Engenharia 360

Descubra o que é Engenharia Simultânea, e por que usar em seus projetos

Engenharia 360
por Jéssica Dias
| 28/11/2014 | Atualizado em 13/12/2022 3 min

Descubra o que é Engenharia Simultânea, e por que usar em seus projetos

por Jéssica Dias | 28/11/2014 | Atualizado em 13/12/2022
Engenharia 360

Provavelmente você já ouviu sobre o que é Engenharia Simultânea e até sabe intuitivamente sua definição. "(...) um ambiente de desenvolvimento, no qual a tecnologia de projeto auxiliado por computador é utilizada para melhorar a qualidade do produto, não somente durante o desenvolvimento, mas em todo ciclo de vida" (ELLIS, 1992 apud PRASAD, 1996). Mas de onde surgiu essa necessidade e quais seus benefícios?

Fonte: feb.unesp.br
Fonte: feb.unesp.br

Surgimento da Engenharia Simultânea

Por muito tempo, a forma de se idealizar e trazer um produto ou serviço para o mercado era quase padrão: cada grupo envolvido na criação fazia seu trabalho de maneira independente e, depois de finalizada ‘sua parte’, passava para o próximo grupo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De forma simples, o projeto se iniciava com o Design, que desenvolvia o projeto de acordo com as especificações dadas e o submetia à aprovação da gerência, estando sujeitos à possibilidade de ter que mudar algo. Após a aprovação, o projeto seguia para a criação do protótipo e então submetido a testes, e assim acontecia sucessivamente até chegar na fase de produção, vendas e distribuição.

Essa abordagem possui seus pontos positivos, como a maior facilidade para gerenciamento e controle, já que cada fase é predeterminada e pode ser revisada, levando também à redução da incerteza. Além disso, as habilidades específicas, ou expertises, são melhores utilizadas em cada grupo funcional. Em contrapartida, há a frequente discussão entre os grupos funcionais, cada um tentando otimizar seu próprio trabalho e levando à não otimização do sistema como um todo.

Fonte: theprojectgroup.com
Fonte: theprojectgroup.com

Apesar de funcionar, este processo consumia muito tempo e era caro, o que é inadmissível no mercado altamente competitivo onde o tempo se tornou uma vantagem competitiva.

O que é Engenharia Simultânea, na prática

Para resolver estes problemas, uma nova abordagem para o gerenciamento de projetos surgiu, saindo do processo sequencial para um processo onde os passos aconteciam concomitantemente, reduzindo o tempo e custo outrora altos. Esta abordagem é conhecida como Engenharia Simultânea e está apoiada na premissa de que a execução paralela reduz o tempo total do projeto, reduzindo então o time-to-market dos produtos e serviços.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na engenharia simultânea os times são compostos de pessoas de todas as áreas relevantes para o projeto, como design, marketing, produção, etc. e as tarefas são consideradas simultaneamente. Os fornecedores também estão inclusos neste processo a fim de evitar atrasos na entrega de materiais ou componentes necessários. { Obviamente existem tarefas que dependem de resultados de outras, porém sempre que houver a possibilidade elas serão executadas em paralelo.

Vantagens principais da Engenharia Simultânea

Além da redução de custo e tempo, a engenharia simultânea diminui as chances de, num estágio mais avançado, ter que modificar o produto por causa de problemas imprevistos. Em relação aos times, o maior envolvimento entre as funções pode melhorar o compromisso dos funcionários com o projeto.

Os métodos de projeto, de resolução de problemas - como o brainstorming, QFD, FMEA - e as tecnologias utilizadas – como CAD - compõem os elementos essenciais por meio dos quais o paralelismo no desenvolvimento de produtos e serviços pode ser alcançado.

Veja Também: Saiba como usar e abusar da boa arquitetura para aumentar as vendas do seu negócio

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Fontes: tutor2u.net, ims-productivity.com, referenceforbusiness.com

Comentários

Engenharia 360

Jéssica Dias

Engenheira industrial; formada pela Universidade Estadual do Norte Fluminense; com passagem pelo Instituto de Tecnologia de Rochester; tem experiência em cadeia de suprimentos (supply chain), e já atuou nas funções de Logística, Planejamento e Programação de Materiais.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo