Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Quais são os tipos de parafusos que existem e quando usar cada um? | 360 Explica

por Simone Tagliani | 20/10/2021

Você já deve ter visto, manuseado ou até comprado muitos parafusos na vida. Mas sabe diferenciar os modelos? Explicações neste texto!

Por certo, você já deve ter utilizado ou pelo menos visto algum parafuso ao longo da sua vida, não é mesmo? Este tipo de peça, velha conhecida na Engenharia, existe desde os tempos dos antigos gregos, na Era Clássica. Acredita-se que tenha sido Arquitas de Tarento, por volta de 400 a.C., que desenvolveu o primeiro parafuso para ser utilizado em prensas e na extração de azeite de olivas. Não podemos nos esquecer do estudo de Arquimedes, com o princípio da rosca, por volta de 250 a.C., mais tarde utilizado para a construção de dispositivos para o transporte de água na irrigação. E, por fim, de Da Vinci, que desenhou diversas máquinas com a utilização de parafuso e uma máquina, em especial, para a fabricação de parafusos, em 1568 – um equipamento que foi, séculos depois, desenvolvido.

Como é e para que serve um parafuso?

Em termos gerais, parafuso é uma peça em formato cônico ou cilíndrico. Ele pode ser feito de metal, PVC, plástico ou outro material. Sua estrutura tem uma haste em espiral contínua, com vãos ao longo de sua parte externa e uma base superior ou “cabeça” de fixação – mas há parafusos sem cabeça também. Aliás, esta “cabeça” pode ter diversos formatos que combinam com diversas ferramentas de fixação, como chave-de-fenda ou chave phillips. E, por hora, o que podemos dizer mais sobre isso é que os parafusos servem para a fixação ou a união de elementos utilizados em muitas engenharias – a ideia é que elas possam, assim, ser montadas ou desmontadas com facilidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

tipos de parafusos
Imagem de Pixabay

Quais os tipos de parafusos que existem?

Você pode não saber, mas os parafusos são utilizados não só na construção civil, mas em grandes obras de outras engenharias também! Eles podem ser usados em madeira, metais, drywall e mais. E, na verdade, existem muitos tipos diferentes, cada qual servindo a um propósito. Embora alguns sejam bem parecidos, é interessante saber identificar e compreender as suas formas! Veja a seguir!

Classificação conforme a utilização

Passantes

Atravessam de lado a lado as peças a serem unidas. É possível encontrá-los com ou sem cabeça. E, dependendo do tipo de serviço, esse tipo de parafuso se utiliza de porcas, arruelas e contraporcas como assessórios.

Não-passantes

Como o nome já diz, não passam de um lado a outro, se utilizando de porcas.

De pressão

São aqueles fixados através de pressão exercida pelas pontas dos próprios parafusos contra a peça a ser fixa. Encontrados no mercado em modelos com ou sem cabeça.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estojos ou pioneiros

São os modelos sem cabeça com rosca em ambas as extremidades. São recomendados em situações que podem exigir montagem e desmontagens constantes, pois não costumam danificar materiais.

Classificação conforme o design

Sextavados

Têm este nome por conta de sua “cabeça” com 6 faces. É um modelo usado em construções e reparos e pode ser encontrado em máquinas e equipamentos industriais, além de estruturas metálicas, veículos e móveis de aço.

Auto atarraxantes

Possuem uma ponta cônica e pontiaguda, com uma rosca mais fina e cortante – aliás, por conta disso, em alguns casos, não é preciso fazer um furo prévio na peça em que ele será aplicado. Ideal para fixar sua principal indicação de uso é para a fixação de chapas metálica e, com buchas de nylon, em paredes de alvenaria, concreto e drywall.

Franceses

Parafusos com cabeça abaulada, como um cogumelo, acompanhados de uma seção quadrada que permite travá-los quando são aplicados em furos quadrados ou redondos feitos em peças de madeira. Por isso, os vemos bastante em estruturas de carrocerias de caminhão, bancos de jardim, pallets, placas, cercas e escadas de madeira, incluindo o corrimão, entre outras. Também em construções navais, embalagens diversas, ferragens agrícolas, arados mecânicos e de tração animal.

Máquinas

Estes parafusos costumam apresentar fenda simples, sendo usados com porcas ou furo roscado. Podem ser usados, com buchas de nylon, em peças metálicas finas em maquinários variados, além de conexões metálicas e eletrodomésticos.

Classificação conforme o uso exclusivo

Fixer

São parafusos desenvolvidos especialmente para o segmento moveleiro, para a fabricação e montagem de móveis em madeiras leves e MDF – no entanto, podem ser usado também para a fixação de esquadrias, dobradiças e rodapés. E podem vir em vários acabamentos, incluindo o bicromatizado, zincado preto, zincado branco e niquelado; produzidos em aço baixo carbono, cementado, com a rosca autocortante tipo Chipboard e Fenda Phillips.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Plastciser

Também são parafusos de design exclusivo, pensados para a utilização em polímeros e componentes plásticos. São comuns em indústrias de eletrodomésticos, como batedeiras e liquidificadores, de refrigeração, eletroeletrônicos, móveis (para puxadores de gaveta), automotiva (na lanterna do carro), entre outras.

Auto Brocantes de Drywall

Diferem por sua capacidade de perfurar, atarraxar e vedar (opções com arruela) em uma única operação. Este tipo de parafuso é largamente utilizado em fixação de coberturas e telhas, montagens de paredes divisórias, paredes drywall, placas de gesso, forros, estruturas metálicas, chapas e perfis metálicos e também em madeiras com aço e alumínio.

Parafusos Agrícolas

Os parafusos agrícolas, como o próprio nome diz, são utilizados em maquinários e outros elementos empregados em atividades do agronegócio. Os principais tipos de parafusos dessa categoria são o parafuso arado, o parafuso para correia elevadora e o parafuso sextavado cônico para silo.


Fontes: ObraMax, Ciser, CRV Industrial, Mundo da Elétrica, Bruhel.

Comentários

Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada em Arquitetura & Urbanismo e Letras; especialista em Artes Visuais; estudante de Jornalismo Digital e proprietária da empresa Visual Ideias - Redação, Edição e Produção de Conteúdos.