Engenharia 360

'Vidrados' da Netflix: série lembra a importância dos trabalhos de Arte em Vidro

Engenharia 360
por Simone Tagliani
| 12/02/2021 | Atualizado há 11 horas 5 min
(imagem de Entreterse)

'Vidrados' da Netflix: série lembra a importância dos trabalhos de Arte em Vidro

por Simone Tagliani | 12/02/2021 | Atualizado há 11 horas
(imagem de Entreterse)

O vidro é um material já conhecido pelo homem há milhares de anos e que hoje pode ser utilizado para vários fins

Engenharia 360

O vidro é um material já conhecido pelo homem há milhares de anos e que hoje pode ser utilizado para vários fins

Há pouco tempo, a plataforma de streaming mais famosa do mundo, a Netflix, lançou um reality - atualmente na segunda temporada – bastante peculiar. O programa ‘Vidrados’ traz a tona o tema dos trabalhos de arte em vidro. Na competição, dez vidraceiros desenvolvem peças que fogem dos utensílios comuns, sendo verdadeiras obras primas de expressões ousadas e movimentos que remetem a diversos estilos, como o Pop Art. Por fim, o vencedor leva para casa uma quantia em dinheiro e a chance de realizar um estágio no Corning Museum of Glass e de ter uma de suas coleções expostas.

vidraceiro em cena de vidrados, da Netflix
(imagem de Entreterse)

O que mais nos chama a atenção quanto a esta séria é justamente o tema de debate que ela traz. Realmente, a arte em vidro é pouco comentada nos dias de hoje; e, certamente, sempre foi uma das menos conhecidas. E nós, do Engenharia 360, acreditamos que falar sobre este assunto deve ajudar, relembrando as pessoas de quantas coisas maravilhosas podemos fazer com este material - incluindo na Arquitetura, Engenharia e Decoração.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

arte em vidro
(imagem de Espace Verre)

Sobre a origem do vidro

Nós estamos muito acostumados com o vidro, pois faz parte do nosso cotidiano. Com ele o homem faz para-brisas, telas de TV e monitores, lentes, frascos de remédios e de bebidas, copos, pratos, mesas, janelas, portas, espelhos, lâmpadas, isolamentos, objetos de arte, e mais. Agora, quem não entende do assunto deve estar se perguntando “da onde vem o vidro?”!

lâmpada feita de vidro
(imagem de Pixabay)

Pois bem, há cerca de 7 mil anos, mercadores fenícios faziam uma fogueira na areia de uma praia quando descobriram o vidro. É que a versão mais pura deste material é a soma de areia, sal ou nitrato de sódio e fogo ou calor! Depois de saber disso, tantos os fenícios quanto os sírios e babilônicos passaram a utilizar o vidro - só que apenas em pequena quantidade, claro.

Aqui mesmo no Brasil, o vidro demorou a chegar. No Período Colonial, as construções no país ainda eram muito rústicas e poucos eram as famílias ricas o suficiente para adquirir vidro. Porém, nas casas dos nobres, já se podia ver a utilização de alguns utensílios domésticos no material, como taças. Janelas envidraçadas, por exemplo, era coisa rara! Só no século XX é que o vidro realmente ficou popular nestas terras – ainda visto como sinônimo de luxo e modernidade.

igreja com vitrais
(imagem de Pixabay)

O vidro atual

Claro que o vidro atual é bem diferente daquele descoberto pelos fenícios. As técnicas de fabricação deste material foram aprimoradas durante gerações. Os romanos foram o povo que realmente ficou mestre nisto – mundialmente conhecido pelas peças de vidro de Murano, pequena ilha perto de Veneza.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

vitrais de igreja
(imagem de Pixabay)

A forma de produção de vidro mais utilizada nos dias de hoje é a de “fusão + resfriamento”. Tudo começa pela nova fórmula do vidro, que contém areia de sílica, sódio e cálcio mais magnésio, alumínio e potássio. Tudo isto é misturado e processado, e depois levado à um forno industrial à uma temperatura de 1600 graus célsius. Mas a proporção de cada matéria prima pode variar de acordo com os resultados de resistência em que se deseja alcançar!

