Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Medicina e Engenharia se juntam na criação de protótipo para pacientes cardíacos

por Samira Gomes | 14/06/2021

Nesta matéria, é apresento um modelo de protótipo de Medicina e Engenharia para coração, que opera como uma bomba de sangue. Saiba mais!

Uma esperança para as pessoas com coração debilitado e que aguardam na fila de espera por um transplante de órgão! É isto que a Escola Politécnica da USP, com o Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, traz. O grupo elaborou um protótipo que pode ser implantado diretamente no coração do paciente, operado como uma bomba de sangue acionada por um motor elétrico, sendo inserido e instigado via indução.

Engenharia
Imagem extraída do Adobe Stock

Detalhes do aparelho

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1º edição, José Roberto Cardoso, docente da Escola Politécnica da USP e integrante do Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos, explicou que o equipamento é destinado a enfermos que necessitam do transplante de coração. Mas este, por sua vez, ainda precisa ser testado em seres humanos, mas a eclosão da Pandemia atrasou o processo, impossibilitando a continuação das pesquisas.

Ainda segundo o professor da USP, José Roberto Cardoso: “A fase de testes em seres vivos já está em condição de início imediato, mas aguardaremos o fim da Pandemia para voltar aos laboratórios e atingir esse objetivo”.

Apesar de os dispositivos ventriculares serem mecanismos comumente empregados ao redor de todo o planeta, o protótipo elaborado pela Medicina e Engenharia brasileira possui um diferencial: a implementação total do equipamento.

Também de acordo com Cardoso, “os dispositivos atuais não são totalmente implantados e dependem de higienização constante”. Além de tudo, outra especificidade relevante do instrumento elaborado pela parceria tem relação com o acesso e controle dessa tecnologia, que, com o passar do tempo, pode ser mais alcançável e de baixo custo.

Engenharia
Imagem extraída do Adobe Stock

Veja Também: Escola de Engenharia da USP cria exoesqueleto robótico para reabilitação de pacientes de AVC

Sobre a parceria

Após interesse por parte do Instituto Dante Pazzanese na bomba de sangue produzida pelo grupo de eletromagnetismo da Escola Politécnica – que se preocupa com o funcionamento de dispositivos eletromecânicos -, a parceria foi efetivada. Cardoso expõe que o instituto sugeriu uma colaboração para que o grupo criasse o protótipo completo, de maneira que os problemas inseridos no projeto fossem solucionados. Entretanto, além da bomba e do motor elétrico, é necessária uma fonte, para acionar a execução do dispositivo.

Cardoso salienta: “Criamos um grupo de mecatrônica da Escola Politécnica e, com o laboratório de eletromagnetismo, projetamos esse componente para acionar o motor, o próprio motor e também a bomba”. Ainda segundo ele, é imprescindível pensar na geometria da bomba, posto que, se for empregado e apresentar defeito no funcionamento do tratamento do sangue, pode causar outras doenças, como trombose, até mesmo levando o paciente à morte.

Engenharia
Imagem extraída do Adobe Stock

Outras ações

Além desse projeto, a parceria entre Medicina e Engenharia tem proporcionado soluções em meio ao período pandêmico. A Escola Politécnica da USP trabalhou na elaboração de um respirador de menor custo e capaz de ser produzido em apenas duas horas, que pode ser usado em Unidades de Terapia Intensiva e no estudo realizado com referências matemáticas para aferir a disseminação do vírus, seja os reais (responsáveis pelas doenças em seres humanos), seja os virtuais (presentes em sistemas computacionais).

O que você achou desses projetos? Compartilhe a sua opinião nos comentários!


Fonte: Jornal da USP.

Comentários

Engenharia 360

Samira Gomes

Engenheira de Produção em formação no Vale do São Francisco. Nordestina fascinada pela escrita e por tecnologia. Tem como objetivo levar conhecimento sobre engenharia, por meio da leitura, pois acredita no potencial das palavras para o enriquecimento intelectual.