Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Nikola Tesla já havia previsto o smartphone em 1926

por Carlos Aros | 23/01/2018

Conversar com alguém a quilômetros de distância, a partir de um simples acesso ao FaceTime ou Skype, é tão normal atualmente que não paramos para pensar em todos os estudos, pesquisas e experimentos que foram necessários para a tecnologia da comunicação sem fio. Para se chegar às possibilidades de hoje, Nikola Tesla já manifestava a possibilidade de uma comunicação a distância e sem fios desde o início do século XX.

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fotografia em preto e branco de Nikola Tesla

Imagem: Biography

Tesla, de origem sérvia, nasceu em região da atual Croácia, em 1856. Foi ele o “pai” de diferentes invenções, como o motor elétrico de corrente alternada. Em 1883, apresentou o primeiro gerador de corrente alternada. Mas naquela época, Tesla não teve o devido reconhecimento da comunidade científica europeia. Anos depois, foi nos EUA que as invenções, com aperfeiçoamentos, despontaram.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Imagem de vários celulares nas palmas das mãos de diferentes pessoas

Imagem: Mistérios do Mundo

Como engenheiro eletricista, Tesla defendeu que a energia wireless seria o único modo de tornar viável o uso da energia elétrica. Em 1894, o inventor conseguiu acender uma lâmpada através da indução eletrodinâmica, ou seja, sem qualquer cabo para condução da energia, a partir de um campo magnético de baixa frequência.

Comunicação sem fio

Mas o engenheiro não parou por aí, principalmente quando se fala em tecnologia wireless. Tesla já previa a comunicação sem fios, com a troca de mensagens e em tempo real, possibilitando o que hoje conhecemos como videoconferência. Sua citação a respeito do que seria já uma descrição do atual Smartphone foi publicada em janeiro de 1926, na Collier’s Magazine, e está presente na biografia “Lightning in his hand: the life story of Nikola Tesla”, de Inez Hunt:

“Quando [a conexão] sem fio for perfeitamente aplicada, a Terra inteira será convertida em um enorme cérebro, o que na verdade é, sendo que todas as coisas são partículas de um conjunto real e rítmico. Seremos capazes de nos comunicar uns com os outros instantaneamente, independentemente da distância. Não só isso, mas por meio da televisão e da telefonia vamos ver e ouvir uns aos outros tão perfeitamente como se estivéssemos frente a frente, apesar de intervirem distâncias de milhares de milhas; e os instrumentos através dos quais seremos capazes de o fazer serão incrivelmente simples em comparação com o nosso telefone atual. Um homem será capaz de transportar um no bolso do seu colete”.

Nikola Tesla em imagem em preto e branco segurando um livro

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Imagem: Nymag

Tesla chegou a desenvolver o que seria um rádio transatlântico, de maneira que fosse possível coletar informações e  transmiti-las para aparelhos portáteis, mas muitos de seus inventos ainda não tinham como ser aplicados com os elementos existentes na época.

O tempo mostrou como Nikola Tesla estava correto. Além disso, foi possível perceber como o engenheiro era visionário e contribuiu, há mais de 100 anos, para o desenvolvimento de tecnologias que utilizamos hoje. Vale a pena conhecer mais sobre o engenheiro e inventor!

Referências: Revista Galileu, Telegraph, BigThink, Tecmundo

Comentários