peça de vidro em produção
(imagem de Pixabay)

Dentro do forno, a massa de vidro é derretida até virar um líquido. Neste momento, o vidro é despejado em uma banheira de estanho – que, por ser mais denso, faz o vidro flutuar. Por fim, o material vidro é passado entre roletes – que determinam a sua espessura. Então, levado para uma câmara fria com sopradores, onde atinge uma temperatura de 250 graus. E, posteriormente, para o ar livre, até terminar de resfriar.

Sobre o uso do vidro na Arquitetura

Dentro das fábricas, é possível criar vidros com várias características, destinados para usos específicos. Todos podem ter elevada dureza; serem impermeáveis; e, se não quebrados, durar milhares de anos. E o mais legal é que o vidro pode ser reciclado! Portando, é considerado um material ecológico – uma alternativa bem melhor do que o plástico, por exemplo, que tanto tem contribuído para a poluição e morte de animais no mundo.

utensílios de vidro sobre mesa
(imagem de Pixabay)

Vidro na construção civil

O vidro já é utilizado há muitos anos nos projetos de Arquitetura, Engenharia e Decoração, principalmente por ser bastante versátil! Sua leveza visual oferece mais elegância às obras. É capaz de combinar com muitos outros materiais, proporcionando ambientes mais harmônicos. E pela sua transparência, promover maior integração – continuidade espacial - entre as áreas internas e externas destas construções – garantindo, inclusive, mais aproveitamento da luz natural. Mas, quando opacos, também garantiriam mais privacidade para as pessoas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eis os tipos de vidros mais conhecidos e utilizados na construção civil: laminado, temperado, blindado, insulado, termo acústico, anto reflexivo, autolimpante, decorativo, serigrafado, esmaltado, impresso e resistente ao fogo.

Veja Também: Qual a diferença entre vidro comum, laminado e temperado?

prédio espelhado
(imagem de Pixabay)

Sobre a criação de Arte em vidro

É possível, sim, criar belas esculturas em vidro! Prova disso são os trabalhos maravilhosos que vemos no programa ‘Vidrados’, da Netflix. De fato, vale a pena falar sobre este assunto e mostrar exemplos aos expectadores, pois quanto mais pessoas souberem o que se pode fazer com vidro, mais elas respeitarão não só o material, quanto o trabalho dos artesãos!

Nem precisa dizer o quanto é difícil e arriscado lidar com vidro! Dentro de um atelier comum, pode-se ver estações de trabalho, fornos de reaquecimento, fornos de fusão, câmaras de resfriamento e várias ferramentas diferentes. Para o vidro virar escultura, ele deve passar por vários processos!

esculturas de vidro
(imagem de Entretese)

Na fase um, o artesão coleta a quantidade de vidro líquido que necessita para trabalhar com uma ferramenta chamada de “cana de vidraceiro”. Depois, ele vai soprando o material fora e dentro de moldes, ajustando as formas com pinças e maçaricos. Se quiser dar cor à escultura, o profissional precisa adicionar à mistura materiais como selênio, cádmio, cromo, chumbo, âmbar, resina vegetal e grafite. Depois de rígido, o vidro é levado para um tratamento térmico – recozimento. Então, tudo é novamente resfriado. Enfim, a escultura está pronta!

vidraceira em cena de vidrados, da Netflix
(imagem de Architectural Digest)

Já assistiu a essa série? Comente!


Fontes: Abravidro, Statera Arquitetura, Pilkington, Prismatic, Divinal Vidros, Prepara Enem, Recicloteca.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada em Arquitetura & Urbanismo e Letras; técnica em Publicidade; pós-graduada em Artes Visuais, Jornalismo Digital, Marketing Digital e Gestão de Projetos; estudante de Transformação Digital e Negócios; e proprietária da empresa Visual Ideias.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo