Engenharia 360

Como concretar pilares sem fôrma de madeira? Soluções modernas e sustentáveis para a construção civil

Engenharia 360
por Simone Tagliani
| 08/02/2024 5 min
Imagem reproduzida de Atex

Como concretar pilares sem fôrma de madeira? Soluções modernas e sustentáveis para a construção civil

por Simone Tagliani | 08/02/2024
Imagem reproduzida de Atex
Engenharia 360

O setor da Engenharia Civil tem passado por grandes transformações nos últimos anos. Parte do motivo disso diz respeito à urgência por uma mudança de comportamento, que nos leve a ações mais sustentáveis e uso inteligente dos recursos ainda disponíveis no mundo. Uma das mudanças mais significativas está relacionada à como concretar pilares. Tradicionalmente, se usa muita madeira, se gera muitos desperdícios de materiais e se descarta um grande volume de entulho no processo. Mas essa é uma realidade que podemos mudar!

Pensa bem de onde vem essa madeira usada em concretagem de pilares. Infelizmente, não são todas as obras que se valem de área de reflorestamento. No mercado, muitos fornecedores, tentando pagar menos impostos, facilitar a logística e burlar a fiscalização ambiental, vendem madeiras tiradas de áreas desmatadas. Uma solução moderna são as formas de plástico, que podem ser completamente reutilizadas. Neste artigo do Engenharia 360, vamos debater mais sobre este tema. Acompanhe!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

como concretar pilares com fôrmas de plástico
Imagem reproduzida de Atex

Por que eliminar a madeira da concretagem de pilares?

Estamos em um novo momento para a engenharia, onde alternativas sustentáveis e eficientes são mais valorizadas. Se os pilares estão entre os elementos mais essenciais de um processo construtivo, garantindo, junto das vigas, estabilidade e integridade de edifícios, podemos começar nossa mudança de prática de obra por eles.

A madeira usada para erguer suas fôrmas, que recebem o concreto e o aço para sua sustentação, devem ser substituídas. Por quê? Além das razões já relacionadas nos primeiros tópicos deste texto, podemos elencar outras mais:

  • A madeira infla e deforma com a umidade e a carga.
  • Dificilmente a madeira empregada na montagem das fôrmas em pilares pode ser reutilizada.
  • Sem precisão no corte e pré-montagem, as fôrmas de madeira não garantem que pilares tenham o mesmo formato e dimensões, especialmente na largura.
  • Em pés-direitos mais altos, a fragilidade da madeira exige fôrmas elaboradas e aumenta a propensão a acidentes.

Dificuldades na padronização e regularidade

Se não te convencemos até agora a eliminar madeira de concretagem de pilares, este é o momento. Destacamos aqui um dos principais motivos que levam as maiores construtoras do mundo a utilizar fôrmas de madeira: dificuldades na padronização e regularidades dos elementos estruturais concretados. Justamente se a madeira pode deformar, a precisão nas medidas, cargas e acabamento dos elementos podem se perder na execução, pondo em risco a segurança do sistema. Além disso, em projetos com pés-direitos altos, a fragilidade da madeira aumenta os riscos de acidentes.

Portanto, o fim das fôrmas de madeira na construção civil está próximo! A ideia é inovar cada vez mais na engenharia, seja para obras de pequeno, médio ou grande porte. Pode-se dizer que a única dificuldade que temos pela frente é educar a população para se desamarrar de questões "históricas" de como concretar pilares que geram preconceitos com novas técnicas e atrasos na evolução da engenharia.

Veja Também: Lajes aliviadas de concreto: conheça essa tecnologia que auxilia no aliviamento de cargas estruturais

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como escolher o modelo certo de fôrmas para concreto?

Há oito fatores principais que definem a escolha de fôrmas para concreto:

  1. Custo
  2. Transporte
  3. Mão-de-obra
  4. Resistência
  5. Durabilidade
  6. Reutilização
  7. Produtividade
  8. Acabamento

Vale destacar que, sim, todos os tipos de fôrmas para concretagem apresentam suas vantagens e desvantagens. A decisão de escolha por um ou outro deve ser baseada nas necessidades específicas de cada obra. Por exemplo, se você vai fazer uma obra pequena e não tem porque reaproveitar as fôrmas, pode cogitar, nesse caso, usar madeira - mas, mesmo assim, atenção quanto à origem e qualidade do material comprado.

