Engenharia 360

Conheça a história de Mackintosh, o designer ícone da vanguarda moderna

Engenharia 360
por Simone Tagliani
| 06/09/2022 5 min

Conheça a história de Mackintosh, o designer ícone da vanguarda moderna

por Simone Tagliani | 06/09/2022
Engenharia 360

Você leu direito, é Mackintosh! Não confunda este nome com Macintosh (macOS), o famoso sistema operacional desenvolvido pela empresa Apple. Estamos nos referindo a Charles Rennie Mackintosh (1868 – 1928), um grande designer e aquarelista que marcou a história da Arquitetura Moderna. Ele viveu em Glasgow, nas proximidades do Rio Clyde, na Escócia. Esta foi uma das zonas mais significativas para a produção de Engenharia pesada e construção naval do mundo no período da Revolução Industrial.

Charles Rennie Mackintosh
Imagem reproduzida de Sbandiu

Veja bem, à medida que a cidade crescia, era preciso também construir residências e abastecer os espaços habitados de bens de consumo – e até artes. Mas, nesta mesma fase, por curiosidade, também estava em alta o estilo asiático e as ideias modernistas emergentes. E é claro que isso tudo influenciou bastante o trabalho de designers da época, como Mackintosh. Saiba mais no texto a seguir!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Charles Rennie Mackintosh
Imagem reproduzida de Yahoo Noticias
Charles Rennie Mackintosh
Imagem reproduzida de The National

Veja Também: 12 maravilhas da Arquitetura Antiga, para inspirar

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Breve resumo da história profissional de Mackintosh

Para quem estudou Artes Visuais, McIntosh, Mackintosh ou Toshie é lembrado como um importante representante da Escola de Glasgow, que é como ficou conhecido o Estilo Moderno desenvolvido em Glasgow. Por volta de 1892, começou a trabalhar com sua esposa e artista Margaret Macdonald – que, inclusive, foi sua colega na Glasgow School of Art. Também fez parte da equipe do escritório de arquitetura Honeyman & Keppie, onde iniciou seu primeiro grande projeto arquitetônico, o Glasgow Herald Building – agora conhecido como The Lighthouse -, em 1899.

Vale destacar que seus principais trabalhos foram desenvolvidos entre os anos de 1985 e 1906. Dentre eles residências particulares, edifícios comerciais, reformas de interiores, reformas de interiores e igrejas. Eis alguns exemplos:

  • Móveis e acessórios para a Residência Hill, em Helensburgh;
  • The Willow Tearooms, para Catherine Cranston, em Glasgow;
  • Ex-escritórios da Daily Record, também em Glasgow;
  • Ex- escritórios do Glasgow Herald em Mitchell Street, agora The Lighthouse – Centro de Design e Arquitetura da Escócia;
  • Design de interiores e remodelação arquitetônica de 78 Derngate, em Northampton; e
  • 5 The Drive, também em Northampton.
Charles Rennie Mackintosh
Imagem reproduzida de Pinterest
Charles Rennie Mackintosh
Imagem reproduzida de MR PORTER

Veja Também: 7 grandes planejadores que mudaram a história da Arquitetura e Urbanismo mundial

As principais características das obras de Mackintosh

É claro que, por se tratar de um designer nascido na Europa, Mackintosh abordava símbolos do continente em suas obras artísticas – por exemplo, quando ele combinou sua educação escocesa com preceitos do Art Nouveau e do Movimento de Secessão. Porém, a simplicidade das formas japonesas, que eram tão admiradas e elogiadas pelos modernistas, também pode ser identificada em muitos dos seus trabalhos.

Por falar nisso, o fascínio dos ocidentais pelo conceito de morar dos orientais é evidente neste período – inclusive foi dessa fase que surgiram termos como ‘Japonismo’. A intenção era conseguir restringir e economizar meios, adotar formas simples e materiais mais naturais, ao invés da acumulação ostensiva, do excesso de texturas, dos ornamentos e mais, que era o padrão de velhos estilos.

Um novo momento para o design

Para se ter uma ideia, antes disso, a mobília das casas era vista como um ornamento, que precisava representar a riqueza da família, e seu valor era determinado pelo tempo de criação. Já na arte japonesa, o design de móveis era focado mesmo na qualidade do espaço, as sensações que ele podia provocar, a organização de interiores e o conforto ambiental – que é o que mais importa mesmo para os usuários. Enfim, os criativos passaram a desenvolver propostas de peças mais funcionais e práticas, leves e limpas em suas linhas, descartando todo o desnecessário.

E nesse cenário, podemos dizer que Mackintosh foi o pioneiro do Movimento Moderno da Escócia. Só que, de certo modo, ele desenvolveu o seu próprio estilo, criando elementos resultantes de um contraste entre fortes ângulos retos e motivos de inspiração floral com curvas sutis, com algumas referências a motivos decorativos de inspiração floral com curvas sutis e, é claro, referências à arquitetura tradicional do seu país.

“A influência de Mackintosh pode ser percebida nos complexos e delicados ornamentos de ferro fundido de Antoni Gaudí, encontrados em diversas de suas construções em Barcelona. Também pode ser vislumbrada nas peças de Hector Guimard, que ainda adornam o Metrô de Paris.” – trecho de fala da de Pamela Todd, em ‘The Arts and Crafts Companion’.


A saber, raramente Mackintosh realizava desenhos de detalhamento, sobretudo de seus projetos arquitetônicos. Surpreendentemente, quem realizava esses detalhamentos e outras contribuições mais significativas era a sua esposa, que também havia estudado na Glasgow School of Art e tinha um vasto portfólio. Infelizmente, seu talento nunca foi valorizado como devia, como se ela estivesse na sombra de seu marido. Contudo, certa vez, em 1927, o próprio designer afirmou que “Você deve se lembrar que em todos os meus esforços arquitetônicos você foi metade se não três quartos deles.”.

Charles Rennie Mackintosh
Imagem reproduzida de Encyclopedia Britannica
Charles Rennie Mackintosh
Imagem reproduzida de PubHist

Veja Também: Estilos de Arquitetura Residencial: descubra qual deles combina com você


Fontes: Gaúcha ZH, Essência Móveis, Stringfixer, UFRGS.

Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada em Arquitetura & Urbanismo e Letras; técnica em Publicidade; pós-graduada em Artes Visuais e Jornalismo Digital; estudante de Marketing; e proprietária da empresa Visual Ideias.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo