Engenharia 360

Engenharia de Alimentos: embalagens sustentáveis e ecológicas para produtos de Páscoa

Engenharia 360
por Redação 360
| 15/04/2022 | Atualizado em 16/04/2022 3 min

Engenharia de Alimentos: embalagens sustentáveis e ecológicas para produtos de Páscoa

por Redação 360 | 15/04/2022 | Atualizado em 16/04/2022
Engenharia 360

A Páscoa está chegando! Neste ano de 2022, a estimativa da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates (Abicab) é de que cerca de 9 mil toneladas de produtos relacionados à data devem ser vendidos nestes dias – e olha que esse cenário é, levando em conta a severa crise econômica que vivemos atualmente, bastante animadora. As fábricas de chocolate pelo país se esforçaram para entregar a tempo seus produtos com qualidade. Contudo, quanto dessa qualidade, visando agradar os consumidores, pode comprometer a natureza?

O problema é que as embalagens utilizadas nesses alimentos devem levar décadas ou séculos para se decompor – principalmente se envolverem materiais plásticos. Seria importante, então, que as empresas repensassem um modo de, pelo menos, diminuírem o volume desses resíduos. Claro que isso não é uma tarefa fácil, até porque os ovos de Páscoa, por exemplo, são bastante frágeis, necessitando de um acondicionamento super adequado – até para preservar a sua forma, textura e sabor. Porém, dizer que é difícil não é o mesmo que ser impossível, certo?

Páscoa
Imagem reproduzida de ACritica.NET

Exemplo de caso: modelo de embalagem biodegradável

Não tem jeito, trocar chocolates na Páscoa já virou tradição – e que tradição mais gostosa, não é mesmo? Sim, as fabricantes esperam aumentar cada vez mais as suas vendas nesse feriado. Ao mesmo tempo, tem aquelas que não esquecem o compromisso que afirmaram, de reduzir os impactos que causam no meio ambiente. Por exemplo, a empresa Nugali Chocolates, de Santa Catarina, é a primeira a usar embalagens biodegradáveis do país. Inclusive, essa sua iniciativa rendeu um certificado de ‘Lixo Zero’ e o Prêmio Nacional de Inovação da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que reconhece empresas capazes de reciclar, reutilizar ou compostar mais de 98% dos resíduos emitidos.

Páscoa
Imagem reproduzida de Blogs e Colunas – O POVO

A identificação do problema

Sim, o plástico, altamente utilizado nas embalagens das empresas de chocolate, é de difícil reciclagem. Quando descartado de forma incorreta, pode causar danos irreparáveis à natureza, como o agravamento da poluição de mares, oceanos e rios. E, mais, embalagens plásticas podem entupir canalizações, valas e bueiros, piorando a questão das enchentes nas cidades.

Acontece que o nicho de produtos para Páscoa usa demais o plástico metalizado, que não pode ser reciclado. Ou seja, ele oferece alegria para poucos minutos e lixo por muitos séculos!

A solução proposta

Agora, a Nugali Chocolates, ao invés de usar o plástico comum, usa um composto de biopolímeros, que é capaz de se decompor COMPLETAMENTE em cerca de dois anos. Depois disso, ele vira biomassa, metano e água, conforme garante a equipe de produção da empresa. Esse novo material pode ser usado para envolver barras e ovos de chocolate, por exemplo. Mas sabe qual a parte mais legal dessa histórua? É que isso também funcionaria como adubo e combateria ervas daninhas de jardins. Ou seja, depois de comer o doce, você poderia enterrar a embalagem no canteiro de casa sem estragar a natureza local! Incrível, não? Gostou da ideia? Escreva nos comentários!

Páscoa
Imagem reproduzida de Revista Saneamento Ambiental

Veja Também:

Biotecnologias: cursar Engenharia Genética ou Engenharia de Alimentos?

Engenharia de Alimentos: fabricação, conservação, estocagem e transporte de alimentos industrializados

Os desafios e oportunidades da engenharia de alimentos em tempos de “comida gourmet” e “sem glúten”


Fontes: O Município Blumenau.

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo