Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Sistemas de produção puxados x empurrados: a dinâmica entre consumidor e fornecedor

por Jéssica Dias | 12/11/2014
Copiado!

O tipo de sistema usado para fabricar um produto ou fornecer um serviço refere-se à dinâmica entre o consumidor e a empresa fornecedora: o método utilizado define como os produtos deixam o negócio e chegam aos clientes. A este respeito existem dois sistemas de produção principais, o sistema puxado e o sistema empurrado.
 

Fonte: bmwcoop.com



No sistema empurrado (push system) a quantidade a ser produzida é baseada em um plano de produção e as informações fluem da empresa para o mercado, mesmo sentido do fluxo de materiais. Dessa forma o planejamento ocorre antes mesmo de a demanda ocorrer, baseando-se em projeções e no comportamento do mercado, o que pode ser uma vantagem ou desvantagem desse sistema: como as previsões geralmente não são 100% precisas e variam ano a ano, podem sobrar produtos – o que acarreta custos para armazenar e manter os produtos em boas condições; por outro lado, a empresa estará certa de que produzirá o suficiente para satisfazer a todos os pedidos, o que é uma vantagem.
 

Fonte: themanufacturer.com


 
O exemplo clássico é o sistema MRP (Materials Requirement Planning), ou Planejamento das Necessidades de Materiais, que controla a programação da produção e pedidos, garantindo que os materiais necessários para a fabricação dos produtos estarão disponíveis quando requisitados.
Já no sistema puxado (pull system) a produção é baseada na demanda e as informações fluem em sentido oposto, saindo da demanda e indo até a empresa. Dessa forma, a quantidade de estoque é minimizada, já que a produção começa a partir do cliente. Porém, este sistema também tem suas desvantagens: pode ocorrer de um fornecedor não poder entregar certo material a tempo, comprometendo assim o cumprimento do pedido e gerando consumidores insatisfeitos.
Aqui, o exemplo mais conhecido é o Just in Time (JIT), que mantém o mínimo de inventário possível, ou seja, só mantém o que é estritamente necessário para o pedido ser realizado. Por consequência, este sistema elimina desperdícios e diminui a necessidade (e os custos) de espaço para estocar produtos.
dell-blog-da-engenharia

Fonte: wikipedia.com


Existe, também, um sistema híbrido que se utiliza de características dos sistemas puxados e empurrados ao mesmo tempo. Uma empresa que se utiliza dessa estratégia é a Dell, que compra os materiais e componentes antecipadamente e os armazena; apesar de sua estratégia de marketing ser “empurrada”, os computadores só são montados após o pedido ser concretizado, então a estratégia de produção neste caso é “puxada”. Para que este sistema funcione corretamente, é necessário ter um sistema de previsão mais acurado possível de forma a minimizar o estoque desnecessário de peças e ao mesmo tempo cuidar para que não haja falta de produtos, o que pode gerar insatisfação e perda de clientes.
 
Referências:
world-class-manufacturing.com, smallbusiness.chron.com, factoryphysics.com

Copiado!
Engenharia 360

Jéssica Dias

Engenheira de Produção formada pela UENF com mais de dois anos de experiência em cadeia de suprimentos (supply chain), passando por funções nas áreas de logística, processos e planejamento de materiais. Apaixonada por tecnologia, leitura, ensinar o que sei e ajudar a outras pessoas a serem melhores em suas carreiras.

Comentários