Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Conheça o TESS: o satélite caçador de planetas da NASA

Engenharia 360

3 min

POR Kamila Jessie 13/02/2020

NASA TESS, o satélite caçador de planetas da NASA, é um passo gigante de tecnologia voltada para a busca de planetas fora do nosso sistema solar, incluindo aqueles que poderiam sustentar a vida. Recentemente, como comentamos aqui, ele identificou o TOI 700 d, um planeta com condições similares às terrestres. Mas a missão segue.

Ilustração do satélite de pesquisa de exoplanetas em trânsito da NASA - TESS - na frente de um planeta de lava que orbita sua estrela hospedeira.
Ilustração do satélite de pesquisa de exoplanetas em trânsito da NASA – TESS – na frente de um planeta de lava que orbita sua estrela hospedeira. Imagem: NASA.

A missão do TESS é voltada para encontrar exoplanetas que periodicamente bloqueiam parte da luz de suas estrelas hospedeiras, eventos chamados “trânsitos”. O TESS pesquisará 200.000 das estrelas mais brilhantes perto do sol para procurar exoplanetas em trânsito. O lançamento do TESS foi em abril de 2018, a bordo de um foguete SpaceX Falcon 9, mas o trabalho de varredura desse satélite ainda nos impressiona. A investigação do TESS seria feita ao longo de dois anos, o que nos deixou atentos agora, mas ele seguirá trabalhando até 2022, em vista do seu bom estado e desempenho.

Trânsito dos planetas

Os cientistas do TESS esperam que a missão catalogue milhares de candidatos a planetas e aumente bastante o número atual de exoplanetas conhecidos. Desses, estima-se que aproximadamente 300 sejam exoplanetas do tamanho da Terra. A visualização divide o céu, digamos assim, em 26 setores diferentes, cada um com 24 graus por 96 graus de diâmetro. As poderosas câmeras observam cada setor por pelo menos 27 dias, olhando as estrelas mais brilhantes em uma cadência de dois minutos. O vídeo abaixo (em inglês), da época do lançamento, mostra um pouquinho sobre como o TESS funciona, detectando planetas ao orbitarem ao redor de sua estrela.

O método de trânsito para detectar exoplanetas procura “baixas” na luz visível das estrelas e exige que os planetas cruzem na frente das estrelas ao longo de nossa linha de visão até eles. Quedas periódicas e repetitivas podem revelar um planeta ou planetas que orbitam uma estrela.

A fotometria de trânsito, que analisa a quantidade de luz que um objeto lança a qualquer momento, pode dizer muito aos pesquisadores sobre um planeta. Com base na depleção de luz um planeta causa em sua estrela, podemos determinar o seu tamanho. Além disso, considerando o tempo da órbita, os cientistas são capazes de determinar a forma que essa trajetória apresenta e quanto tempo leva para que ele circule seu sol.

Trabalho em equipe com telescópios terrestres e espaciais

E nessa brincadeira, o TESS realiza um trabalho de identificação e catálogo de milhares de candidatos a exoplanetas usando esse método de fotometria de trânsito. Após a compilação desta lista, a missão TESS realizará observações de acompanhamento junto com a interpretação de dados de telescópios terrestres, visando confirmar que os candidatos a exoplanetas são verdadeiros e não falsos positivos.

Usando o tamanho, órbita e massa conhecidos do planeta, o TESS e o acompanhamento terrestre poderão determinar as composições dos planetas. Isso revelará se os planetas são rochosos (como a Terra), gigantes gasosos (como Júpiter) ou algo ainda mais incomum. O acompanhamento adicional de missões terrestres e espaciais, incluindo o Telescópio Espacial James Webb da NASA, também permitirá que os astrônomos estudem a atmosfera de muitos desses planetas.

Em julho do ano passado, a NASA divulgou os highlights da missão do TESS (vídeo abaixo, em inglês). Os números são impressionantes e a caçada por exoplanetas vem incluindo planetas dentro e fora de sua zona habitável. De toda forma, todo esse serviço de catalogação é um avanço para a ciência e permitirá muito estudo para nós terráqueos.

Os parceiros da equipe do TESS incluem o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), o Instituto Kavli de Astrofísica e Pesquisa Espacial, o Centro de Vôo Espacial Goddard da NASA, o Laboratório Lincoln do MIT, o Laboratório Orbital ATK, o Ames Research Center da NASA, o Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica e a Space Telescope Science Institute.

Fonte: NASA.

engenharia aeroespacial
NASA
nasa tess
tess

Kamila Jessie

Doutoranda em Hidráulica e Saneamento na USP, formada em Engenheira Ambiental e Sanitária, sonhadora em tempo integral, amante de ciências e inventividades.

mais
Engenharia 360 Engenharia 360

VEJA TAMBÉM

6 Resultados
CEO e COO: entenda a diferença entre esses grandes cargos
MUSA: robô auxilia cirurgia de ultra-precisão em pacientes humanos
Pesquisadores do MIT desenvolvem sistema de dessalinização da água com eficiência de até 385%
Golden Gate Bridge: conheça o cartão postal de San Francisco
Enquanto Musk admite que duvidava do Cybertruck, Nikola Motors lança sua picape elétrica
Conheça os fatores que influenciam na produção de energia eólica
Podcast 360
Ouça ou baixe podcasts
exclusivos da engenharia
Ver Todos

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