Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Cientistas brasileiros estão desenvolvendo testes rápidos para detectar coronavírus

Engenharia 360

2 min

POR Kamila Jessie 26/03/2020

A rapidez para diagnosticar o novo coronavírus é crucial para conter a expansão acelerada da pandemia. Nesse sentido, cientistas do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) e do Instituto de Biologia, ambos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), estão desenvolvendo testes de para a detecção rápida e facilitada do COVID-19.

Laboratórios de pesquisa brasileiros em ação

Mesmo em quarentena, as atividades essenciais seguem, inclusive laboratórios de pesquisa em universidades. Dentre eles, o Laboratório de Engenharia de Cultivos Celulares (LECC), coordenado pela professora Leda Castilho, que trabalha em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação de tecnologias para a produção de anticorpos monoclonais e outros biofármacos e vacina, está a todo vapor. No momento, os esforços estão voltados para a demanda da pandemia de COVID-19.

Mas vale lembrar que ciência não é feita da noite para o dia. A equipe de pesquisadores vem trabalhando nisso desde fevereiro e, atualmente, está na etapa de “ajuste fino”. Depois disso, os testes precisam ser validados, o que indica que o processo seja concluído em até 40 dias.

Como funcionam os testes rápidos

Os testes em desenvolvimento se baseiam em identificar anticorpos em pessoas com suspeita de coronavírus. Alguns tipos de anticorpos são detectados depois de sete dias de contágio, enquanto outros podem demorar até duas semanas para serem produzidos pelo corpo do infectado.

A pesquisadora Leda Castilho explicou que “a proposta é detectar os dois tipos de anticorpos, possibilitando tanto determinar se uma pessoa com sintomas respiratórios é positiva para COVID-19 quanto, por exemplo, mapear pessoas que já tenham sido infectadas anteriormente, mesmo assintomáticas”.

Cientistas brasileiros estão desenvolvendo testes mais rápidos para detecção de coronavírus - Leda Castilho UFRJ
A pesquisadora Leda Castilho. Foto: Coppe UFRJ

Os testes propostos pela UFRJ

Uma das formas previstas para o teste rápido é um ensaio Elisa, sigla para Enzyme-Linked Immunosorbent Assay, que permite detecção em algumas horas. A outra, chamada de teste rápido, se assemelha ao exame de gravidez, em que se utiliza um papel cromatográfico específico para reconhecer a proteína do vírus em poucos minutos.

Estes testes não requerem infraestrutura sofisticada e se fundamentam em uma técnica cerca de quatro vezes mais barata do que quantificação de proteína C-reativa, que é utilizada nos testes atuais. A detecção rápida é importante nesse cenário, pois pode direcionar ao isolamento imediato e facilitar a contenção da pandemia.

Leia mais: Efeitos de segunda ordem do coronavírus na engenharia.

Fontes: G1. Indian Journal of Pediatrics. Ministério da Educação. UFRJ. Valor.

cientistas brasileiros
coronavirus
COVID-19

Kamila Jessie

Doutoranda em Hidráulica e Saneamento na USP, formada em Engenheira Ambiental e Sanitária, sonhadora em tempo integral, amante de ciências e inventividades.

mais
Engenharia 360 Engenharia 360

VEJA TAMBÉM

6 Resultados
Tesla está trabalhando em ventiladores pulmonares feitos com partes de carros
6 dicas para otimizar seu home office | Lista 360
Robô delivery de medicamentos desenvolvido pela USP pode evitar contágio por coronavírus
Bioesterelizador desenvolvido em universidade paraibana pode atuar como mais uma frente contra coronavírus
O que é desinfecção ultravioleta e como esse conceito está sendo usado na pandemia de coronavírus
Como machine learning pode ajudar a driblar a resistência a antibióticos?
Podcast 360
Ouça ou baixe podcasts
exclusivos da engenharia
Ver Todos

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