Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Fundações em rocha: aplicações na construção de Barragens

por José Joebson Lima | 05/03/2019
Copiado!

O Projeto de uma barragem deve ser elaborado, primordialmente, sempre em função do objeto ou objetos a que se propõe a obra a ser executada. Sabendo disso, e das principais finalidades a que se destina uma represa d’água, que são, respectivamente: abastecimento de água, irrigação e geração de energia hidrelétrica, é notadamente importante colocar em pauta a estabilidade e relevância de conhecer o que torna um barramento mais ou menos estável a depender do solo aonde irá ser edificada e da quantidade de água que se pretende reter. Esse conceito recebe o nome de fundação da barragem e o motivo principal pelo qual todos os sucessos em construção de barragens para gerar lagos artificiais com múltiplos usos foi possível. Portanto, estudaremos e caracterizaremos as principais Fundações para Barragens, com ênfase nas em rocha.

Fundações em rocha

Barragem Hoover sendo erguida sob leito rochoso do Rio Colorado

 + Fundações em rocha para barragens

Em termos de Barragens, o estudo e projeto de fundações é imprescindível, pois é aqui onde se garante a estabilidade da estrutura em termos das cargas transmitidas do aterro para o solo e das percolações existentes.
Para tanto, as fundações em barragens se dividem em três principais grupos, que são:

  • Fundações em rocha
  • Fundações em solos permeáveis (solos arenosos e pedregosos)
  • Fundações em solos impermeáveis (solos argilosos e siltosos)

Dentro desses grupos, com o objetivo de coibir problemas geotécnicos que podem levar a estrutura (maciço) à ruína, é necessário aplicar os tratamentos de fundação inerentes a cada um. Portanto, falaremos, sucintamente, sobre possíveis tratamentos de cada tipo de fundação.

  • FUNDAÇÕES EM ROCHA: 

    São os tipos de fundações mais resistentes, apresentando poucos problemas, porém, quando apresentam, é necessário rápido tratamento. PROBLEMAS podem ocorrer por possíveis fraturas e falhas em rocha, geradas pela percolação da água, podendo causar rompimento do maciço rochoso desestabilizando a estrutura, consequentemente levando-a à ruína, conforme a figura abaixo.

Rompimento da rocha da ombreira esquerda, na Barragem                                                            Camará-PB

É importante salientar que a fundação, ou melhor, todo o projeto geotécnico é a fase mais importante para obras de contenção como esse. Erros, com facilidade, podem ocasionar perdas humanas, culturais, ambientais e materiais.

  1. TRATAMENTO DAS FUNDAÇÕES EM ROCHA: geralmente, aplica-se tratamentos de impermeabilização, prevenindo o avanço de fraturas e corrigindo falhas na rocha, tais como: injeções de cimento, argila, lama bentonítica ou produtos químicos; assim como também muros de concreto.

Dentre os processos gerais para o TRATAMENTO DE FUNDAÇÕES EM ROCHA, vale destacar também:

  1. Valas corta-águas (“Cutoff”);
  2. Valas corta-águas parciais;
  3. Banquetas de montante;
  4. Estacas prancha;
  5. Tapetes filtrantes;
  6. Drenos de pé e valas drenantes;
  7. Poços de alívio.

Como observação, vale acrescentar que se o objetivo é a construção de uma superestrutura, tal como barragem para geração de energia hidrelétrica, e o leito do rio ou riacho estive sobre rochas impenetráveis/sólidos (embasamentos cristalinos, por exemplo), pode se edificar a estrutura no próprio leito, pois suportará as cargas e pressões que serão  geradas como produto da obra. Um grande exemplo desse tipo de projeto executado é a obra da Hidrelétrica de Mareges: França – Rio Dordogne, construída em 1935. Capacidade de gerar 128MW.

Copiado!

Comentários