Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Primeiro satélite totalmente brasileiro, Amazônia 1 chega à orbita com sucesso

por Rafael Panteri | 01/03/2021

Lançado dia 28 de fevereiro, à 1h54, o satélite Amazônia 1 chegou corretamente ao seu destino

Desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos, o satélite Amazônia 1 foi colocado em órbita pela missão PSLV-C51 realizada pela agência espacial indiana, Indian Space Research Organisation (ISRO). O projeto do equipamento de observação terrestre começou há oito anos e teve ameaças de paralisações por falta de orçamento.

Amazônia 1 e desenvolvedor - galeria de imagens do site INPE
Amazônia 1 e desenvolvedor – galeria de imagens do site INPE

A uma altitude de 752 quilômetros da superfície da Terra, o equipamento inicia a transmissão de dados – fotos em alta resolução de todo o território nacional – com o principal objetivo de auxiliar contra o desmatamento ilegal da região amazônica. O sensoriamento remoto é feito com seis quilômetros de fios e 14 mil conexões elétricas.

Inicialmente, o lançamento estava previsto para 22 de janeiro, mas a data foi remarcada a pedido da equipe de desenvolvimento. Depois de todos os testes finais, o satélite foi desmontado e levado por um avião cargueiro com destino à Índia, onde foi remontado para a missão. O INPE transmitiu o lançamento ao vivo em uma cerimônia online.

Missão PSLV-C51 que levou o Amazônia 1 à orbita
Missão PSLV-C51 que levou o Amazônia 1 à orbita – galeria de fotos do site INPE
Vídeo do lançamento do Amazônia 1

Problemas com a verba

Pouco antes de ser lançado, o satélite passou por algumas dificuldades. Com a suspensão pelo INPE de 107 bolsas de pesquisadores, as atividade de trabalho e pesquisa foram atrasadas. Sete desenvolvedores diretos do Amazônia 1, envolvidos nas etapas finais e plano de voo, foram afetados. Sem recursos do Ministério da Ciência e Tecnologia, eles estavam impedidos de trabalhar e, com isso, o lançamento do equipamento estava em risco.

Para manter a data, a Agência Espacial Brasileira (AEB) precisou intervir e custear as bolsas.

Fontes: G1, Agencia Brasil

Leia também: Satélite geoestacionário brasileiro promete revolucionar a inclusão digital no país

Ficou animado com essa notícia? Deixe sua opinião nos comentários.

Engenharia 360

Rafael Panteri

Estudante de Engenharia Elétrica no Instituto Mauá de Tecnologia. Parte da graduação em Shibaura Institute of Technology - Japão.

Comentários