Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Maratona tecnológica da USP une o setor de alimentação

por Kamila Jessie | 23/05/2020
Copiado!

Considerando os desafios que o mercado nacional de alimentação tem vivido em função da pandemia de coronavírus, a 3ª edição da SancaThon reuniu quase 500 participantes. O objetivo da maratona tecnológica foi criar novos produtos, serviços e tecnologias para o setor alimentício, considerando os novos comportamentos do consumidor.

mulher em cima de moto ilustração SancaThon.
Imagem: SancaThon.

A SancaThon

A SancaThon é uma maratona de desenvolvimento de tecnologia criada em 2018 pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP. A competição fomenta a cultura empreendedora e estimula que os participantes desenvolvam projetos pensando em inovação direcionada. Além disso, conta com mentores e treinamentos, com o intuito de auxiliar a elaboração de protótipos e modelos de negócios viáveis.

Neste ano, a SancaThon foi realizada em conjunto pelo Centro Avançado EESC para apoio à Inovação (EESCIn), Cargill, Núcleo de Empreendedorismo da USP São Carlos (NEU-SC) e pela Semana da Integração da Engenharia Elétrica (SIEEL). Seguindo as tendências do cenário da pandemia de coronavírus, esta 3ª edição da SancaThon foi 100% online. Em ambiente virtual, a maratona conseguiu reunir aproximadamente 500 participantes, distribuídos por 22 estados e 127 municípios. O desafio foi desenvolver, em pouco mais de duas semanas, ideias e soluções para o mercado nacional de alimentos.

FoodTrends

FoodTrends é o nome da plataforma digital vencedora da SancaThon. Ela foi desenvolvida por: Júlio Vazquez Manfio e Gabriel Valbon Beleli, engenheiros de alimentos; Talles Viana Vargas e Vitor Galassi Luquezi, engenheiros eletricistas; e Caique Antonelli Maurano, analista de desenvolvimento de sistemas.

Equipe vencedora da 3ª edição da SancaThon. Image: SancaThon.
Equipe vencedora da 3ª edição da SancaThon. Imagem: SancaThon.

A plataforma FoodTrends utiliza técnicas de mineração de dados e inteligência analítica para coletar e interpretar informações de apps de delivery. Dentre elas, características operacionais e cardápios de restaurantes.

A FoodTrends tem por objetivo que indústrias e distribuidores de alimentos estejam cientes do consumo potencial de uma região. Além disso, compilar as demandas por produtos e insumos e tendências de mercado. Todos esses dados seriam aplicados como ferramentas que auxiliariam empresários a elaborar estratégias. Os idealizadores da plataforma estimam que ela esteja em funcionamento em até quatro meses.

Equipe vencedora da 3ª edição da SancaThon.
Equipe vencedora da 3ª edição da SancaThon. Imagem: SancaThon.

EESC-USP e Cargill

A maratona promovida pela EESC-USP e Cargill trouxe dezenas de instituições do food servisse para o evento. Essa rede colaborativa, de acordo com o professor Daniel Magalhães diretor do Centro Avançado EESC para apoio à Inovação (EESCIn), trouxe até empresas concorrentes para uma atuação cooperativa.

Outra colocação do professor Magalhães foi sobre o formato online da competição. Não é só de videochamadas que estamos falando.  “Acho que nos reinventamos em termos de competição, pois o formato diferente devido ao período de quarentena, na verdade, possibilitou a expansão do evento. Outro ponto foi o tipo de desafio, que apesar de estar delineado antes da pandemia, acabou sendo aplicado em um dos setores que mais tem sofrido e que precisa de ajuda e soluções imediatas. Prova de sucesso foi o de termos um acerto de negócio durante a live de premiação entre jurado e o grupo vencedor”, revelou para a Assessoria de Comunicação da USP.

Convidados da 3ª edição da SancaThon. Imagem: SancaThon.
Convidados da 3ª edição da SancaThon. Imagem: SancaThon.

A Cagill também se manifestou por meio de Thiago Theodoro, seu líder de food service. Ele reiterou que a união durante a maratona foi determinante para os bons resultados alcançados pela SancaThon. Além disso, parabenizou a USP por ter conectado tantos parceiros e por ter “unido a jovialidade de um estudante, às vezes de primeiro semestre, com profissionais que têm mais de 20 anos de mercado. Foi um movimento que ultrapassou as barreiras da competitividade e da concorrência”.

Você participou da SancaThon ou conhece alguém que tenha participado? Conta para a gente nos comentários!

Fonte: Assessoria de Comunicação SEL/USP.

Copiado!
Engenharia 360

Kamila Jessie

Engenheira ambiental e sanitarista, MSc. e atualmente doutoranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo. http://orcid.org/0000-0002-6881-4217

Comentários