Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Alexa: assistente de voz da Amazon se espalha entre os dispositivos da sua casa

por Kamila Jessie | 26/11/2019
Copiado!

A Apple acostumou a gente com a Siri e também já nos habituamos a conviver com a assistente virtual da Google, mas, paralelamente, a Alexa (da Amazon) está se distribuindo em todos os lugares. A questão é que ela não está só nos nossos celulares e computadores, mas vem se tornando capaz de controlar mais de 85 mil produtos domésticos inteligentes, desde TVs e fones de ouvido até campainhas e lâmpadas.

alexa da amazon em dispositivos echo dot, echo e echo show
Imagem: Amazon

Alexa aprendeu português

Aqui no Brasil, a Amazon vem chamando atenção principalmente com as caixas de som Echo, incorporadas com Alexa que entende e fala português. Um diferencial dos equipamentos da Amazon é o fato de empregarem microfones de longo alcance para detectar comandos que, por exemplo, permitem controlar o volume do som, gerenciar outros aparelhos conectados e até solicitar corridas do Uber ou pedidos no iFood, por exemplo.

Em um cenário bastante além, Alexa está se espalhando por dispositivos smart que podem ser instalados em residências e escritórios, podendo executar mais de 100 mil funções e, de acordo com a ambição da Amazon, isso só tende a aumentar. A assistente processa bilhões de interações por semana, gerando grandes quantidades de dados sobre sua agenda, suas preferências e seu paradeiro. (A gente acha melhor tratar bem a caixinha de som, porque está tudo sendo armazenado e será lembrado na era dos overlords).

Vale pontuar que os comandos da assistente podem se estender a demais funcionalidades nos dispositivos de casa, desde que o usuário opte por instalar tomadas inteligentes. Nesse cenário, Alexa pode passar a controlar ventiladores, condicionadores de ar, trancas e vários outros equipamentos simples que outrora não seriam considerados smart.

possibilidades da alexa
Imagem: Amazon

O que a Amazon pretende a seguir

A empresa quer que o assistente de voz passe de interações passivas para interativas. Em outras palavras, isso significa que, em vez de esperar e responder às solicitações do usuário, Alexa antecipará o que você pode querer. Por exemplo, se você pedisse para reservar ingressos de cinema, o Alexa poderia perguntar se você deseja fazer uma reserva em um restaurante ou solicitar um serviço de transporte até o local.

Prestativo, não? Mas vale lembrar que isso, em escala ampliada e normalizado na sociedade, abre uma pauta de discussão imensa relacionada a ser coagido por IA, bem como a autonomia dos assistentes virtuais. Não sabemos quanto a vocês, mas já pensamos em um cenário do filme Her.

O papel da inteligência artificial

As aspirações da Amazon e de demais companhias que pretendem refinar as habilidades de assistentes virtuais, com base nos padrões dos usuários, sem dúvida exigirá esforço de profissionais que atuam com inteligência artificial e aprendizado de máquina. No caso, Alexa está caminhando para se tornar mais inteligente e sofisticada dentro de alguns anos, combinando várias fontes de dados e usando métodos de aprendizado de máquina.

Alexa, suave na nave?

Fonte: MIT Technology Review. Amazon.

Copiado!
Engenharia 360

Kamila Jessie

Engenheira ambiental e sanitarista, MSc. e atualmente doutoranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo. http://orcid.org/0000-0002-6881-4217

Comentários