Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Será que o Brasil precisa de especialistas em Engenharia Nuclear?

por Redação 360 | 30/03/2022 | Atualizado em 03/04/2022

Energia Nuclear é uma das alternativas ao uso de combustíveis fósseis para a produção energética no mundo. Conhecida desde 1940, ela é produzida a partir do átomo de urânio. Mas, infelizmente, além de ser uma tecnologia cara, gera resíduos que levam muitos anos para perder a radioatividade. Para complicar, acidentes como o de Chernobyl ou Fukushima acenderam um alerta quanto à segurança das usinas. E, por fim, guerras como a da Rússia contra Ucrânia fizeram todos voltar a pensar se a Engenharia Nuclear deveria mesmo fazer parte do nosso futuro como aldeia global.

E, quer saber? A resposta é ‘sim’! Porque o trabalho dos engenheiros nucleares vai muito além! E o Brasil dispõe de recursos para desenvolver uma boa Engenharia Nuclear, que atenda várias indústrias, aprimorando tecnologias e desenvolvendo inovações. Contudo, para isso, temos que acreditar no potencial dessa área de pesquisa científica. Continue lendo para saber mais!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

energia nuclear
Imagem reproduzida de Defesa Aérea & Naval

Veja Também: Energia Nuclear – americanos conseguem atingir estágio de “plasma em chamas” em experimento

A evolução da Engenharia Nuclear no Brasil

Na década de 1950, o presidente norte-americano Dwight Eisenhower propôs a criação de um projeto especial para levar benefícios de tecnologia nuclear para todos os países aliados do país. Isso incluía, obviamente, o Brasil. E o fruto dessa parceria foi a construção do primeiro reator nuclear dentro do nosso território, o IEA-R1; a implantação do Instituto de Energia Atômica, dentro de onde hoje é parte do campus da USP no Butantã; e o desenvolvimento de projetos como o submarino nuclear e as usinas de Angra – no famoso “Ciclo do combustível nuclear”.

Com o passar dos anos, o Brasil tentou e conseguiu colocar em prática diversos projetos na área nuclear. Inclusive, dizem os especialistas que, até hoje, o nosso país é um dos poucos que dominam todo o ciclo do combustível nuclear – da extração ao gerenciamento de rejeitos. O problema é que, também com o tempo, enfraqueceu demais o ensino da Engenharia por aqui, assim como os investimentos no desenvolvimento de soluções ligadas a tal ciência. A falta de mão de obra tem se agravado cada vez mais. Então, tornou-se um problema encontrar quem opere ferramentas e equipamentos de Engenharia Nuclear.

Mas existem também boas notícias que podemos compartilhar neste texto! O Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares ainda mantém suas pesquisas nucleares, principalmente na área de radioisótopos, reatores, gerenciamento de rejeitos radioativos, produção de radiofármacos para uso na medicina. Também trabalham com a tecnologia nuclear a Eletronuclear, as Indústrias Nucleares do Brasil (INB), o Centro Experimental de Aramar da Marinha, e outros institutos no país. E, a partir de 2021, a Escola Politécnica (Poli) da USP passou a oferecer a habilitação em Engenharia Nuclear.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

energia nuclear
Imagem reproduzida de Poli USP

Veja Também: Como funciona o reator nuclear chinês conhecido como “sol artificial”? | 360 Explica

Os usos que o Brasil pode fazer da tecnologia nuclear

Então, resumindo, o Brasil ainda faz bastante uso da tecnologia nuclear; por isso a necessidade por capacitação contínua na área. Por exemplo, os materiais nucleares fazem parte da fabricação de fármacos para tratamentos e equipamentos médicos, como para exames de imagens. Outra contribuição é na agricultura, onde vários alimentos são submetidos a processos de radiação para eliminação de microorganismos. Na questão ambiental, a Engenharia Nuclear se alia ao tratamento de efluentes, inclusive apresentando novas estratégias ou novos métodos para a melhora da gestão de processos.

energia nuclear
Imagem reproduzida de Startupi
energia nuclear
Imagem reproduzida de Orientu
energia nuclear
Imagem reproduzida de EBC

E é claro que precisamos voltar na questão da produção de energia elétrica. O Brasil poderia explorar mais, melhor e com segurança essa alternativa, buscando depender cada vez menos da importação de recursos. Só frisando que existe uma diferença na linha tecnológica nuclear que é desenvolvida no Brasil com relação ao que é desenvolvido em países como o Japão. Ela garante menos acidentes em comparação com outros tipos de fontes de energia, mais segura do que uma hidroelétrica – por isso pode ser considerada para áreas urbanas; emite menos poluição causadora de efeito estufa na atmosfera do que termoelétricas; e não depende das condições climáticas, como ocorre com usinas eólicas.

energia nuclear
Imagem reproduzida de O Petróleo

Quer se convencer mais de que apostar em Engenharia Nuclear seria uma boa ideia? Confira mais vantagens desse tipo de tecnologia:

  • permite geração de energia com grande potencial em territórios com poucos recursos hídricos – em casos assim, as usinas nucleares se mostram soluções potencialmente interessantes -, sendo necessárias duas pequenas partículas de urânio com capacidade para atender as necessidades energéticas de uma cidade com 20 mil habitantes por 24 horas, e tudo isso em uma área de construção bem menor;
  • oferece um tipo de combustível mais barato do que o de origem petrolífera;
  • também um combustível com uma matéria-prima que não apresenta risco de escassez, como acontece com os combustíveis fósseis, pois há abundância do urânio, o que torna o custo de produção mais baixo;
  • e pode ser acompanhada por sistemas avançados de controle já existentes no mercado, emitindo alertas sempre que necessário.

Veja Também: Além de Chernobyl – tudo que você precisa saber sobre usinas nucleares


Fontes: USP, Hexag, MaximGroup.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Comentários

Engenharia 360

Redação 360

Engenharia para todos.