Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Mulheres que mudaram a engenharia e a ciência: Grace Hopper

por Larissa Fereguetti | 07/12/2018
Copiado!

A escolhida da vez para estrelar a série mulheres que mudaram a engenharia e a ciência é Grace Hopper. Essa almirante da Marinha dos Estados Unidos é uma das grandes responsáveis por tornar a linguagem de computador “mais humana”.

Grace Hopper

Imagem: space.com

+ Quem foi Grace Hopper?

Grace Murray Hopper nasceu em 1906, em Nova York, nos Estados Unidos. Ela formou-se em Matemática e Física em 1928, terminou o mestrado em 1930 e, em 1934, concluiu o doutorado em matemática.

Em 1931, antes de finalizar o doutorado, Grace Hopper lecionava matemática no Vassar College. Em 1943, ela ingressou na Marinha. Formou-se na Escola Naval como a primeira da turma e foi para a equipe de programação Mark I Computer, do Bureau of Ships Computation Project da Harvard University. O Mark I também é conhecido como Automatic Sequence Controlled Calculator.

Grace Hopper

Imagem: britannica.com

Grace Hopper tornou-se capitã da Marinha em 1973 e aposentou-se em 1986. Ela faleceu em 1992.

+ Como Grace Hopper mudou a engenharia e a ciência?

Desde criança, Grace Hopper já tinha uma mente curiosa que gostava de entender como as coisas funcionavam. Foi ela quem nomeou o bug de computador. Isso aconteceu quando procurava o problema no Mark II e descobriu um inseto preso nele. Ela deu o nome de debugging (debugar) para a remoção do inseto (bug).

Grace Hopper

Imagem: tophat.com

Hopper também fez parte da equipe do UNIVAC I (Universal Automatic Computer), o primeiro computador comercial que foi fabricado e comercializado nos EUA. Depois do UNIVAC I, ela criou seu próprio compilador, que traduz um programa de texto para a linguagem do computador. Isso eliminou a ideia de que os computadores só faziam aritmética.

A almirante também criou uma linguagem de programação chamada Flow-Matic, que serviu de base para o COBOL (Common Business Orientede Laguage), uma linguagem orientada para o processamento de banco de dados. Mesmo não tendo participado diretamente no desenvolvimento dessa linguagem, ela é chamada de “vovó do COBOL”.

Grace Hopper

Imagem: themarysue.com

Grace Hopper coleciona inúmeros doutorados honoris causa, prêmios e homenagens. Uma delas foi em 1998, quando a Marinha nomeou um navio de USS Hopper. O lema do navio é “aude et effice”, algo como “atreva-se a criar” ou “ouse e faça”, em latim. Anualmente, o congresso Grace Hopper Celebration of Women in Computing reconhece os feitos das mulheres na computação.

Grace Hopper

Imagem: deviantart.com

Certamente, a vovó do COBOL entrou para a história da ciência. Atualmente, ela é uma das mulheres mais famosas na computação, ao lado de Ada Lovelace.

Referências: GHC; Interesting Engineering; Britannica.

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários