Engenharia 360

Balneário Camboriú: patrimônio histórico perde para arranha-céus de luxo

Engenharia 360
por Redação 360
| 10/03/2022 3 min

Balneário Camboriú: patrimônio histórico perde para arranha-céus de luxo

por Redação 360 | 10/03/2022

Você já deve ter ouvido falar de Balneário Camboriú, uma linda praia de Santa Catarina, emancipada de Camboriú e onde foram construídos os maiores arranha-céus do Brasil. Mas é claro que esse grande movimento arquitetônico provocou igualmente uma enorme transformação urbana.

Por exemplo, agora alguns hotéis históricos e icônicos de BC serão demolidos para dar lugar a novas construções. Um deles é o Hotel Fischer, que chegou a hospedar dois ex-presidentes, Juscelino Kubitschek e João Goulart, mas foi derrubado em 2012 e deve ser substituído por duas torres de luxo com 165 metros cada. Outro é o Hotel Marambaia, construído em 1964, mas que terá apenas uma parte preservada.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Balneário Camboriú
Imagem reprodução de Turismo – iG

Patrimônio histórico de Balneário Camboriú ameaçado

Tudo isso já nem parece espantar os residentes. À beira-mar, são poucos os prédios com menos de 50 andares. Por exemplo, da construtora Pasqualotto&GT, as “torres gêmeas” da cidade lideram o ranking dos edifícios residenciais mais altos da América do Sul, com 281 metros de altura ou 81 andares. Mas  por que, então, a demolição destes dois edifícios históricos chama a atenção?

Bem, o Fischer, de apenas 12 andares, foi uma referência de arquitetura alemã e o primeiro prédio com heliponto da cidade; aliás, até chegou a participar de um processo de tombamento histórico.

Balneário Camboriú
Imagem reprodução de Pinterest
BC Noticias
Imagem reprodução de BC Notícias
Balneário Camboriú
Imagem reprodução de Gabarito Imobiliária

Enquanto isso, o Marambaia, com fachada circular de estilo modernista, mesmo em área de interesse histórico do município pelo Plano Diretor, já precisou se despedir de vizinhos, demolidos. Ele abriga o acervo de Roberto Veronese. Só que passará pelas obras parciais já em 2023.

Balneário Camboriú
Imagem reprodução de KAYAK

Outros casos de “agressão” contra a arquitetura de BC

Parece que se tornou comum essa prática de transformação urbana em Balneário Camboriú por meio da intervenção sobre patrimônio histórico arquitetônico. Por exemplo, a Capela Luterana da Rua 2.300, uma construção dos anos de 1950 tombada, foi incorporada a um prédio de luxo e está rodeada de uma horrível muralha de concreto. Agora, além dela, está sob a mira dos construtores a Capela de Santo Amaro e a antiga casa de veraneio do ex-presidente João Goulart – tendo esta última obra passada por várias alterações ao longo dos anos, inclusive para virar restaurante, perdendo demais as características originais de residência.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De acordo com uma reportagem do G1, a 5ª Promotoria de Justiça da Comarca de Balneário Camboriú informou que tem em andamento uma ação civil pública que pede a atualização da lei do Plano Diretor. Torcemos para isso ser verdade e, assim, possam ser discutidas outras alternativas de continuar o progresso de BC, mas sem comprometer o que restou de seu patrimônio histórico!

Veja Também: Balneário Camboriú e Fortaleza: por que suas áreas de praia estão sendo ampliadas?


Fontes: G1.

Comentários

Engenharia 360

Redação 360

Engenharia para todos.