Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Inteligência artificial substituirá funcionários de seguradora no Japão

por Larissa Fereguetti | 17/01/2017
Copiado!

A máquina está substituindo algumas funções do homem há muitos anos. Recentemente, a seguradora japonesa Fukoku Mutual Life anunciou que substituirá 34 funcionários por um sistema de inteligência artificial, o qual será responsável por calcular pagamentos aos segurados da empresa.

Imagem: folha.uol.com.br

Imagem: folha.uol.com.br

O sistema que substituirá os funcionários é denominado IBM Watson Explorer, o qual foi desenvolvido para “pensar como um humano” e é capaz de analisar e interpretar dados, incluindo texto não estruturado, imagens, áudio e vídeo. Na empresa, ele será utilizado para ler informações médicas e fatores como o tempo de permanência no hospital, histórico médico e procedimentos cirúrgicos antes de calcular os pagamentos. Porém, os valores calculados pelas máquinas serão submetidos à aprovação de outros funcionários.

Por ano, a economia será de 140 milhões de ienes (R$3,9 milhões, aproximadamente). O investimento inicial será de 200 milhões de ienes (R$5,51 milhões, aproximadamente) e manter o sistema anualmente custará 15 milhões (próximo de 400 mil reais). Espera-se um aumento de 30% na produtividade e o retorno do investimento em menos de dois anos.

Imagem: gcn.com

Imagem: gcn.com

+ Inteligência artificial

Se você acha que a inteligência artificial é algo muito futurista e que começou recentemente, é hora de mudar de ideia. Embora tenha recebido mais destaque recentemente, inteligência artificial surgiu após a Segunda Guerra Mundial, com a publicação do artigo “Computing Machinery and Intelligence” por Alan Turing, o qual apresenta um teste (Teste de Turing) para verificar se uma máquina consegue agir, por suas respostas, como um humano ao ser interrogada por alguém. Em 1956, estabeleceu-se a inteligência artificial como uma disciplina formal. Atualmente, a inteligência artificial está presente em várias máquinas e dispositivos e está cada vez mais comum em nosso cotidiano. Exemplos simples e que usamos com frequência são os celulares com assistentes virtuais como a Siri (Apple), Cortana (Windows) e Google Assistant.

Imagem: mediateinnorthant.com

Imagem: mediateinnorthant.com

Um estudo do Nomura Research Institute (realizado em 2015) apontou que, até 2035, metade do trabalho do Japão será feito por robôs. Várias histórias de ficção abordam a convivência entre humanos e máquinas inteligentes e sugerem diferentes finais para essa relação, dos felizes aos mais trágicos, levantando o questionamento sobre o quanto a máquina é capaz de substituir e se relacionar com o homem e a necessidade de um limite nessa interação. É interessante destacar que as máquinas podem até conseguir tomar decisões e executar tarefas com maior eficiência, porém, ao contrário dos humanos, elas não são capazes de melhorar o trabalho que realizam. Elas executam as tarefas que foram programadas para fazer e, se for preciso alterar o processo, a intervenção humana é necessária.

 
Referências: DailyMail; Telegraph; The Guardian.

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários