Engenharia 360

Rodovia de R$ 56 milhões promete carregar carros elétricos em movimento

Engenharia 360
por Rafael Panteri
| 16/09/2022 | Atualizado em 27/01/2023 3 min

Para se livrar da dependência dos combustíveis fósseis até 2050, Suécia aposta em estrada que carrega carros elétricos enquanto eles se movimentam

Rodovia de R$ 56 milhões promete carregar carros elétricos em movimento

por Rafael Panteri | 16/09/2022 | Atualizado em 27/01/2023

Para se livrar da dependência dos combustíveis fósseis até 2050, Suécia aposta em estrada que carrega carros elétricos enquanto eles se movimentam

Engenharia 360

Modelos de carros elétricos já estão presentes nas frotas das maiores marcas de veículos do mundo. Apesar de ainda apresentar elevados custos, a tecnologia promete livrar os consumidores dos combustíveis fósseis. A maior dificuldade é a infraestrutura que esse tipo de veículo necessita – onde carregar meu carro elétrico? Onde carregá-los? Já pensou em rodovias, por exemplo?

Bem, já conseguimos encontrar estacionamento de Shoppings e postos nas estradas com cabines para recarregar veículos elétricos. Muitas vezes, porém, ficamos quilômetros sem esbarrar com esse recurso – o que pode aborrecer muitos motoristas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A Suécia decidiu investir em uma solução bem inovadora. O país construiu uma rodovia eletrificada que realiza recarga nas baterias dos veículos elétricos por indução enquanto estão rodando pelo percurso.

rodovias - mobilidade e energia
Imagens do site oficial da Smartroad Gotland

Carregamento por indução em rodovia

A avenida que liga a cidade de Visby ao aeroporto local, na ilha sueca de Gotland, recebeu 1,6 km de bobinas sob a pista. O sistema inteligente foi desenvolvido em parceria com a empresa israelense ElectReon Wireless e custou, em setembro de 2022, cerca de 11 milhões de euros – mais de R$ 56 milhões em cotações atuais.

A rede de bobinas embaixo da estrada gera um campo magnético ao receber corrente elétrica – fenômeno demonstrado pelo dinamarquês Hans Christian Ørsted (1777-1851). Esse campo magnético é responsável por recarregar os veículos que possuem um receptor especial por meio da indução. Os carregadores de celulares sem fio trabalham com uma tecnologia semelhante, porém mais simplificada.

rodovias - mobilidade e energia
Imagens do site oficial da Smartroad Gotland
rodovias - mobilidade e energia
Imagens do site oficial da Smartroad Gotland

Quando o veículo roda pelo trecho com esse sistema, o processo de recarga começa automaticamente. Incialmente, o projeto é destinado a caminhões e tende a se expandir para qualquer veículo com o receptor. Além disso, a Suécia quer implementar mais 2 mil quilômetros de rodovias elétricas que permitem esse carregamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com esse sistema, os veículos elétricos tendem a baratear seus custos, uma vez que suas baterias poderão ser menores, por conta do não precisarem de grande armazenamento de energia.

Tecnologia anterior

Há dois anos, a Suécia já havia desenvolvido um projeto semelhante em uma rodovia próxima a Estocolmo. Em um trecho de 2 quilômetros foram instalados trilhos no solo que carregavam os veículos que passavam sobre eles.

Nesse caso, o carregamento não ocorria por indução, mas por um braço móvel que saia embaixo do carro. Parecido com pistas de autorama, quando as superfícies entravam em contato, iniciava o processo de recarga.

Veja Também: Entenda como funciona um carregador sem fio

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Fontes: SmartRoad Gotland, Guia do Estudante, QuatroRodas.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Engenharia 360

Rafael Panteri

Estudante de Engenharia Elétrica no Instituto Mauá de Tecnologia. Parte da graduação em Shibaura Institute of Technology - Japão.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo