Engenharia 360

Estação Espacial Internacional testa radiação ao qual turistas estariam expostos fora da Terra

Engenharia 360
por Redação 360
| 10/11/2022 | Atualizado em 27/01/2023 3 min

Estação Espacial Internacional testa radiação ao qual turistas estariam expostos fora da Terra

por Redação 360 | 10/11/2022 | Atualizado em 27/01/2023
Engenharia 360

Por certo, você já sabe que entramos em uma nova era para a exploração espacial. Miramos novamente a Lua, pensando numa possível viagem à Marte. E mais, além das agências governamentais, temos agora diversas empresas privadas nesta “corrida do ouro”, focando sobretudo na possibilidade da realização de turismo espacial. Pensando nisso, neste momento, a Estação Espacial Internacional (ISS) mede riscos da radiação para turistas e astronautas. Saiba mais a seguir!

Estação Espacial Internacional
Imagem reproduzida de Agência Brasil – EBC

O experimento realizado pela Estação Espacial Internacional

A Estação Espacial Internacional (ISS) está acompanhando, por meio de experimento de longo prazo a bordo, os efeitos da radiação espacial em células-tronco embrionárias. A ideia é coletar dados suficientes para avaliar adequadamente a segurança e os riscos relacionados à isso em futuras expedições, sejam científicas ou de turismo espacial. Afinal, se os resultados forem negativos, não adianta perdermos mais tempo e dinheiro conduzindo as coisas do mesmo modo, sendo preciso mudar para uma linha de engenharia diferente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Então, a pesquisa da Estação Espacial Internacional (ISS) não é para barrar as viagens espaciais. Pelo contrário, é para conduzi-las melhor!

Estação Espacial Internacional
Imagem reproduzida de Minha Vida

Condução das pesquisas

  • As coisas estão sendo feitas assim: uma medição quantitativa direta do efeito biológico da radiação espacial.
  • Primeiro, são enviadas células-tronco embrionárias congeladas de camundongos para a Estação Espacial Internacional (ISS).
  • Depois, elas são expostas à radiação espacial por mais de quatro anos.
  • Por fim, são trazidas de volta à Terra para quantificar o efeito biológico, examinando as aberrações cromossômicas.

Detalhe, essa ainda não é a melhor forma de pesquisa, pois trabalhar com células congeladas é muito diferente de estudar células vivas, mas era necessário começar de algum ponto; e, assim, os cientistas fizeram. Apesar dos pesares, esse comparativo de efeito biológico real com estimativas físicas nos experimentos terrestres realizado pela Estação Espacial Internacional (ISS) já traz uma grande contribuição para reduzir as incertezas nas avaliações de risco dos voos espaciais humanos.

Estação Espacial Internacional
Imagem reproduzida de Medium

Previsões de resultados

Por hora, o que os cientistas percebem é que os resultados obtidos já batem com o que era aguardado, com base em análises anteriores pela medição física da radiação espacial por instrumentos. Mas até o final, o estudo da Estação Espacial Internacional (ISS) pode revelar algo diferente. Então, ele precisa ser concluído o mais rápido possível. Só depois disso é que se poderá, com segurança, dar o aval ou a negativa para as viagens de turismo espacial.

A saber, o plano dos pesquisadores é, numa próxima etapa, usar células-tronco embrionárias humanas para se ter uma melhor avaliação de risco.


O Engenharia 360 tem muito mais a compartilhar com você! Confira ao webstories a seguir!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Fontes: Diário da Saúde.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Engenharia 360

Redação 360

Somos uma equipe de apaixonados por inovação, com “DNA” na Engenharia. Nosso objetivo é mostrar ao mundo a presença e beleza das engenharias em nossas vidas e toda transformação que podem promover na sociedade.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo