Engenharia 360

A inovadora abordagem de design iterativo da SpaceX para lançar a Starship

Engenharia 360
por Kamila Jessie
| 02/03/2020 | Atualizado em 20/04/2023 3 min
Elon Musk Twitter, via Space – https://www.space.com/spacex-assembles-starship-mk1-photo.html

A inovadora abordagem de design iterativo da SpaceX para lançar a Starship

por Kamila Jessie | 02/03/2020 | Atualizado em 20/04/2023
Elon Musk Twitter, via Space – https://www.space.com/spacex-assembles-starship-mk1-photo.html
Engenharia 360

Atualização: A SpaceX adiou a primeira tentativa de lançamento da Starship devido a um problema técnico, mas agora está programada para a quinta-feira (20) de abril de 2023. A empresa terá uma janela de lançamento que abre às 7h28 (BRT) e fecha às 8h30 (BRT). O lançamento será transmitido ao vivo no site da SpaceX. A tentativa de lançamento original foi cancelada devido a um problema de pressurização.

Veja Também: Perdeu, Elon Musk! Pedaço de foguete da SpaceX cai em território brasileiro

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


A polêmica abordagem da SpaceX com design iterativo seguiu explodindo veículos espaciais durante algum tempo. A missão atual da empresa é acelerar o processo de tentativa e erro para tornar seu projeto Starship pronto para um voo orbital.

Starship MK1. Fonte: SpaceX.
Starship MK1. Fonte: SpaceX.

Veja Também: SpaceX Village: a polêmica cidade que Elon Musk pretende construir removendo moradores locais

O design iterativo da SpaceX

Em novembro de 2019, o primeiro protótipo de um veículo Starship foi danificado durante um teste de pressurização, os funcionários da SpaceX estavam trabalhando em uma nova versão do veículo chamada SN1. A empresa adotou essa nomenclatura porque Elon Musk prevê que a SpaceX siga construindo grandes naves espaciais rapidamente, com cada nova iteração melhorando na última - seja por meio de processos de fabricação mais suaves, eliminando massa desnecessária, melhorando o desempenho, ou outros.

"Construir muitos foguetes permite aproximações sucessivas", disse Musk no Twitter, aplicando uma equação simples ao processo: progresso em qualquer tecnologia é o número de iterações multiplicadas pelo progresso entre iterações. Basicamente, seguir na tentativa e erro até convergir para o design ideal.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sob essa abordagem ao design do hardware de voos espaciais, sem dúvida haverá mais contratempos como o acidente de 2019. O vídeo gravado em uma rodovia próxima às instalações da SpaceX em Boca Chica no final de fevereiro é um indicativo disso:

Mas antes que a gente se impressionasse, Michael Baylor, da Space Flight, publicou que não há nada a se preocupar, dizendo que esse negócio de “testar, falhar, consertar, testar, falhar, consertar é o esquema da SpaceX. Eles aprenderão com isso e acertarão”.

Veja Também:

O sistema inovador de abastecimento orbital dos foguetes Starship da SpaceX

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Starships are meant to fly

Por mais que a explosão pareça dinheiro sendo jogado pelos ares, a SpaceX está disposta a tolerar algumas falhas para avançar rapidamente. Com o "design iterativo", a empresa constrói veículos, testa seu desempenho, identifica as falhas e voa o mais rápido possível.

Essa abordagem contrasta fortemente com a indústria
aeroespacial mais tradicional, na qual são gastos anos refinando o design de um
veículo antes de construí-lo. Isso normalmente resulta em menos explosões, mas
requer muito mais tempo e financiamento. Nós, visualizadores externos, também
ficamos impressionados com a disposição da SpaceX em deixar que seus protótipos
explodam.

Musk explicou que a iteração no programa de foguetes Falcon 9 desacelerou entre 2010 e 2018, pois suas cargas úteis para a NASA e clientes comerciais se tornaram "importantes demais" para se arriscar. No entanto, durante a fase inicial do programa Starship, a SpaceX buscou construir veículos por “apenas” US $ 5 milhões cada, usando principalmente materiais de aço inoxidável. Além disso, não foi colocada nenhuma carga útil nesses trials.

Enquanto a Starship não é lançada de fato em órbita, a gente admira a animação e torce para que não sejam “desperdiçados” muitos protótipos até que as iterações venham a convergir para o ideal.

Veja Também:


Fonte: Arstechnica.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Kamila Jessie

Doutoranda e mestre em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo, é formada em Engenharia Ambiental e Sanitária.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo