Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Dia Mundial da Meteorologia: conheça esta profissão fiscalizada pelo CREA

por Redação 360 | 23/03/2022

Impossível você não ter ouvido falar de Meteorologia! Quase que diariamente, lemos ou ouvimos pelas mídias a fala de profissionais desta área sobre questões relativas aos fenômenos atmosféricos. E justamente na data de hoje, 23 de março, desde o ano de 1961, quando é comemorado o aniversário da Organização Meteorológica Mundial (OMM) – uma instituição ligada à ONU -, também é comemorado o Dia Mundial da Meteorologia. E pensando nisso, nós, do Engenharia 360, escolhemos expor algumas informações sobre como é esta profissão de meteorologista e também aproveitar o momento para fazer uma comparação com a Climatologia.

800
Imagem reproduzida de Cba24n

O que é Meteorologia?

A Meteorologia é um campo de estudo que faz parte das Ciências Atmosféricas, assim como a Climatologia, a Física Atmosférica e mais. Contudo, o foco dessa profissão são as aplicações da física na atmosfera e da química atmosférica, analisando, claro, as reações disso na atmosfera. Os meteorologistas ainda avaliam variáveis como temperatura, pressão atmosférica e umidade do ar – que são, na verdade, fenômenos imediatos observáveis -, mais as interações entre seus estados dinâmicos, físico e químico, com a superfície terrestre subjacente – guarde bem esta informação, pois fará todo sentido ao final deste texto. E isso, por exemplo, o ajuda a fazer previsões, como se vai chover e fazer frio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja Também: Entenda por que o “novo Stephen Hawking” da Ciência afirma que ‘O tempo não existe’

Como aconteceu a evolução do estudo dessa profissão?

Lembra do Aristóteles? Ele foi um importante filósofo da Grécia Antiga e é considerado o “pai da Meteorologia”. Isso porque, em 350 a.C., ele escreveu um livro chamado ‘Meteorológica‘, onde descreve o que nós chamamos hoje de “Ciclo da Vida”. Inclusive, na publicação, chegou a esboçar as cinco zonas climáticas do nosso planeta: a região do Equador, as zonas frígidas nos pólos e as zonas temperadas.

Mas vamos além na história para entender a evolução do estudo da Meteorologia, certo? Por exemplo, no século IX, o naturalista curdo Abu Dinavar descreveu, pela primeira vez, as possíveis aplicações desse estudo na agricultura. Já o primeiro pluviômetro foi inventado em 1441, por um filho de rei coreano chamado Munjong. Em 1592, Galileu Galilei construiu o primeiro telescópio. Quase vinte anos depois, o inglês Johannes Kepler escreveu o primeiro tratado sobre cristais de neve. Passados mais vinte anos aproximadamente, o italiano Torricelli inventou o barômetro. E, em 1783, o suíço Saussure fez um projeto para hidrômetro.

Então, depois de tanto tempo, a Meteorologia progrediu bastante. Os pesquisadores conseguiram realizar as primeiras previsões numéricas do tempo. Mais adiante, com a invenção do computador e da Internet, se tornou mais rápido e mais veloz fazer o processamento e o intercâmbio de dados para o entendimento de eventos meteorológicos e suas variáveis, o que tornou realmente possível as previsões do tempo. E ainda precisamos destacar o lançamento do primeiro satélite TIROS-1, nos anos 60, que marcou o início da disseminação destas informações ao nível global.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

meteorologia
Imagem reproduzida de Prefeitura Municipal de Bonito

A saber, são equipamentos utilizados pela Meteorologia: anemômetros, barômetros, evaporímetros, heliógrafos, higrômetros, pluviômetros, piranômetros, termômetros, termógrafos, termo-higrômetros e mais.

E são áreas da Meteorologia: Micrometeorologia, Meteorologia de Mesoescala, Sinótica, Escala Global e Física.

A Meteorologia no Brasil

Os estudos sobre o tempo começaram aqui no Brasil quando, em 1781, os portugueses Francisco de Oliveira Barbosa e Bento Sanchez d’Orta lançaram uma campanha no Rio de janeiro e São Paulo para a Meteorologia no Brasil. Já, em 1808, houve a chegada da família real portuguesa no Rio de Janeiro e com a criação do primeiro observatório meteorológico do país pela Marinha. Infelizmente, nos anos 30, o desenvolvimento meteorológico no nosso país estagnou com o sucateamento dos observatórios e equipamentos, fora a diminuição de profissionais trabalhando na área. Acredite ou não, apenas no final dos anos 50 é que surgiu o primeiro curso de graduação de Meteorologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

meteorologia
Imagem reproduzida de Revista Blog de Escalada

Veja Também: Ciência da Terra – 4 lindos, assustadores e catastróficos eventos da natureza registrados recentemente por pesquisadores

Quais as aplicações da Meteorologia, na prática?

As aplicações da Meteorologia são bastante amplas. Por exemplo, no planejamento da Agricultura, política energética, estratégias militares, construção civil e diversas outras atividades que fazem relação com o cotidiano das sociedades. É que tudo isso depende demais das condições do tempo. E as consequências desse bom planejamento é a preservação da vida no planeta e a economia!

E qual a diferença de Meteorologia e Climatologia?

Meteorologia e Climatologia são campos de estudos bem próximos. Acontece que, diferente da primeira, a segunda profissão observa os eventos atmosféricos em um período de tempo mais amplo. Explicando melhor esses ramos do conhecimento: tempo é momentâneo e clima é um comportamento da natureza mais longo ou até permanente! Por exemplo, existe o site Climatempo, que mostra como serão as temperaturas e quantidade de chuvas meses a frente. Inclusive, alguns especialistas afirmam que a Climatologia precisa de um lapso de tempo de pelo menos 10 anos para tirar as suas conclusões!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

meteorologia
Imagem reproduzida de MF Magazine – MF Rural

Veja Também: Raio de maior duração e mais longo: recordes da Meteorologia são registrados pela OMM

Notícia Bônus

Recentemente, Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) lançou, do Cabo Canaveral, Flórida, o GOES-T, um satélite meteorológico que poderá detectar ou rastrear incêndios florestais antes mesmo que os humanos possam imaginar, fornecendo uma visão em alta resolução do Hemisfério Ocidental da Terra a mais de 35 mil km acima do planeta. Esse equipamento faz parte de um projeto que já lançou uma série de satélites meteorológicos geoestacionários avançados e deve ser equipado com vários instrumentos de medições, GPS, mapeamento e coleta de dados. E a ideia é que, no futuro, tenhamos informações completas não apenas de eventos daqui da Terra, mas de erupções solares e além. A versão 18 do GOES deve mandar suas primeiras imagens no verão de 2023!

meteorologia
Imagem reproduzida de GOES-T 18 – Olhar Digital

Fontes: UOL, Wikipedia, CREA-SP, CNN Brasil.

Comentários

Engenharia 360

Redação 360

Engenharia para todos.