Engenharia 360

Por que houve queda na procura por cursos de Engenharia no Brasil?

Engenharia 360
por Redação 360
| 03/02/2023 | Atualizado em 26/03/2023 3 min
Imagem de yanalya em Freepik

Por que houve queda na procura por cursos de Engenharia no Brasil?

por Redação 360 | 03/02/2023 | Atualizado em 26/03/2023
Imagem de yanalya em Freepik
Engenharia 360

O interesse por cursos de Engenharia no Brasil apresentou uma queda expressiva nos últimos anos, deixando muitos se perguntando sobre as causas. Para compreender este fenômeno, reunimos dados de pesquisas e o insight de nossos colaboradores. Neste texto, apresentamos uma análise dos fatores por trás desta tendência. Aproveite e fique por dentro dos principais motivos da diminuição na procura por cursos de Engenharia no Brasil.

A taxa de ingressantes em cursos de Engenharia no Brasil

Historicamente, cursos de Engenharia têm sido altamente procurados nos vestibulares do Brasil. No entanto, nos últimos anos, esse cenário vem mudando, com uma queda na quantidade de brasileiros ingressando no Ensino Superior. Embora tenhamos visto um aumento na oferta de vagas em Educação à Distância, especialmente durante a pandemia. A população do país cresceu em quase 20 milhões de pessoas na última década, mas, em contrapartida, em 2023, temos cerca de 250 mil calouros a menos em cursos de Engenharia do que tínhamos em 2014.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

cursos de engenharia
Imagem de Gam-Ol em Pixabay

Conforme o Instituto Semesp, os estudantes ainda interessados em cursos de Engenharia concentram-se principalmente na região Sudeste, com destaque para São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, e em instituições privadas. Além disso, o percentual de conclusão em cursos de Engenharia no Ensino Superior na rede privada tem aumentado. No entanto, mesmo assim, houve uma queda na procura pelos cursos, e proporcionalmente a queda foi maior na rede privada do que na pública, refletindo a crise econômica dos últimos anos.

Eis o número de estudantes matriculados em cursos presenciais no Brasil (dados do Semesp e MEC):

  • 2014 = 672,8 na rede privada e 267,4 na rede pública;
  • 2016 = 701,4 na rede privada e 291,8 na rede pública;
  • 2018 = 593 na rede privada e 300 na rede pública; e
  • 2020 = 400,9 na rede privada e 286,9 na rede pública.

TOTAL: média de - 44,58 na rede privada e +7,29 na rede pública.

cursos de engenharia
Imagem de vidhyarthidarpan em Pixabay

Os verdadeiros fatores que podem justificar esta tendência

De acordo com Daiane Junia da Silva, uma de nossas redatoras colaboradoras, a queda na procura por cursos de Engenharia pode ser resultado de uma tendência de mercado que tende a se intensificar. Daiane acredita que os cursos de Engenharia se tornaram mais desafiadores e caros, especialmente quando realizados em instituições privadas, e que não oferecem mais o mesmo retorno financeiro que antes. Além disso, outras áreas, como a programação, estão oferecendo oportunidades mais atrativas para os jovens de hoje.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cristiano Oliveira da Silva afirmou que a nova prática das empresas é contratar engenheiros como "analistas" e pagar abaixo do salário adequado para o cargo. Ele acredita que quando o salário é estabelecido de maneira superficial, corre-se o risco de o mercado não pagar o valor justo. Segundo ele, há muitas oportunidades no exterior, mas no Brasil o mercado está prejudicado e os melhores profissionais estão partindo. Embora haja exceções de empresas onde vale a pena trabalhar, o futuro não parece promissor.

Segundo Daiane, o declínio da Engenharia pode ser resultado de más lideranças no mercado. Ela acredita que a Engenharia tem sido desvalorizada e superexigida, o que pode explicar essa tendência.

Por fim, Eduardo Mikail, sócio administrador do 360, concorda com a avaliação de Daiane sobre a situação atual da Engenharia no Brasil. Ele menciona que já conhece profissionais que abandonaram a Engenharia para seguir carreiras na programação, tanto dentro como fora do país, e nunca mais retornaram à faculdade. O atrativo para essas carreiras é a possibilidade de trabalhar de forma remota ou em jornadas híbridas, que geralmente oferecem salários mais elevados.

Gostaríamos de ouvir a sua perspectiva: qual é a sua opinião sobre o fato de muitos futuros universitários estarem abandonando a ideia de estudar Engenharia? Compartilhe suas ideias com a gente na seção de comentários!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja Também:


Fontes: Valor Globo, Revista Ensino Superior.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com contato@engenharia360.com para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Eduardo Mikail

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, liderada pelo engenheiro Eduardo Mikail, e com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo