Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Engenharia 360

Entenda a importância do memorial descritivo e de cálculos na engenharia

Engenharia 360
por Gabriel Brito
| 28/04/2020 4 min

Entenda a importância do memorial descritivo e de cálculos na engenharia

por Gabriel Brito | 28/04/2020
Copiado!

Todo bom plano possui começo, meio e fim esquematizados, etapas que se relacionam e apontam para um objetivo comum. Na área das engenharias não deve ser diferente.

Quebra cabeça colaborado
Imagem: escolaweb.com.br

Colaboração no ambiente de trabalho

A colaboração de todos os profissionais envolvidos é muito importante para que esse resultado seja satisfatório para quem o adquiriu, ou seja, o cliente. Todo esse plano começa a tomar forma na etapa de projetos, afinal nem sempre quem projeta é quem executa. Entretanto, um necessariamente depende do outro, pois sem um bom projeto (planejamento) como é possível garantir uma boa obra (execução)?

Etapas colaborativas no projeto

Como uma receita de bolo, que dá os passos e ingredientes exatos ao confeiteiro para que o bolo possa ser elaborado e desfrutado, assim são os memoriais desenvolvidos pelos profissionais da área de projetos.

Neste exemplo, o bolo é o produto final, a receita faz papel de memorial que já foi estudado e planejado, comprovando sua eficácia, e o confeiteiro é o profissional executor (que pode ou não ter elaborado a receita). Da mesma forma que não é possível fazer o bolo apenas olhando para sua foto e imaginando exatamente quanto de cada ingrediente será utilizado, uma obra ou serviço não podem ser executados somente com desenhos (muito menos sem eles!).

Etapas em formato de escada
Imagem: idestgestao.com.br

Portanto, se elabora o memorial descritivo e o memorial de cálculos conforme necessidade, visando “dar um Norte” ao trabalho. Sem estes documentos, o executor tem dificuldades na construção, e sem a construção os projetos e memoriais são meras “receitas”.

Necessidades ou facilidades?

Mas afinal de contas, o que compõe um memorial?

Anotações e tópicos
Imagem: revistagalileu.globo.com

Especificações, quantidades, cálculos, dimensionamentos, instruções, referências normativas são alguns exemplos dos itens que estes memoriais abrangem. São essas informações que comprovam a validade dos dados projetados.

É muito fácil e prático rabiscar paredes, portas, janelas e móveis no computador, mas sem base técnica (conhecimento) e legal (normas) fundamentadas em informações confiáveis, estes rabiscos não passam de… Rabiscos.

Porém o memorial vai além da facilidade na execução. É neste documento que se baseia a análise de órgãos para aprovação dos projetos (processos legais anteriores à construção ou alvará de bombeiros, por exemplo). Também consta a especificação dos tipos e quantidades de materiais a serem adquiridos e utilizados na obra, entre outros fatores. Em conjunto com os desenhos, o memorial explica o projeto a quem o tem em mãos, fazendo com que tudo esteja as claras. Relaciona também a responsabilidade técnica ao autor do projeto, apresentando seus dados e assinaturas de identificação.

Reunião de equipe para análise de projeto
Imagem: projectbuilder.com.br

Plano x Execução

Como visto, a boa definição das etapas de qualquer plano é essencial ao seu sucesso. Por isso é muito importante que a fase de projetos seja a mais detalhada e analisada possível. Dela derivam as fases seguintes.

A coleta de informações iniciais, verificação de normativas, reuniões prévias, bem como o tempo de elaboração prestado em cada projeto tem que contribuir diretamente no resultado final. Países como a China, Alemanha, Japão são ótimos exemplos de investimento na etapa de planejamento/projetos. Infelizmente, esse caminho ainda não é seguido tão fielmente assim pelo Brasil.

Profissionais em obra verificando projeto e memorial
Imagem: caliper.com.br

Com base nestes exemplos, entre os pontos de destaque pode-se dizer que o investimento nessa fase evita surpresas, obras paradas, falta de conhecimento aprofundado, entre outros. Sem detalhamentos é natural que haja risco de um futuro desconhecido, com situações imprevistas e consequentemente mudança no orçamento/cronograma. Fazem parte dos detalhamentos e diretrizes os memoriais.

Lembrando que o BIM veio para integrar essas etapas iniciais e apresentar um material de mais qualidade para a execução. Essa integração e análise global do projeto permitem informações mais claras expostas nos memoriais, além de quantidades, custos e processos mais fiéis à realidade. Softwares BIM costumam gerar relatórios automaticamente a partir dos modelos, mas é obrigação do profissional a verificação de dados automáticos.

Por fim, é possível afirmar que um bom memorial traduz o projeto elaborado. Ele deve ser auto explicativo, permitindo fluidez nas etapas do serviço já desde o início.

Copiado!
Engenharia 360

Gabriel Brito

Engenheiro civil de origem em São Paulo com amor por Florianópolis. Filho do Rei, relacionamento concreto com a música, apaixonado por exatas, séries, tecnologia e viagens. Criador de conteúdo, anseia por aprendizado constante, gosta de transmitir o ensino e preza por uma vida feliz.

Matérias Relacionadas

Comentários