Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Plástico pode ser transformado em gás hidrogênio e nanotubos de carbono, segundo pesquisa

por Larissa Fereguetti | 15/10/2020
Copiado!

O plástico é um grande problema ambiental e parte desses resíduos acabam no mar, prejudicando a vida marinha. Atualmente, há toneladas desse material em aterros sanitários, lixões e também no mar. Como alternativa, pesquisadores do Reino Unido, da China e da Arábia Saudita desenvolveram um processo que converte os resíduos de plástico em gás hidrogênio e nanotubos de carbono.

imagem de garrafa de plástico boiando em água
Imagem: Brian Yurasits | Via Unsplash

O processo para essa transformação envolve a pulverização das amostras de plástico por meio micro-ondas. Óxido de alumínio e óxido de ferro são usados como catalisadores. Essas micro-ondas permitem que os catalisadores sejam aquecidos sem aquecer os plásticos diretamente (eles foram aquecidos por meio dos catalisadores). Isso evitou reações indesejadas, tornando o processo mais eficiente.

O tempo do processo de conversão é de apenas 30 a 90 segundos. Com ele, foi possível recuperar 97% do hidrogênio do plástico.

Os nanotubos de carbono gerados na reação possuem qualidade para serem utilizados em outras aplicações. O problema é que os pesquisadores ainda não testaram essa abordagem em larga escala. No entanto, eles afirmam que, atualmente, há outras aplicações em grande escala usando micro-ondas em locais comerciais, o que indica que o processo de reciclagem do plástico pode ser viável.

sacos plásticos contendo lixo e resíduos sólidos em beirada de estrada
Imagem: Brian Yurasits | Via Unsplash

Ainda, segundo os cientistas, este avanço destaca o potencial do próprio resíduo plástico como uma valiosa fonte de energia para a produção de hidrogênio e materiais de carbono de alto valor. Tal gás hidrogênio pode ser usado como combustível para veículos.

A pesquisa completa foi publicada na Revista Nature Catalysis. Clique aqui para acessar o artigo completo.

Referência: Phys.org

Leia também:

Você acredita que essa será uma alternativa viável (e também sustentável) para aplicação em larga escala? Comente sua opinião!

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários