Engenharia 360

Saiba por que a Marinha dos Estados Unidos está causando terremotos [propositadamente]

Engenharia 360
por Redação 360
| 18/08/2021 | Atualizado em 17/01/2023 3 min

Saiba por que a Marinha dos Estados Unidos está causando terremotos [propositadamente]

por Redação 360 | 18/08/2021 | Atualizado em 17/01/2023

A Marinha americana deve realizar esses testes por mais quatro meses. Mas, até agora, os resultados assustaram. Confira mais informações e imagens!

Engenharia 360

A Marinha americana deve realizar esses testes por mais quatro meses. Mas, até agora, os resultados assustaram. Confira mais informações e imagens!

No último mês, duas grandes explosões foram provocadas pela Marinha dos Estados Unidos. E não foi acidente, não! Na verdade, as ações foram totalmente intencionais. Mesmo assim, os resultados surpreenderam, chegando o último experimento a gerar um terremoto de magnitude 3,9 na escala Richter. Logo as cenas viralizaram nas redes sociais. Mas a explicação veio em seguida: se tratava de um exercício com navios de guerra. Saiba mais no texto a seguir!

engenharia naval
Imagem extraída de Poder Naval

Quando e como foram os testes?

O primeiro teste da Marinha americana aconteceu no início de junho de 2021, a cerca de 161 quilômetros da costa da Flórida, com um porta-aviões USS Gerald R. Ford, de 100 mil toneladas. E já nesse momento o Serviço Geológico dos Estados Unidos registrou a explosão como um terremoto de magnitude 3,9.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O segundo experimento foi na primeira semana de julho de 2021, também na Flórida. A Marinha lançou 18 mil quilos de explosivos de alta velocidade a um porta-aviões da Marinha, a menos de 200 quilômetros da costa de Jacksonville. O resultado, mais uma vez, foi um terremoto de magnitude 3,9. Por que surpreendeu as pessoas? Porque o estado sequer tem raramente alguma notificação de tremores de terra.

engenharia naval
Imagem extraída de Olhar Digital
engenharia naval
Imagem extraída de Olhar Digital

O navio utilizado nas duas ocasiões foi levado a um estaleiro próximo, para passar por manutenção e reparos. Segundo a Defesa dos EUA, esses "testes de choque completo em navios" ainda devem durar alguns meses. Até agora, o porta-aviões resistiu ao impacto de três explosões subaquáticas de 40.000 libras. Cada uma delas ocorreu a distâncias progressivamente menores do navio.

“A Marinha projetou o porta-aviões da classe Ford usando métodos avançados de modelagem de computador, testes e análises para garantir que os navios sejam reforçados para resistir às duras condições de batalha.” - capitão Brian Metcalf, em reportagem do site das Forças Armadas.

E qual o objetivo da Marinha com os testes?

O objetivo dos Estados Unidos com esses testes é avaliar a capacidade de resistência de porta-aviões diante de condições hostis de batalha. Por exemplo, em um bombardeio com 18 mil quilos de explosivos. Na verdade, esse tipo de experimento é até bem normal. E, até agora, o que se descobriu é que esse porta-aviões em específico é o primeiro de sua classe a sustentar operações em um ambiente de combate usando artilharia real.

“(sobre os seus navios de guerra) conseguem continuar a atender aos exigentes requisitos de missão sob as condições adversas que podem encontrar em batalha." - disse a Marinha em um comunicado.

Veja, no vídeo a seguir, as cenas divulgadas na imprensa internacional da última explosão realizada pela Marinha americana na Flórida:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Fontes: Olhar Digital, BBC, G1, CNN Brasil.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo

Você não pode copiar conteúdo desta área