Engenharia 360

Me formei, e agora? Como se tornar especialista em Agrocomputação!

Engenharia 360
por Redação 360
| 27/10/2022 | Atualizado em 04/11/2022 3 min

Me formei, e agora? Como se tornar especialista em Agrocomputação!

por Redação 360 | 27/10/2022 | Atualizado em 04/11/2022
Engenharia 360

Hoje em dia, trabalhar com agro é algo que envolve muito, mas muito conhecimento das novas tecnologias – chamado de Agrocomputação! E sabemos da importância do agronegócio para o nosso país, representando quase 30% do PIB anual. Já o mercado global agrícola deve atingir, em 2023, a casa de US $ 1,236 bilhão, representando um aumento de mais de 110%. Então, é um nicho de mercado que está mega aquecido. E você, que trabalha com as engenharias, não só pode como deve ficar atento às oportunidades relacionadas!

O que está impulsionando neste momento os rendimentos no agro é o aumento global da demanda e, em resposta, a utilização de inteligência artificial, machine learning, sistemas de dados – por exemplo, para rastreio de suprimentos, avaliação de riscos e recompensas, e mais. Ou seja, as ferramentas tecnológicas são vistas como um aspecto essencial do agribusiness – tanto da porteira para dentro quanto da porteira para fora. E é aí que está a importância de se ter, no mercado, especialistas em Agrocomputação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

agrocomputação
Imagem reproduzida de PD Sistemas

O que é Agrocomputação?

Agronegócio é, atualmente, uma área do conhecimento emergente; pois, conforme os especialistas, o futuro no campo, do agronegócio, será repleto de novas tecnologias. E a Agrocomputação faz, justamente, um aproveitamento dessas soluções tecnológicas, como a operacionalização de máquinas, para resolver problemas no campo. Se você tem interesse nisso, pode realizar uma segunda graduação ou especialização em Agrocomputação!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

agrocomputação
Imagem reproduzida de Olhar Direto

Foco dos estudos

Os especialistas em agronegócios usam dados coletados com rigor para tomada de decisões importantes. Por exemplo, parâmetros climáticos, de condição do solo e mais para a determinação de aplicação de fertilizantes, uso de sementes e rendimento de colheitas. São levantadas informações sobre tudo que possa impactar a produtividade agrícola. E esses profissionais, ao final de seu estudo, sabem projetar e aplicar certas soluções para os problemas do campo.

Atentos aos padrões nacionais e internacionais da indústria e do mercado da área, devem saber usar tecnologias para o mercado de produção e softwares aplicados à Agronomia, além de usar a Agrocomputação em prol da racionalização dos recursos naturais.

Eis as ferramentas tecnológicas muito exploradas pela Agrocomputação:

  • sensores para coleta de informações, como grau de umidade ou necessidade de fertilizantes;
  • tratores e máquinas agrícolas equipadas com receptores GNSS (Global Navigation Satelite System),
  • computadores de bordo e sistemas que possibilitam a geração de mapas de produtividade,
  • drones – pequenos veículos aéreos não tripulados (UAVs) – para captação de imagens georreferenciadas, transferência de dados e desenvolvimento de análises agrícolas de gerenciamento de dados, além de inspeção de plantações,
  • big data para administração de pesticidas e monitoramento de cumprimento de regulamentações governamentais,
  • impressoras 3D para gerar peças de reposição para manutenção de máquinas e equipamentos no meio rural,
  • computação móvel, visão computacional, bioacústica, assistentes virtuais e realidade aumentada,
  • sistemas de cybersegurança para negócios,
  • etc.
agrocomputação
Imagem reproduzida de Unoeste

Grade Curricular dos cursos de Agrocomputação

Atualmente, existem no Brasil cursos de Agrocomputação nas modalidades presencial, semipresencial e a distância – em todos os casos, há disciplinas teóricas e práticas, com foco nas Ciências Exatas, exigindo do aluno raciocínio lógico e habilidade com números. E, ao final da jornada de estudos, é exigido um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) sobre assuntos relacionados à área.

Costumam ser matérias da grade curricular da graduação em Agrocomputação:

  • Matemática básica
  • Agropecuária 4.0
  • Estatística
  • Algoritmos
  • Programação de Computadores
  • Sistemas de Produção Animal
  • Redes de Computadores
  • Banco de Dados
  • Bioenergia e Meio Ambiente
  • Inovação na Agrocomputação
agrocomputação
Imagem reproduzida de Unoeste

Veja Também: Novas perspectivas para a economia verde, agronegócio e Engenharia de Alimentos pós-crise


Fontes: Educa Mais Brasil, PD Sistemas, Quero Bolsa, Imparcial Notícias.

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo