Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

SpaceX acelera no design iterativo para lançar Starship

por Kamila Jessie | 02/03/2020
Copiado!

A polêmica abordagem da SpaceX com design iterativo segue explodindo veículos espaciais. A missão atual da empresa é acelerar o processo de tentativa e erro para tornar seu projeto Starship pronto para um voo orbital.

Starship MK1
Starship MK1. Fonte: SpaceX.

Tentativa e erro: o design iterativo da SpaceX

Desde o final de novembro, quando o primeiro protótipo de um veículo Starship foi danificado durante um teste de pressurização, os funcionários da SpaceX estavam trabalhando em uma nova versão do veículo chamada SN1. A empresa adotou essa nomenclatura porque Elon Musk prevê que a SpaceX siga construindo grandes naves espaciais rapidamente, com cada nova iteração melhorando na última – seja por meio de processos de fabricação mais suaves, eliminando massa desnecessária, melhorando o desempenho, ou outros.

Construir muitos foguetes permite aproximações sucessivas“, disse Musk no Twitter, aplicando uma equação simples ao processo: progresso em qualquer tecnologia é o número de iterações multiplicadas pelo progresso entre iterações. Basicamente, seguir na tentativa e erro até convergir para o design ideal.

Sob essa abordagem ao design do hardware de voos espaciais, sem dúvida haverá mais contratempos como o acidente de novembro. O vídeo gravado em uma rodovia próxima às instalações da SpaceX em Boca Chica no final de fevereiro é um indicativo disso:

Mas antes que a gente se impressione, Michael Baylor, da Space Flight, já publicou que não há nada a se preocupar, dizendo que esse negócio de “testar, falhar, consertar, testar, falhar, consertar é o esquema da SpaceX. Eles aprenderão com isso e acertarão”.

Starships are meant to fly

Por mais que a explosão pareça dinheiro sendo jogado pelos ares, a SpaceX está disposta a tolerar algumas falhas para avançar rapidamente. Com o “design iterativo”, a empresa constrói veículos, testa seu desempenho, identifica as falhas e voa o mais rápido possível.

Essa abordagem contrasta fortemente com a indústria aeroespacial mais tradicional, na qual são gastos anos refinando o design de um veículo antes de construí-lo. Isso normalmente resulta em menos explosões, mas requer muito mais tempo e financiamento. Nós, visualizadores externos, também ficamos impressionados com a disposição da SpaceX em deixar que seus protótipos explodam.

Musk explicou que a iteração no programa de foguetes Falcon 9 desacelerou entre 2010 e 2018, pois suas cargas úteis para a NASA e clientes comerciais se tornaram “importantes demais” para se arriscar. No entanto, durante a fase inicial do programa Starship, a SpaceX está buscando construir veículos por “apenas” US $ 5 milhões cada, usando principalmente materiais de aço inoxidável. Além disso, não está sendo colocada nenhuma carga útil nesses primeiros trials.

Enquanto a Starship não é lançada de fato em órbita, a gente admira a animação e torce para que não sejam “desperdiçados” muitos protótipos até que as iterações venham a convergir para o ideal.

Leia mais: SpaceX e Space Adventures já vendem ingressos para uma viagem ao espaço

Fonte: Arstechnica.

Copiado!
Engenharia 360

Kamila Jessie

Engenheira ambiental e sanitarista, MSc. e atualmente doutoranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo. http://orcid.org/0000-0002-6881-4217

Comentários