Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Engenharia 360

“Eu não sou um robô”: conheça a evolução do CAPTCHA

Engenharia 360
por Larissa Fereguetti
| 06/11/2018 3 min

“Eu não sou um robô”: conheça a evolução do CAPTCHA

por Larissa Fereguetti | 06/11/2018
Copiado!

Muitos devem lembrar que, quando conheceram a internet, além de ser tudo mato, havia uma verificação que pedia para você identificar palavras bagunçadas/riscadas/estranhas por um processo chamado CAPTCHA.

Muitos devem lembrar que, quando conheceram a internet, além de ser tudo mato, havia uma verificação que pedia para você identificar palavras bagunçadas/riscadas/estranhas por um processo chamado CAPTCHA. É provável que boa parte de nós não fazia muita ideia sobre o motivo daquilo, embora as palavras “prove que você não é um robô” ou algo parecido sempre estivesse por perto. Atualmente, com o avanço tecnológico, a verificação está invisível, mas ainda existe. Saiba como foi a evolução do CAPTCHA.

Gif: dtelepathy.com

+ O que é o CAPTCHA e por que provar que você não é um robô?

O CAPTCHA é um acrônimo para Completely Automated Public Turing test to tell Computers and Humans Apart (teste de Turing público completamente automatizado para diferenciação entre computadores e humanos). Ou seja, é um teste de Turing para descobrir se o usuário é um robô ou não. Se você nunca ouviu falar sobre o teste de Turing, nós já falamos sobre ele aqui no Blog da Engenharia.

A identificação de letras e números distorcidos é só um tipo de CAPTCHA. O uso desse teste é para impedir a ação de softwares mal intencionados. Por exemplo, ele impede que spams, mensagens ou comentários sejam disparados por robôs.

a evolução do CAPTCHA

Imagem: wpjobboard.net

+ Como foi a evolução do CAPTCHA

Os primeiros CAPTCHAs surgiram em 1997, para impedir que os bots inserissem URLs à ferramenta de busca do site AltaVista. Depois de um tempo, esse CAPTCHA ficou um pouco obsoleto porque muita gente resolvia os desafios em troca de dinheiro ou até mesmo voluntariamente.

Em 2008, aproximadamente, o processo evoluiu para um em que os usuários deveriam identificar textos. Isso ajudava a decifrar arquivos digitalizados, como nós explicamos nesse texto. Quem fazia isso era a empresa reCaptcha, que foi comprada pela Google em 2009.

a evolução do CAPTCHA

Imagem: adotlabs.com

Em 2014, o processo evoluiu mais uma vez. Aconteceu quando a Google descobriu que a inteligência artificial era perfeitamente capaz de decifrar os textos. Então, o reCAPTCHA sofreu uma atualização e passou a consistir em provar que você não é um robô apenas selecionando uma caixa que diz que “eu não sou um robô”. Isso funciona porque, quando é um robô, ele tende a clicar exatamente no meio da caixa. Se o sistema desconfia de você, ele abre um novo desafio: identificar as imagens semelhantes ao que ele demanda.

a evolução do CAPTCHA

Imagem: youtube.com

No início de 2017, a Google lançou uma tecnologia na qual um robô prova que você não é um robô. Uma perfeita ironia, mas torna a vida mais simples. Para isso, eles usaram análise avançada de risco e machine learning.

No fundo, o CAPTCHA ainda existe, mas é chamado reCAPTCHA invisível. Mas, quando o sistema não consegue identificar se você é ou não um robô, é preciso voltar aos métodos tradicionais e que ainda vemos hoje: o de selecionar imagens. Também vale ressaltar que não são todos os sites que usam a tecnologia da Google, ou seja, existem diferentes CAPTCHAS.

Referências: Google; Mental Floss.

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários