Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

CANAIS ESPECIAIS


BIM na Engenharia: por que gastar energia nas fases iniciais de projeto?

por Cristiano Oliveira da Silva | 23/04/2021

Nessa matéria é apresentada a Curva de MacLeamy, onde são relacionados esforço/custo e efeito ao longo das fases de projeto, produção de documentação, construção e operação. Estes são assuntos relacionados à Engenharia Civil, Arquitetura e Construção!

Na vida prática da Engenharia Civil, são diversos os exemplos onde um projeto mal concebido implica em dores de cabeça na fase de construção. Isto resulta em custos não previstos, aditivos contratuais e muitos outros problemas que podem impactar na qualidade de um empreendimento. Mas, com o advento do BIM – Building Information Modeling – na área da construção civil, muitas dessas dores de cabeça podem ser evitadas.

O texto a seguir visa exclusivamente explicar um gráfico muito conhecido de quem já trabalha com BIM. Trata-se da curva de MacLeamy, que é referência em muitos trabalhos acadêmicos. Confira!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Exemplo - Modelo 3D
Exemplo de Modelo 3D

A curva de MacLeamy

Nesse gráfico, são apresentadas 4 curvas, cada uma representando uma variável ao longo da fase de projeto, construção e operação de um dado empreendimento. Vamos entender cada uma dessas curvas?

Curva de MacLeamy
Curva de MacLeamy

Curva 1 – Habilidade de impactar custo e performance

Essa curva representa uma ideia muito simples: investir tempo e esforço nas fases iniciais de projeto – etapa Preliminar e de Detalhamento -, que impactam positivamente nos custos de construção do empreendimento em questão. Em teoria, parece óbvio, mas não é!

Há inúmeras situações que ainda ocorrem no mercado da construção em que os projetos preliminares são carentes de detalhes ou deixam para ser melhor detalhados na fase da elaboração da documentação e por vezes até durante a construção. Nessas fases mais avançadas, as mudanças e otimizações já são mais difíceis de serem implementadas, dado que as empresas contratadas já estão mobilizadas, por exemplo. Aditivos contratuais são uma prática recorrente, muito devido a esse fato: de não se empenhar energia nas fases iniciais!

Nossa primeira dica é: dedique tempo e esforço para fazer um projeto bem feito, otimizado e bem pensado nas fases iniciais!

planejamento obras
Imagem extraída de ArtsyBee em Pixabay

Conheça o ‘Projete Fácil BIM’ – uma realização Engenharia 360! Aproveite para aprender BIM e faça projetos de Engenharia até 70% mais rápido! São 15 aulas distribuídas em 2 módulos. Confira!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Curva 2 – Custo de mudanças no projeto

É quase uma afirmação da Curva 1! Basicamente, ela expõe outra ideia que deveria ser óbvia: mudar o projeto nas fases iniciais é muito mais barato que mudar nas fases avançadas!

Esse fato decorre da liberdade que se tem em termos de análise de alternativas nas fases iniciais, particularmente nos casos em que a metodologia BIM é empregada, dada a facilidade de se conceber um Modelo 3D e pensar nos desafios que serão encontrados ao longo do processo de execução da obra.

Alterar projeto nas fases subsequentes implica em custos cada vez maiores. Mas se você é um construtor ou um “stakeholder” isso evidentemente não é desejado, pois impacta diretamente nos seus lucros gastar com aquilo que você não estava prevendo!

A dica aqui é: empenhe esforços em analisar alternativas e fazer as alterações necessárias nas fases iniciais do projeto!

planejamento obras
Imagem extraída de joffi ​em Pixabay

Curva 3 – Fluxo de trabalho convencional

Observa-se nessa curva que o esforço vai crescendo conforme se avança nas etapas de projeto, havendo um ponto de máximo durante a fase de emissão da documentação de projeto. Esta etapa estaria ligada à apresentação de plantas, cortes, cronogramas, listas de materiais para cotações, e mais!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Posteriormente, a curva decresce durante a execução da obra e operação. E o que isso significa? Simples: que não foram empreendidos esforços suficientes nas fases de projeto preliminar e não foram aproveitadas as vantagens de se poder impactar custos e performance – Curva 1 – e que mudanças no projeto já são mais caras que nas fases iniciais – Curva 2.

Fique atento! Uma grande parcela do mercado ainda trabalha nesses moldes. Mas há uma parcela mais atenta e que não gosta de gastar dinheiro à toa que vem buscando trabalhar nos moldes da Curva 4!

planejamento obras
Imagem extraída de joffi em Pixabay

Curva 4 – Fluxo de trabalho BIM

Um fluxo de trabalho BIM, dentro das metodologias disponíveis, é aquele que maximiza as vantagens de se investir tempo e esforço nas fases iniciais do projeto. Isso ocorre por diversos fatores e vantagens. E o mais importante, numa fase onde mudar projeto é mais barato e empenhando energia e esforços nas fases iniciais!

São alguns fatores e vantagens das metodologias de fluxo de trabalho BIM:

  • possibilidade de visualização em 3D do empreendimento, trazendo compreensão e entendimento a todos os envolvidos no processo;
  • economia de tempo no processamento de revisões e atualizações, decorrente do processo de parametrização;
  • simulação das etapas construtivas (BIM 4D) e identificação de possíveis problemas nas fases iniciais, evitando “surpresas” desagradáveis na fase de obra;
  • orçamentação e extração de quantitativos (BIM 5D), com um grau de confiabilidade tão alto quanto se deseje;
  • simulações energéticas e análises de consumo (BIM 6D);
  • gestão e manutenção do empreendimento (BIM 7D).
planejamento obras
Imagem extraída de Pexels em Pixabay

Um projeto BIM bem feito – uma vez consolidado um modelo bem parametrizado e com os usos bem definidos -, torna extremamente fácil e prática a extração da documentação. Fora isso, prover informações e simulações muito úteis para quem vai construir e para quem vai operar o ativo.

Quem já enxergou isso, vem colhendo os frutos do que há de mais inteligente em termos de metodologia de projeto. Quem ainda não enxergou, tá rasgando dinheiro, e vai ter que correr atrás do prejuízo! E você, concorda com isto?! Deixe sua opinião na aba de comentários logo abaixo!

Veja também:

O que é BIM? Entenda o conceito e exemplos

O que você precisa saber sobre o BIM?


Fonte: Livro Manual de BIM.

Comentários

Engenharia 360

Cristiano Oliveira da Silva

- Engenheiro Civil (Poli-USP/2003) - Pesquisador colaborador UFABC - Capacitação e disseminação de BIM - Gerente de Engenharia / BIM Manager - Projetos, Planejamento e Qualidade na empresa BEN - Bureau da Engenharia - INEXH - Instituto Nacional de Excelência Humana - MasterPractitioner e Coach Sistêmico - Analista Corporal - O Corpo Explica - Músico, pai e curioso por natureza