Engenharia 360

Como fazer o controle tecnológico do concreto usinado?

Engenharia 360
por Simone Tagliani
| 07/10/2022 5 min

Como fazer o controle tecnológico do concreto usinado?

por Simone Tagliani | 07/10/2022
Engenharia 360

Todo estudante de Engenharia Civil e Arquitetura tem – ou pelo menos deveria ter – interesse em aprender sobre o concreto. Este é o material mais utilizado na construção civil global, combinado ao aço para a elaboração de elementos estruturais. Contudo, para isso, é preciso ter certos cuidados – como dosagem e mistura dos “ingredientes”, processo de entrega, e etc. -, independente dela ser feita no canteiro ou na usina. Por quê? Simples, porque isso interfere na qualidade do material e, sendo ruim, pode comprometer toda a obra.

São os ensaios que realizamos antes da construção que vão esclarecer dúvidas – como se o concreto calculado realmente é o recebido no canteiro – e, assim, evitar determinados problemas. Mas você sabe como é realizado o controle tecnológico do concreto usinado? Veja a seguir!

Realizando o controle tecnológico do concreto usinado

Importância das avaliações

Como dissemos antes, o controle tecnológico do concreto usinado deve envolver a realização de diversos ensaios. Assim saberemos se o material entregue no canteiro tem mesmo as propriedades esperadas – sobretudo de desempenho – e definidas no projeto, evitando patologias que possam comprometer a vida útil e estabilidade dos elementos estruturais. Alguns desses testes são realizados pela concreteira. Mas é importante que a construtora – compradora do produto – também faça as suas avaliações.

CONCRETO USINADO
Imagem reproduzida de Montar um Negócio

Eis as falhas mais comuns que podem surgir:

  • problemas no processo de mistura, no transporte, descarga, coleta de amostras e moldagem,
  • problemas no acondicionamento de corpos de prova – em obra e no laboratório -,
  • além dos erros em preparos e ensaios.

Deve-se ter atenção redobrada na coleta da amostra, que deve ser feita logo após a adição de toda água do traço do concreto e após a descarga de 15% do volume de concreto, conforme descrito na ABNT NBR NM 33:1998 – Concreto – Amostragem de concreto fresco.

Preparativos para os ensaios

Você pode estar se perguntando “Mas quantos ensaios de controle tecnológico do concreto usinado eu precisarei realizar?”. Bem, isso deve ser definido de acordo com:

  • o nível de qualidade que se pretende atingir,
  • a responsabilidade da obra,
  • o grau de exposição a atmosferas agressivas,
  • e a vida útil da obra.

A seguir, você verá que existem ensaios para analisar a composição da massa do concreto – soma dos ingredientes -, o resultado da mistura – incluindo a consistência, tempo de pega, e mais -, e como ficou após endurecimento – tipo sua resistência à tração, elasticidade e absorção de água, por exemplo. Alguns testes são feitos logo no estado fresco do concreto, e outros depois de 28 dias.

Principais verificações

1. Concreto dosado

Nesta etapa, analisamos o estado do concreto como veio da usina, sobretudo se bate com o pedido realizado pela construtora. Lembrando que alguns componentes são adicionados dentro do caminhão betoneira – água, cimento, agregados e aditivos. Primeiro, é preciso olhar o que diz na nota fiscal, incluindo os dados de endereço versus horário de saída da usina, para entender se não houve desvios de rota. Depois é preciso conferir o número do lacre, que só pode ser rompido quando o concreto for descarregado na obra. Se algo estiver errado, o produto deve ser rejeitado.

CONCRETO USINADO
Imagem reproduzida de Liga Blog

2. Slump test

Após passar pela etapa 1, é um bom momento para considerar dar início ao processo de descarga do material. Antes, conferir o Fck do concreto, ou seja, sua resistência característica – veja aqui como fazer o cálculo. Além disso, ver qual a informação quanto ao volume e o slump, que é a amostra coletada em uma peça em formato de cone. Lembrando que o passo a passo para o seu adensamento está indicado na NBR NM 67.

CONCRETO USINADO
Imagem reproduzida de JACP

A informação do slump do concreto também deve constar na nota fiscal. O intervalo ou “margem de erro” tolerável deve ser de 20 milímetros. Por exemplo, se o abatimento estiver acima do previsto, isso pode indicar que houve muita adição de água na massa do concreto, o que levará à sua perda de resistência. Detalhe: NÃO tem como controlar esse problema ou remover essa água em excesso da mistura, certo?!

Agora, um caso diferente. Seria possível que a usina tenha removido parte da água do traço e deixado uma reserva para, mais tarde, fazer atingir o slump correto na obra, dando um valor abaixo do esperado. Essa água é, então, adicionada gradualmente no canteiro, com supervisão de um profissional especializado da empresa, para não correr o risco do abatimento ficar maior do que o permitido. Claro que esse processo é arriscado, pois é possível não atingir o slump desejado e o concreto precisa ser rejeitado.

3. Controle no estado endurecido

Chegamos ao momento tão esperado da moldagem dos corpos de provas – algo que os estudantes de Engenharia Civil e Arquitetura sempre veem nas aulas. A quantidade e divisão dos lotes é definida pelo responsável pela concretagem e precisam atender os requisitos da ABNT 12665. São realizados cálculos, ensaios de compressão – como de compressão e flexão.

As amostras do concreto devem ser retiradas em central – exemplares de cada caminhão betoneira. Depois ainda são coletadas amostras parciais quando o produto é “virado” na obra – exemplares de betoneiras aleatórias. Passado 28 dias, os exemplares são rompidos em laboratório. Informações adicionais:

  • cada exemplar será composto por dois corpos de prova,
  • mínimo 6 para concreto de resistência à compressão entre 10 e 50 Mpa,
  • e no mínimo 12 para concretos acima de 50 Mpa.
CONCRETO USINADO
Imagem reproduzida de Supremo Cimento

Fórmula do Fck para amostragem parcial:

CONCRETO USINADO
Imagem reproduzida de IME

Detalhe: a amostragem total do Fck estatístico é igual ao Fck do exemplar da betonada ou caminhão betoneira. Se os resultados obtidos nos cálculos derem um Fck estatístico maior ou igual ao determinado em projeto, o concreto está aceito. Se os resultados forem um valor inferior, é necessário levar os resultados a um calculista estrutural que vai determinar o que deve ser feito.

CONCRETO USINADO
Imagem reproduzida de Cimento Itambé

Veja Também: Concreto Auto Adensável: o que é e quais as suas vantagens


Fontes: AEC Web.

Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada em Arquitetura & Urbanismo e Letras; técnica em Publicidade; pós-graduada em Artes Visuais e Jornalismo Digital; estudante de Marketing; e proprietária da empresa Visual Ideias.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo