Engenharia 360

Aves conseguem ‘enxergar’ campo magnético terrestre a partir da Mecânica Quântica, aponta estudo

Engenharia 360
por Rafael Panteri
| 12/08/2021 | Atualizado em 09/05/2023 2 min
Imagem de Beto por Pixabay

Aves conseguem ‘enxergar’ campo magnético terrestre a partir da Mecânica Quântica, aponta estudo

por Rafael Panteri | 12/08/2021 | Atualizado em 09/05/2023
Imagem de Beto por Pixabay

Sob a influência de um campo magnético, uma proteína presente nos olhos das aves reforçam cores e brilhos em determinados pontos de visão, permitindo assim que enxerguem e naveguem por esses campos.

Engenharia 360

Sob a influência de um campo magnético, uma proteína presente nos olhos das aves reforçam cores e brilhos em determinados pontos de visão, permitindo assim que enxerguem e naveguem por esses campos.

Há anos os cientistas sabem que as aves migratórias utilizam o campo magnético da Terra para se localizar. Esse fenômeno é bem comum e não é exclusivo dessas espécies. Tartarugas e bois, por exemplo, também conseguem perceber a presença do magnetismo do planeta. Contudo, essa habilidade das aves não possuía uma explicação clara; pelo menos não até o momento. Mas um novo estudo joga luz sobre o assunto! Saiba mais no texto a seguir!

aves
Pássaros migratórios (Imagem: 258817 / 38 images Pixabay)

Veja Também: Beija-flores conseguem enxergar cores que nós, humanos, nem imginamos

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Novo estudo sobre a capacidade das aves de localizar campo magnético

Os primeiros experimentos sobre o tema concluíram que esse sentido das aves pode estar relacionado diretamente com a visão. No escuro, elas perdem parte da capacidade de localizar campo magnético. Para entender, pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, e da Carl von Ossietzky University Oldenburg, na Alemanha, se empenharam a estudar os olhos desses animais; e imagina o que descobriram!

A proteína Cry4

Uma proteína do grupo criptocromos foi identificada na retina desses pássaros e isolada. Conhecida do Cry4, ela reage à luz azul e à presença de campo magnético. Inclusive, testando essa molécula em um tubo de ensaio, a equipe do biólogo Jingjing Xu, da Universidade de Oldenburg, identificou como a reação ocorre.

Em campos magnéticos artificiais cerca de cem vezes mais fortes do que o terrestre, foi possível perceber que essa proteína pode desencadear a atividade neural das aves através de reações químicas. “Os produtos da reação existem por tempo suficiente e são produzidos em quantidades suficientes para atuar como uma substância sinalizadora”, afirma o neurotecnologista Eric Warrant, da Universidade de Lund.

Nessa reação, a luz atinge e deforma a proteína. E, com isso, dois elétrons desemparelhados se juntam para formar um par com seus spins – orientação das partículas –, quânticos apontando em direções opostas. Então, a Mecânica Quântica entra em ação! Os spins dos dois elétrons começam a flutuar e quando estão alinhados criam produtos que ativam os neurônios!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A biologia sensorial

A quantidade de tempo que os elétrons passam alinhados ou não depende da direção do campo magnético. Como os neurônios humanos respondem a diferentes comprimentos de onda de luz e enviam informações para nossos cérebros, interpretadas como cores, é possível que os neurônios dos pássaros também transmitam informações sobre os campos magnéticos.

Esse é um passo significativo para entender o verdadeiro papel da proteína Cry4!

"A forma como os animais percebem os campos magnéticos é um mistério.", "Não sabemos muito sobre isso. É quase uma santidade de estudo da biologia sensorial." - disse Eric Warrant.

Os artigos completos referentes a esse estudo estão disponíveis nos periódicos da Royal Society e Current Biology. Aproveite a sua leitura!


Fontes: UOL, VEJA, Socientifica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Imagens: Todos os Créditos reservados aos respectivos proprietários (sem direitos autorais pretendidos). Caso eventualmente você se considere titular de direitos sobre algumas das imagens em questão, por favor entre em contato com [email protected] para que possa ser atribuído o respectivo crédito ou providenciada a sua remoção, conforme o caso.

Comentários

Engenharia 360

Rafael Panteri

Estudante de Engenharia Elétrica no Instituto Mauá de Tecnologia, com parte da graduação em Shibaura Institute of Technology, no Japão; já atuou como estagiário em grande conglomerado industrial, no setor de Sistemas Elétricos de Potência.

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo