Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Curva ABC na prática do Gerenciamento de Estoques

por Jéssica Dias | 17/11/2014
Copiado!

A curva ABC é uma técnica usada em gerenciamento de estoques quando se precisa analisar uma variedade de produtos que possuem diferentes níveis de significância e que precisam ser controlados ou manipulados de forma diferente.
O princípio por trás desta análise é o Princípio de Pareto, também conhecido como Regra 80/20, que significa que poucos (20%) são vitais e muitos (80%) são triviais. Este princípio tem sido aplicado em diversas áreas e, quando se refere à gestão dos estoques, significa que poucos itens representam 80% do valor do inventário.

estoque-blog-da-engenharia

Fonte: orplan.com.br


Como esta curva é gerada?

Para gerar a curva é preciso recolher os dados. O mais utilizado é o gasto anual por item, que pode incluir ou não os custos de manutenção e de pedido. Em seguida, os itens são organizados em ordem decrescente de impacto: dos que custam mais aos que custam menos.
Usando uma tabela no Excel, o impacto acumulado é calculado e então o estoque é dividido em classes.

gráfico-curva-ABC-blog-da-engenharia

Fonte: pingobox.com.br


Assim, ao aplicar este princípio e gerar a curva, teremos três classificações:
Categoria A: geralmente representa 15-20% dos itens, porém representa 80% do valor do estoque. Dando a devida atenção a estes produtos e procurando sempre sua otimização, é possível minimizar o aumento dos custos do estoque.
Categoria B: representa 30-35% dos itens em estoque e em média 15% do valor. Estes produtos podem ser gerenciados em estoque periódico e um sistema de inventário formal pode ser usado.
Categoria C: representa 50% dos itens, mas somente 5% do valor total. Muitas organizações podem usar um processo relativamente mais simples em torno desses itens.
A partir da classificação ABC inicia-se então a análise. O objetivo é encontrar áreas onde possa ocorrer renegociação de contratos, consolidação de fornecedores, mudança de metodologia ou estratégica sourcing, entre outros. Tudo isso podem proporcionar uma economia significativa ou garantir em estoque a disponibilidade dos itens de volume alto. De forma geral, esta análise pode levar a mudanças simples que podem trazer grandes benefícios e redução de custos a curto e médio prazo.
 

Referências:

BusinessDictionary, Purchasing Procurement Center.com, Management.about

Copiado!
Engenharia 360

Jéssica Dias

Engenheira de Produção formada pela UENF com mais de dois anos de experiência em cadeia de suprimentos (supply chain), passando por funções nas áreas de logística, processos e planejamento de materiais. Apaixonada por tecnologia, leitura, ensinar o que sei e ajudar a outras pessoas a serem melhores em suas carreiras.

Comentários