Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

NASA pretende alterar a rota de asteroide próximo a Terra pela primeira vez

por Rafael Panteri | 17/07/2020
Copiado!

A pesquisa visa ajudar na elaboração de estratégias de defesa mais eficientes para asteroides que possam colidir com a Terra

Um dos grandes objetivos de astrônomos é detectar asteroides e cometas em rotas de colisão com a Terra. Esses objetos podem causar sérios danos ao planeta e é por isso que organizações ao redor do mundo buscam tecnologias capazes de nos defender.

A Agencia Espacial Norte Americana (NASA) pretende realizar sua primeira missão neste sentido em 2022. O alvo é conhecido como Dimorphos, uma lua que orbita um asteroide próximo a Terra, cerca de 1 bilhão de quilômetros de distância. Com diâmetro de 160 metros, esse corpo não está em rota de colisão com o planeta, mas servirá de exemplo para os astrônomos melhorarem a tecnologia.

Exemplo de asteroide. Asteroide 243 Ida em Agosto de 1993
Exemplo de asteroide. Asteroide 243 Ida em Agosto de 1993

Dimorphos, que significa “duas formas”, apresenta um tamanho próximo aos asteroides que podem representar uma ameaça para a Terra. Sua órbita será alterada pela missão DART (Double Asteroid Redirection Test) – que significa Teste de Redirecionamento de Duplo Asteroide.

Nesta missão, o DART colidirá com o asteroide com a ajuda de uma câmera, chamada DRACO, e de um software de navegação autônomo. Sua velocidade de aproximadamente 23,8 mil km/h vai alterar o período orbital desta lua em alguns minutos.

Três anos após a colisão, a sonda Hera estudará as consequências do impacto. Essa pesquisa ajudará os cientistas a pensarem em estratégias de defesa mais eficientes e a entenderem a força necessária para alterar órbitas de asteroide próximos a Terra e que podem colidir com o nosso planeta.

Fontes: Nasa (1); Nasa (2); CNN.

Leia também:

E aí, você acha que esse experimento da NASA vai dar certo? Conta sua opinião para a gente nos comentários!

Copiado!
Engenharia 360

Rafael Panteri

Estudante de Engenharia Elétrica no Instituto Mauá de Tecnologia. Correspondente do Engenharia360 no Japão. Intercâmbio na Shibaura Institute of Technology.

Comentários