Engenharia 360

Momento único para a Ciência: NASA registra colisão de espaçonave com asteroide

Engenharia 360
por Redação 360
| 16/09/2022 | Atualizado em 27/09/2022 3 min

Momento único para a Ciência: NASA registra colisão de espaçonave com asteroide

por Redação 360 | 16/09/2022 | Atualizado em 27/09/2022
Engenharia 360

Atualização:

Neste último dia 26 de setembro de 2022, a sonda da NASA, parte da missão de Teste de Redirecionamento de Asteroide Binário (DART), colidiu com a lua Dimorphos, que orbita o asteroide Didymos, a 11 milhões de quilômetros da Terra. A intenção da agência espacial era estudar a capacidade de desviar a rota de corpos celestes que, hipoteticamente, poderiam entrar em rota com a Terra no futuro. Foram US$ 330 milhões gastos no programa.

Detalhe: este asteroide NÃO oferece risco à Terra, segundo a NASA. Ele foi escolhido para o exercício por se tratar de um tipo “comum” e porque está relativamente perto. Assim seria possível depois monitorar se a mudança de trajetória foi mesmo obtida com sucesso. Então, com os resultados esperados, podemos usar isso de parâmetro caso, no futuro, realmente tenhamos que livrar nosso planeta de algum risco real.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Continue Lendo

Quer ver como foi toda a cobertura da NASA do impacto da sonda com o asteroide? Então, assista ao vídeo a seguir:

Fontes: G1.


Imagina que loucura! Nossos bisavós ou tataravós se deliciaram com as histórias de Júlio Verne, ficando só na imaginação sobre como seria o homem ir à Lua e explorar outras regiões do espaço. Já os nossos pais ou avós tiveram o prazer de ver realmente o homem na lua – e melhor, pela televisão, que também é um marco incrível da evolução científica -, fora o lançamento das sondas Voyager e o lançamento do Telescópio Hubbe. Mas e a nossa geração?

Bem, estamos também testemunhando importantes momentos da história. Por exemplo, empresas privadas tentando mudar o turismo espacial; o início dos estudos em Marte, com sondas como a Perseverance; o início da missão Artemis; o lançamento do supertelescópio James Webb; e agora o primeiro teste da missão DART, da NASA. Saiba mais a seguir!

Como deve ser a missão DART, da NASA?

Aposto que esta você não sabia, mas a Agência Espacial Norte-Americana (NASA) colocou recentemente em operação, no dia 11 de setembro deste ano, o seu satélite denominado Light Italian Cubesat for Imaging of Asteroids (LICIACube). Ele é muito poderoso nos registros fotográficos e, por isso, será responsável por documentar um evento histórico da missão Double Asteroid Redirection Test (DART), que também deve ocorrer neste mês, no dia 26 de setembro, a partir das 20h15min.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A ideia da DART foi apresentada para o público em 2021, pelo Laboratório de Física Aplicada Johns Hopkins (APL). Trata-se de uma iniciativa da Agência Espacial Norte-Americana (NASA) com apoio da Agência Espacial Europeia (ESA). E aí vem a melhor parte desta história – ou a parte mais assustadora! A intenção é testar como seria, com a tecnologia de hoje, desviar asteroides potencialmente perigosos que estejam em rota de colisão com a Terra.

missão DART, da NASA
Imagem reproduzida de GEOCONTACTO

Colisão contra asteroide

Neste dia 26, poderemos ver ao vivo, pelo canal oficial da NASA na Internet – com transmissão também pelo YouTube -, uma espaçonave não tripulada ir em rota de colisão, a 24 mil km/h, com o sistema binário composto pelo asteroide Didymos, de 780 metros de diâmetro e que está a 11 milhões de quilômetros da Terra. O teste deve mensurar o impacto da espaçonave e do objeto rochoso. E isso também será registrado pelo satélite LICIACube – na verdade, com muito mais detalhes, já que estará há apenas 1 km do local do impacto.

missão DART, da NASA
Imagem reproduzida de CGTN

O que se espera ver com o LICIACube?

Os cientistas estão bem animados pelo dia 26 de setembro, como é de se esperar! A ideia é que o LICIACube possa registrar, por exemplo, o aumento de luminosidade quando o choque entre a espaçonave e o asteroide acontecer. Sabe-se que, na ocasião, pode haver um corte no sinal de transmissão. Mas, depois, será fácil recuperar esses dados, pois eles serão, em seguida, diretamente enviados para a estação da NASA na Terra, ficando disponíveis para análise dos cientistas. E certamente, em breve, teremos mais notícias sobre as descobertas. Vamos cruzar os dedos para que tudo dê certo!


Fontes: Jornal ZH, CanalTech.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

Assine nossa newsletter
e receba
uma curadoria exclusiva de conteúdos:

Continue lendo