Engenharia 360

Tunabot: o peixe robótico que promete revolucionar os veículos aquáticos

Engenharia 360
por Larissa Fereguetti
| 25/10/2019 | Atualizado em 30/06/2022 2 min

Tunabot: o peixe robótico que promete revolucionar os veículos aquáticos

por Larissa Fereguetti | 25/10/2019 | Atualizado em 30/06/2022
Engenharia 360
A biologia sempre inspirou muitos recursos tecnológicos que fazem ou já fizeram parte das nossas vidas. O mais recente é o Tunabot, um atum robótico que pode imitar a velocidade e os movimentos do atum albacora. Esse robô pode dar a largada em novas pesquisas envolvendo veículos aquáticos e auxiliar em várias outras pesquisas, como defesa e exploração de recursos marinhos.
tunabot
Imagem: youtube.com

Os engenheiros responsáveis pelo robô são da Escola de Engenharia da Universidade da Virgínia. Eles trabalharam em parceria com biólogos da Universidade de Harvard. O projeto veio de uma iniciativa de pesquisa que envolve 7,2 milhões de dólares e o objetivo é estudar a natação rápida e eficiente de diferentes peixes e entender a parte mecânica da propulsão de peixes. Isso pode auxiliar no desenvolvimento de próxima geração de veículos aquáticos com algo mais eficiente que as hélices.

A primeira parte envolve compreender como os peixes e outros seres aquáticos se movimentam, entendendo a ciência por trás da natação biológica. Para isso, foi preciso estudar a mecânica biológica de nadadores de alto desempenho, medindo a dinâmica da natação do atum albacora e da cavala (que é um peixe, e não um “cavalo fêmea”) com precisão.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os testes foram realizados em um grande tanque em um dos laboratórios do prédio de Engenharia Mecânica da Universidade da Virgínia. Enquanto o Tunabot tem pouco mais de 25 centímetros de comprimento, o atum original pode chegar a mais de 2 metros. Uma linha de pesca mantém o robô estável, enquanto uma luz laser verde mede o movimento do fluido à medida que o Tunabot nada. O corpo e a cauda se movem à medida que a corrente de água aumenta no tanque.

Os dados foram usados para dar origem ao Tunabot, um robô que mexia as nadadeiras rápido o suficiente para atingir velocidades equivalentes a desses peixes. A diferença do Tunabot para outros peixes robóticos é que esses outros não envolvem a parte da engenharia com a biologia de forma tão profunda.

As descobertas feitas a partir do Tunabot beneficiam não só a robótica e o futuro de veículos aquáticos, como também as pesquisas realizadas por biólogos, de modo que a sua multidisciplinaridade é visível. Essa integração entre diversas áreas de pesquisa é uma das características da Engenharia e que permite que ela seja capaz de mudar o mundo e promover qualidade de vida para a população de modo geral.

Veja o artigo da pesquisa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Fontes: Science Daily, News 18.

Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Engenheira, com mestrado e doutorado. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo