Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Engenharia 360

Engenheiros desenvolvem nanotubos de carbono que transformam calor residual em luz

Engenharia 360
por Kamila Jessie
| 13/08/2019 2 min

Engenheiros desenvolvem nanotubos de carbono que transformam calor residual em luz

por Kamila Jessie | 13/08/2019
Copiado!

Engenheiros mostraram como filmes a base de nanotubos de carbono podem ser usados na criação de um equipamento que aproveita calor residual. O aparelho pode aumentar o rendimento de células solares e a eficiência da recuperação de calor residual em indústrias.

nanotubos
Imagem: news.rice.edu

Perda de calor em sistemas:

A gente costuma falar bastante sobre geração de energia por aqui, mas nem sempre mencionamos que há perdas nos sistemas, né? Pois bem, o aproveitamento dessas perdas é do interesse da engenharia, na medida em que promove aumento de eficiência, e também tem um caráter sustentável. Olha só:

Uma simulação realizada por pesquisadores da escola de engenharia da Rice University mostra uma série de cavidades padronizadas em um filme de nanotubos de carbono alinhados. Quando otimizado, o filme absorve fótons térmicos e emite luz em uma banda estreita que pode ser reciclada na forma de eletricidade.

fotons
Imagem: news.rice.edu

Tratando do conceito, fótons térmicos são simplesmente fótons emitidos por um corpo em alta temperatura. Por exemplo, se você olhar para algum objeto quente com uma câmera de infravermelho, você o verá brilhando, por conta dos fótons termicamente excitados. Essa imagem nos é bastante familiar, mas então por que esse calor não é aproveitado como energia? Bem, por uma questão de comprimento de banda.

Aproveitamento do calor residual:

A invenção do grupo da Rice University foi um emissor hiperbólico termal que pode absorver calor intenso que seria outrora eliminado para atmosfera. Agora, esse calor é retido em uma banda estreita e emitido na forma de luz. Basicamente, é um caminho mais longo, onde calor é transformado em luz e a luz é convertida em eletricidade. É uma forma de aproveitar o que seria residual, ou seja, tido como perda.

nanotubos
Imagem: news.rice.edu

Quer números? Vamos lá: A adição destes emissores às células solares padrão podem aumentar sua eficiência em cerca de 22%. “Espremer” toda a energia térmica desperdiçada em uma pequena região espectral, permite transformá-la em eletricidade de forma muito eficiente, de acordo com a equipe. A previsão teórica é de 80% de eficiência. Aguardamos para ver acontecer!

nanotubos de carbono
Imagem: news.rice.edu

 Fonte: Rice University. ACS Publications.

Copiado!
Engenharia 360

Kamila Jessie

Engenheira ambiental e sanitarista, MSc. e atualmente doutoranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo. http://orcid.org/0000-0002-6881-4217

Comentários