Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Novos pilares tecnológicos pós-pandemia no contexto da Indústria 4.0

por Luana Espindola Ribeiro Aguiar | 12/06/2020
Copiado!

A partir do cenário atual, o Sistema Fiep desenvolveu uma pesquisa fazendo uma varredura de sinais tecnológicos em diversas regiões do globo. A partir dessa varredura de sinais, eles encontraram nove pilares tecnológicos que apontam grande potencialidade para funcionar como respostas à um cenário pós-pandemia, esses pilares se enquadram no contexto da Indústria 4.0.

Já é perceptível diversas mudanças em setores que nos cercam devido à pandemia. Desde os setores essenciais até os não essenciais, todos estão se adaptando aos meios tecnológicos para se manterem ativos no mercado.

Os 9 novos pilares tecnológicos:

9 Pilares tecnológicos da Indústria 4.0
9 Pilares tecnológicos – Indústria 4.0 (Fonte: LWT Sistemas)

Os pilares tecnológicos mencionados na pesquisa são:

Big Data e Analytics

As ferramentas de Big data e Analytics vêm criado um abismo entre a resposta, monitoramento e interpretação de dados da pandemia muito mais rápidas e eficazes do que em epidemias que já ocorreram anteriormente. Exemplos disso são a velocidade com que se identificou sequenciamentos genéticos e o monitoramento da evolução da contaminação, assim como a geolocalização de infectados.

Cibersegurança

Com a necessidade do distanciamento social, muitas empresas optaram pelo trabalho remoto, o famoso Home office. Com isso, todas as atividades profissionais, compras on-line, comunicação e pagamentos estão sendo feitos por meio da internet.

A partir desse novo cenário, essas organizações se tornaram mais sensíveis a ataques de hackers, que podem colocar comunidades inteiras off-line. Como resposta, protocolos veem sendo padronizados universalmente, além de haver monitoramento direto a violações. Pode-se dizer que a segurança na internet tende a ser cada vez mais priorizada, a partir dessa necessidade criada pelo período pandêmico.

Umas das empresas citadas a pesquisa é a Microsoft, que oferece serviços de notificação de ameaças a serviços de saúde e organizações humanitárias sem custo. A HP também disponibilizou o HP Sure Click Pro, uma solução contra malwares para PCs, gratuitamente para download até 30 de setembro. [Clique aqui para fazer download]

cibersegurança e covid-19
Imagem: globalsign.com

Computação em Nuvem

Com o crescimento da desmaterialização e o distanciamento social, há um crescimento progressivo do compartilhamento de documentos, programas, projetos e outros dados através das famosas “nuvens”.

Graças à essa forma de compartilhamento inovadora e ao trabalho remoto, essas atividades têm sido cada vez mais recorrentes e essenciais para o funcionamento de muitas empresas e para a busca de soluções para a Covid-19.

Integração de Sistemas

A integração de sistemas foi apontada na pesquisa como facilitadora de desafios enfrentados por empresas já em condições críticas, principalmente nas áreas de e-commerce e na busca por transformações de operações.

Segundo a pesquisa, essa interação é salientada com o home office e uso de informações em nuvens e que no contexto da pandemia a integração “oportunizou a experiência de softwares orientados ao aprimoramento organizacional, fortalecimento da comunicação interna e aproximação entre fornecedores, produtores e consumidores.”

Internet das Coisas (IoT)

A internet das coisas, assim como o Big data e a Inteligência artificial, cresceu de forma a atuar diretamente como uma ferramenta de identificação de padrões, simulação de propagação da doença e do isolamento social.

Além disso, a IoT aparece como grande aliada à mitigação de adversidades que são consequências do isolamento social, como por exemplo o colapso da cadeia de suprimentos. A utilização do GPS colaborou muito para o sistema de rastreamento da mobilidade de pessoas contaminadas pelo Covid-19.

mulher usando máscara ao fundo com mão mexendo no celular e iot
Imagem: proxxima.com.br

Manufatura Aditiva

Propiciando a produção de peças e componentes com velocidade, como por exemplo ventiladores, peças respiratórias e equipamentos de proteção, de forma a permitir o design digital e impressão em camadas, em alguns casos por impressoras 3D, essa tecnologia ganhou holofotes, demostrando ser muito eficaz e fundamental.

Um grande exemplo foi uma Startup, Prusa Reserch, que disponibilizou em código aberto o projeto de protetores faciais destinados à profissionais da saúde, ampliando a possibilidade de produção do equipamento em qualquer lugar do globo.

Realidade Aumentada

Desde o entretenimento até a busca de tecnologia para soluções de colaboração à distância, a realidade aumentada passou a ampliar as possibilidades de performance do mundo corporativo.

A ampliação dessa ferramenta se deu, principalmente, pela busca por reuniões de negócios, videoconferências, salas de aulas virtuais e até atendimento médico e monitoramento de pacientes em quarentena. Diversas ferramentas que permitem a realização de atividades convencionais mesmo com o distanciamento social.

Simulação

A simulação não é uma novidade, mas acontece atualmente com equipamentos muito mais avançados e com a capacidade de processar bases de dados complexos e gerar respostas com velocidade.

No cenário pandêmico, essa tecnologia foi capaz de simular o comportamento do vírus e o processo de contaminação – através das famosas curvas de contaminação. Uma ferramenta extremamente importante para a tomada de decisões de medidas de prevenção e tratamento.

Uma pesquisa desenvolvida no Quebec utilizou simuladores baseados em inteligência artificial para analisar amostras de sangue contaminado pelo Covid-19 buscando chegar a fórmulas de vacinas.

Sistemas Autônomos

Os sistemas autônomos em meio à necessidade do distanciamento social, aparecem como tecnologia essencial. Segundo a pesquisa da Fiep “Em ambientes hospitalares, corporativos e residenciais, os robôs são utilizados na realização de tarefas repetitivas, na interação com pessoas ou no desempenho de operações em ambientes com alto potencial de contágio.”

quatro homens com roupa de segurança e um robô epidemia coronavirus
Imagem: pplware.sapo.pt

Em Varese, na Lombardia, seis robôs auxiliaram no cuidado de pacientes contaminados e estabeleceram comunicação remota com as equipes, garantindo a segurança. Já uma empresa Sul-Africa passou a utilizar robôs para exterminar agentes patogênicos e prevenir a disseminação do Covid-19 nos hospitais.

A Industria 4.0 já é uma realidade e com ela todos esses avanços tecnológicos. Talvez toda essa tecnologia tenha crescido em meses o que estavam previstas para crescer em anos, com o objetivo de atender às necessidades repentinas, sentidas por todo o globo e a partir de um cenário antes nunca visto.

E aí, o que acharam? Deixe sua opinião nos comentários!

Seguem abaixo algumas de nossas matérias relacionadas ao tema:

Fonte: Gazeta do Povo, Observatório Sistema Fiep.

Copiado!
Engenharia 360

Luana Espindola Ribeiro Aguiar

Engenheira Civil ,pesquisadora , sonhadora, redatora, colecionadora nerd e apaixonada pela Marvel. Mestranda em Engenharia Geotécnica, Pós-graduanda no MBA em Gestão e Engenharia de Custos e Pós-graduanda no MBA em Gerenciamento de Obras.Produtora de conteúdo para o meu IG Profissional @luanaribeiroeng no Instragram.

Comentários