Em linhas gerais, a resistência das fôrmas depende da temperatura do concreto, do tipo de concreto, da altura de concretagem, da velocidade de lançamento, dos tratamentos adequados e do tempo de pega (secagem).

como concretar pilares com fôrmas de plástico
Imagem reproduzida de Atex

Veja Também: Concreto do Futuro: Equipe do MIT Cria Estruturas com Capacidade de Armazenar Energia

Opções além da madeira e do plástico

Pode-se usar outros materiais nas fôrmas para concreto. Além da madeira e do plástico (PVC), existe o aço, o alumínio, as chapas fenólicas (resina) e o papelão.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Especialmente as fôrmas de aço - forradas com compensado plastificado e face de contato de aço - são geralmente usadas em construção industrializada, imobiliárias e industriais. As peças são altamente aproveitadas. Mas, nos canteiros, precisam ser movimentadas por gruas ou minigruas.

"As reutilizações de qualquer tipo de fôrma dependem do cuidado no manuseio com o material, na desforma, transporte e armazenamento" - Alexandre Pandolfo, chefe de Operações da Associação Brasileira de Fôrmas, Escoramentos e Acesso (Abrasfe), em reportagem de AEC Web.

Como concretar pilares com fôrmas de plástico?

Hoje as fôrmas de plástico vendidas no mercado são feitas de polímeros de alta densidade e resiliência, fáceis de montar, eliminam riscos de acidentes, agilizam o processo construtivo e podem ser completamente reutilizáveis, diminuindo a 'pegada ambiental' das obras.

Essas fôrmas podem ser de dois tipos, circulares ou retangulares, e em dimensões variadas. Como concretar pilares com elas? É simples, semelhante a montar um esquema de "Lego". A partir de uma base de 14 cm por 14 cm, por exemplo, o sistema permite que sejam adicionados novos módulos de 5 cm, criando diferentes secções que atendam a todo tipo de pilar.

como concretar pilares com fôrmas de plástico
Imagem reproduzida de Atex

Confira, nos vídeos a seguir, como concretar pilares com fôrmas de plástico:

Observação: Alguns podem se questionar porque usar fôrmas plásticas ao invés de papelão para concretagem de pilares de secção circular, como colunas. É que, com papelão, o processo pode ser mais complicado. Qualquer dobra e deformação gera um acabamento inferior, eleva o desperdício e quebra de material e o risco de acidentes.

As fôrmas de plástico garantem a criação de pilares com formatos precisos, garantindo maior estabilidade estrutural. Sua montagem é rápida e previsível, proporcionando uma execução mais eficiente do projeto.

como concretar pilares com fôrmas de plástico
Imagem reproduzida de Atex

Como concretar pilares sem fôrmas?

Encontramos um vídeo bem interessante na Internet. Nele, o autor explica uma técnica diferente para concretar pilares sem fôrmas. Ele primeiro coloca uma camada de concreto no chão. Em seguida, coloca uma malha de aço e, por fim, despeja o concreto diretamente sobre a malha, formando o pilar. Detalhe: dá para ver que o autor do vídeo também utiliza uma ferramenta para compactar o concreto e garantir que ele fique uniforme.

Observação: É importante ressaltar que essa técnica pode não ser adequada para todos os tipos de pilares e é necessário ter conhecimento técnico para utilizá-la com segurança. Nossa recomendação é buscar a orientação de um profissional especializado em construção civil antes de utilizar essa técnica.

Veja Também:


Fontes: Atex, AEC Web.

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Simone Tagliani

Graduada nos cursos de Arquitetura & Urbanismo e Letras Português; técnica em Publicidade; pós-graduada em Artes Visuais, Jornalismo Digital, Marketing Digital, Gestão de Projetos, Transformação Digital e Negócios; e proprietária da empresa Visual Ideias.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo