Engenharia 360

Pesquisa sugere que crianças não confiam em assistentes de voz

Engenharia 360
por Kamila Jessie
| 12/12/2019 | Atualizado em 30/06/2022 2 min

Pesquisa sugere que crianças não confiam em assistentes de voz

por Kamila Jessie | 12/12/2019 | Atualizado em 30/06/2022
Engenharia 360

Não se engane com o papo de gerações passadas sobre crianças acreditarem em tudo que elas veem em qualquer mídia. Isso é falso. Começando pela assistente de voz: Alexa, por que as crianças não confiam em você?
crianças interagindo com assistentes de voz
Imagem: indabaa.com

Estudos em desenvolvimento cognitivo sugerem que as crianças
têm muito mais probabilidade de confiar em seus professores do que em um
assistente de voz, como a Alexa. Coisa parecida acontece quando a gente não
encontra uma resposta convincente no Oráculo Google e já solta aquele “ô, mãe!”.
Mas atestar o fato no desenvolvimento infantil é, no mínimo, interessante.

In Internet we trust,
mas as crianças não.

Um exemplo de teste envolveu crianças chinesas entre cinco e oito anos, separadas em grupos e fizeram perguntas como “Quantos dias Marte leva para girar em torno do sol?”. Os pesquisadores ofereceram algumas respostas contrastantes para essas crianças: a internet disse 600 dias; seu professor disse 700 dias. Em quem eles confiavam? (A resposta, a propósito, é 687 dias).

Surpreendentemente, as crianças confiavam mais no professor,
não importa se ele (ou ela) estiver dando uma resposta errada. O sentido disso
se baseia no fato de as crianças conhecerem professor ou a professora e ali existir
um elo de relacionamento, que envolve confiança. Até aí tudo bem. O mais
curioso é que as crianças também preferiam as respostas de seus próprios
coleguinhas em detrimento daquelas fornecidas pela assistente de voz, mesmo
sendo nítido que o conhecimento das demais crianças não variasse tanto. De
fato, a pesquisa sugere que as crianças geralmente são bastante céticas em relação
aos assistentes de voz.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Continue Lendo

“Ok, Google, unicórnios existem?”

As crianças também são notavelmente criativas em suas
tentativas de testar a confiabilidade dos aparelhos. Tal como costumam fazer
com adultos, as crianças enchem assistentes de voz de perguntas.

Os assistentes de voz são geralmente programados para responder “não sei” a questionamentos infantis como “unicórnios existem?”. Isso vale para Papai Noel, Coelho da Páscoa, dentre outros. A falta de uma resposta elaborada acaba fazendo com que pareçam menos confiáveis para as crianças.

Pequenos céticos:

Esse tipo de estudo sugere não apenas que as crianças são
muito mais sofisticadas em tecnologia do que pensamos, mas também que nós, como
seres humanos, temos um senso de ceticismo arraigado sobre fontes desconhecidas
que de alguma forma ficam mais confusas à medida que envelhecemos.

O ataque de fake news e as campanhas desenfreadas de desinformação agora comuns nas mídias sociais podem fazer parecer que nós não investigamos as fontes tão profundamente quanto deveríamos. Esses estudos indicam o contrário: a tecnologia não é algo em que confiamos naturalmente, pelo menos quando somos novinhos.


Fontes: Cognitive Development. MIT Technology Review 1. MIT Technology Review 2.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Engenharia 360

Kamila Jessie

Doutoranda e mestre em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo, é formada em Engenharia Ambiental e Sanitária.

Comentários



Assine nossa newsletter
e receba
uma curadoria exclusiva de conteúdos:

Continue lendo