Engenharia 360

Como funciona o Foled e os dispositivos eletrônicos flexíveis?

Imagem padrão usuário
por Lucie Ferreira
| 27/11/2015 | Atualizado em 04/09/2022 2 min

Como funciona o Foled e os dispositivos eletrônicos flexíveis?

por Lucie Ferreira | 27/11/2015 | Atualizado em 04/09/2022
Engenharia 360
Pesquisadores brasileiros criaram, ainda na década de 2010, um dispositivo flexível emissor de luz, o Foled, que dá um passo além para que um dia possamos desfrutar de notebooks dobráveis e papéis eletrônicos flexíveis (material que poderia ser usada em revistas, livros e jornais eletrônicos). Trata-se de um substrato flexível à base de celulose produzida pela bactéria Gluconacetobacter xylinus (na forma de mantas altamente hidratadas) e poliuretano, extraído da síntese do óleo de mamona.

A mamona é uma matéria-prima abundante no Brasil, substituindo inclusive fontes derivadas do petróleo. Já a celulose bacteriana é vantajosa por ser considerada sustentável, umas vez que não produz resíduos tóxicos nem polui o ambiente, ao contrário do método tradicional de produção de celulose.

tela foled
Protótipo de um smartphone flexível: tecnologia do Foled está cada vez mais aprimorada (Foto: Wikipedia)

O estudo rendeu a capa da publicação especializada Journal of Materials Chemistry C. O material foi usado como suporte para a obtenção de um diodo flexível emissor de luz (Foled, do inglês flexible organic light emitting diode), que pode dar origem dispositivos eletrônicos com alta refletividade, flexibilidade e contraste. A aplicação do Foled vai desde telas de notebooks e telefones celulares a lentes de contato e bandagem oftalmológica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De acordo com os estudiosos, o substrato criado contém uma série de filmes nanométricos, que possuem propriedades e funções específicas depositados sob uma base de vidro, com estrutura similar a um sanduíche.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja Também:


Fonte: Fapesp

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo