemos que nem sempre uma nova tecnologia, seja ela de construção ou não, é bem recebida. As pessoas tiveram medo de elevadores, aviões e até mesmo de computadores quando estes foram lançados. Da mesma forma, sabemos que leva tempo não só para uma nova tecnologia ser aceita, como também leva tempo para ser aperfeiçoada, para novos métodos surgirem e para oferecer mais segurança.

Aos poucos, a Broad Group e outras empresas estão inserindo os edifícios pré-fabricados no mercado, o que deve se tornar comum dentro de alguns anos. Afinal, além de mais rápido, este tipo de construção pode ser mais sustentável e gerar menos resíduos.

Por outro lado, vale lembrar que várias obras não foram bem sucedidas. Não só no Brasil, onde um viaduto caiu no ano passado, mas no mundo inteiro várias obras acabam tendo um fim trágico. A Ponte Tacoma Narrows é um exemplo.

Enquanto isso, a cratera continua aberta no local onde seria o Sky City. Até que prove sua viabilidade, a obra não será liberada, fato que, sinceramente, é mais que justo.

Além do Sky City, é possível listar várias obras abandonadas no início ou no meio do caminho. Os motivos são diversos: não realização de itens necessários para o licenciamento, desacordo com o a legislação, falta de dinheiro e por aí vai. Provavelmente, você já viu várias obras estagnadas em sua cidade. Neste post nós reunimos dez grandiosos edifícios que não tiveram suas obras finalizadas.

Referências: China Daily; Gizmodo; Instituto de Engenharia
 

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários