Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Engenharia 360

Uso de drones na aplicação de produtos na agricultura cresce no Brasil

Engenharia 360
por Kamila Jessie
| 09/01/2020 3 min

Uso de drones na aplicação de produtos na agricultura cresce no Brasil

por Kamila Jessie | 09/01/2020
Copiado!

A gente está ciente da existência de diferentes modelos de drones, que atendem uma série de finalidades que o mercado demanda: desde o recente uso militar, até aqueles drones recreativos, que permitem que tiremos umas fotos legais. Agora nós vamos falar sobre a inclusão desses veículos aéreos não tripulados na agricultura.

pulverização por drones engenharia 360
Imagem: Daniel Bandeira Estima / Skydrones

Processo de regulamentação de drones na agricultura

Durante seu boom, há aproximadamente dois anos, deu-se início o uso de drones na pulverização de agrotóxicos em algumas culturas, principalmente nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Contudo, o emprego desses veículos aéreos não tripulados ainda está em processo de regulamentação, com um viés favorável voltado para evitar a deriva, isto é, a perda de produto que acontece no lançamento aéreo de agrotóxicos e com um desfavorável relacionado à competição com aviões agrícolas.

Há quem diga que os drones serão um complemento, mais direcionado, devido ao fato de comportarem volumes menores de produtos, enquanto aviões seguirão fundamentais para a cobertura de áreas maiores. Dados do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (SIDAG) indicam que o Brasil tem a segunda frota aeroagrícola do mundo, correspondente a 2.182 aviões e 12 helicópteros. Por outro lado, é vetada na União Europeia, desde 2009, a pulverização aérea de pesticidas, seguindo o argumento de risco de contaminação ao ambiente, trabalhadores rurais e moradores, a menos em casos excepcionais.

Desenvolvimento de drones para o campo

Enquanto não são colocadas definições legais sobre o uso de drones na agricultura, está ocorrendo fomento em pesquisa (para avaliar aplicabilidade e eficiência) e demandas de mercado que façam a coisa acontecer. Isso coloca um panorama interessante para o pessoal da Engenharia Agrícola observar e se posicionar.

São levantadas questões de custo que podem ser associadas desde perdas de produtos até gastos com combustíveis, enquanto drones operam com baterias. Além disso, que tipo de áreas são acessíveis a drones e não a aviões, autonomia de voo, dentre outros temas que mostram que o agronegócio voa (trocadilho intencional) em direção aos avanços tecnológicos.

Pulverizando a pesquisa brasileira com drones

Instigado por essa demanda de drones na agricultura, o grupo de pesquisa do professor Jó Ueyama, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo (ICMC-USP), depositou dois pedidos de patentes relacionados ao tema. Os projetos tiveram apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Dessas duas patentes, a primeira se refere a um sistema inteligente e autônomo de pulverização de agroquímicos com drones e como monitorar a aplicação. A outra, se refere a um sistema que pulveriza material para controle biológico de pragas.

drones na agricultura engenharia 360
Imagem: hoje.unisul.br

Questões paralelas

Enquanto a gente fica animado com a perspectiva de drones na agricultura, também vale apontar a questão do uso exagerado de defensivos agrícolas e pesticidas. O cenário de poluição relacionado a agrotóxicos pode ser assustador, de forma que a otimização da aplicação desses produtos é algo que todo mundo está buscando.

Referências:

Provendo uma maior inteligência em IOTS: abordagens e aplicações em sensores, VANTs e smartphones (nº 15/21642-6); Modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular; Pesquisador Responsável Jó Ueyama (USP); Investimento R$ 109.663,87.

CUNHA, J.P.A.R. et al. Spray drift and pest control from aerial applications on soybeans. Journal of the Brazilian Association of Agricultural Engineering. Maio/Jun. 2017

Copiado!
Engenharia 360

Kamila Jessie

Doutoranda em Hidráulica e Saneamento na USP, formada em Engenheira Ambiental e Sanitária, sonhadora em tempo integral, amante de ciências e inventividades.

Artigo Anterior
Próximo Artigo

Comentários