Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

CANAIS ESPECIAIS


Como funciona o reator nuclear chinês conhecido como "sol artificial"? | 360 Explica

por Rafael Panteri | 21/01/2021

Atualmente, os reatores de fusão nuclear consomem mais energia do que produzem

No começo do mês de dezembro de 2020, as autoridades chinesas anunciaram o início das atividades do reator HL-2M, localizado na cidade de Chengdu, no sudoeste da China. O equipamento é capaz de gerar temperaturas de 150 milhões de graus Celsius, o que explica seu apelido “sol artificial”.

O reator nuclear HL-2M emula as reações de fusão nuclear como as que acontecem no Sol
O reator nuclear HL-2M emula as reações de fusão nuclear como as que acontecem no Sol

Essa temperatura elevada é necessária para obter a chamada fusão nuclear. Nesse processo, dois núcleos atômicos se unem, originando um único núcleo, liberando uma quantidade colossal de energia. Em termos de comparação, um grama de hidrogênio feito através da fusão gera uma quantidade de energia igual à obtida pela queima de 20 toneladas de carvão. O equipamento inaugurado pela China foi desenvolvido para aproveitar essa energia da fusão nuclear.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Reator nuclear chinês - HL-2M
Reator nuclear chinês – HL-2M

O reator foi construído de modo a produzir um campo magnético extremamente forte, capaz de controlar a temperatura no seu interior. Mantendo o plasma longe das paredes, esse confinamento magnético impede que o HL-2M derreta.

Estrutura interna do HL-2M
Estrutura interna do HL-2M

A fusão nuclear libera baixas quantidades de carbono e poucos resíduos, e é por essa razão que entusiastas a apontam como uma forma eficiente de proteger o meio ambiente. Apesar das boas expectativas, alguns pesquisadores mantêm o ceticismo. Para Chary Rangacharyulu, especialista em física nuclear da Universidade de Saskatchewn (Canadá), o alto custo desses projetos, somado com o tempo que leva para produzir um modelo experimental, não a convence de que essa é a solução energética que precisamos.

Os reatores de fusão nuclear de hoje consomem mais energia do que produzem.

Fontes: BBC

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também:

O que acha da alternativa? Deixe nos comentários.

Comentários

Engenharia 360

Rafael Panteri

Estudante de Engenharia Elétrica no Instituto Mauá de Tecnologia. Parte da graduação em Shibaura Institute of Technology - Japão.