Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

NASA finaliza construção de telescópio que substituirá o Hubble

por Larissa Fereguetti | 25/11/2016
Copiado!

Quase todo mundo já ouviu falar no famoso telescópio Hubble, que está no espaço há 26 anos. Acontece que o Hubble está com os dias contados agora que seu sucessor, o telescópio James Webb (JWST – James Webb Space Telescope), está pronto, com lançamento previsto para outubro de 2018.

Imagem: sciencemag.org

Imagem: sciencemag.org

O projeto do novo telescópio começou na década de 90 e os engenheiros da NASA não pouparam esforços: o JWST promete ser 100x mais potente que o Hubble. O espelho principal do novo telescópio possui 6,5 metros de diâmetro (maior que do Hubble, com 2,4 metros de diâmetro) e 18 segmentos hexagonais de berílio e revestidos com ouro. Para que o novo telescópio possa detectar luz infravermelha por meio do espelho e observar o universo, é necessário que ele possua cinco camadas de isolamento do Sol, visto que ele deve operar na temperatura zero absoluto (0 Kelvin = -273,15°C).

Imagem: cbsnews.com

Imagem: cbsnews.com

Após duas décadas de planejamento e construção, o objetivo é usar o James Webb para observar galáxias formadas após o Big Bang, permitindo o estudo da origem do universo, e também auxiliar a identificar sinais de vida em outro planeta, como saber se há água suficiente para formar um oceano. O local de instalação previsto é o Ponto de Lagrange 2, que fica a um milhão e meio de quilômetros da Terra, aproximadamente, o que é bem mais distante que o Hubble, que está a cerca de 550 quilômetros da Terra.

[Pausa para a explicação: os Pontos de Lagrange são locais em que as forças de atração gravitacional exercidas por duas massas são iguais, o que cria um local estável e ideal para a instalação de estações espaciais e satélites. O Ponto de Lagrange 2 fica diretamente atrás da Terra, partindo de uma perspectiva do Sol.]

Imagem: map.gsfc.nasa.gov

Imagem: map.gsfc.nasa.gov

Agora, o James Webb entra em fase de testes. A jornada até o lançamento é longa: os engenheiros precisam fazer com que nada saia errado, visto que é difícil fazer qualquer reparo a uma distância tão grande. A previsão era de que o JWST fosse lançado em 2011, mas houve um atraso, assim como houve aumento no orçamento, que foi de 1 para 8,7 bilhões..

Referências:  INPE, JWST, NASAPopsci.

Copiado!
Engenharia 360

Larissa Fereguetti

Doutoranda, mestre e engenheira. Fascinada por tecnologia, curiosidades sem sentido e cultura (in)útil. Viciada em livros, filmes, séries e chocolate. Acredita que o conhecimento é precioso e que o bom humor é uma ferramenta indispensável para a sobrevivência.

Comentários