Engenharia 360

Operação Marte: visitamos o evento realizado pela Inventação em parceria com a Unibes Cultural

Engenharia 360
por Rafael Panteri
| 25/04/2022 5 min

Operação Marte: visitamos o evento realizado pela Inventação em parceria com a Unibes Cultural

por Rafael Panteri | 25/04/2022
Engenharia 360

O Engenharia 360 esteve recentemente realizando a cobertura do evento Operação Marte, da Inventação em parceria com Unibes Cultural. O mesmo é realizado em endereço na Rua Oscar Freire, em Sumaré, São Paulo. E eu, Rafael Panteri, representei a equipe de redação do site realizando uma visitação e coletando informações para compartilhar com os nossos leitores. Confira a seguir!

Operação Marte
Imagem de Rafael Panteri

Chegada no evento

Comprei meu ingresso online – a venda era feita através de aplicativo, site ou scanner do QR Code. Os valores das entradas eram relativamente acessíveis. O ingresso inteiro era R$ 50,00 e meia entrada, para idosos e crianças, era R$ 25,00. Contudo, não havia meia entrada para estudantes.

Já no próprio site do evento, é possível se ter uma ideia geral do prometido. “O principal objetivo da exposição é levar ao público algumas tecnologias atuais que serão imprescindíveis à colonização de Marte”. Para isso, eles dispõem de 14 ambientes interativos com atividades de automação, engenharia e design.

Mas, antes de entrar no evento, assistimos a um vídeo de apresentação, onde conhecemos os tripulantes da Operação Marte. Eles contam um pouco da importância dessa missão e pedem nossa ajuda para explorar o planeta vermelho.

Toda a experiência gira em torno desse contexto!

Veja Também: Robô da NASA, Moxie, produz oxigênio respirável em Marte

As salas de exposições

As primeiras duas salas possuem televisões com imagens reais da estação espacial internacional, vídeos de lançamentos de satélites e fotos da Terra vista do espaço. Além disso, passam algumas simulações de sondas espaciais chegando a Marte. Essa primeira experiência é apenas visual, não temos nada interativo. E antes de ir para a próxima sala, pude tirar uma foto sentado em um banco que imitava uma cabine de lançamento.

Operação Marte
Imagem de Rafael Panteri

Primeira

Na primeira sala interativa, temos à disposição 8 Arduinos. Nessa experiência, a exposição quer mostrar como a automação pode ajudar os astronautas a colonizar Marte. Toda programação já está feita, assim como todo o circuito montado. Nossa função é apenas selecionar as funções disponíveis para acender e apagar o LED.

Segunda

Seguindo para a próxima sala, temos o robô inteligente. Nessa sessão nos é apresentado um robô que desvia de obstáculos. Assim como na sala anterior, o Arduino é nosso personagem principal. Munido de sensor de proximidade (infravermelho) e motor para se mover, o Robô consegue detectar os objetos e se deslocar para não colidir. Toda a programação já está feita, assim como o robô está montado.

Terceira

A terceira sala possui uma plantação orgânica disposta no estilo “Perdido em Marte” – filme de 2015. Apenas visual.

Operação Marte
Imagem de Rafael Panteri

Quarta

Na quarta sala, temos uma experiência um pouco mais prática. Com o contexto de que os tripulantes que conhecemos na entrada precisam de nossa ajuda, temos que montar um “robô limpador”. Basicamente, nossa interação é encaixar algumas peças na base do robô, alimentar o motor com a bateria e prender as peças soltas.

20220402 171226
Imagem de Rafael Panteri

Quinta

Já na quinta sala, podemos utilizar o robô que acabamos de construir. Sua função é limpar os painéis solares, dessa forma a tripulação poderá gerar energia para a colônia em Marte. Essa experiência é uma junção de todas as anteriores.

Veja Também: Entenda como o robô Perseverance envia imagens de Marte

Minha opinião

Pelo valor do ingresso, achei que teriam mais interações – foi uma experiência bem curta. Quando o público começa a colocar a mão na massa, a exposição termina.

O ambiente está bem caracterizado e bem feito. A sala com a horta orgânica me surpreendeu.

Acho que para o público infantil é uma ótima atividade. Por serem experiências simples, com algum nível de aprendizado, a faixa etária que colocaram na descrição do evento é coerente.

  • Visitantes até 8 anos de idade poderão aproveitar os sons, imagens e a cenografia de ambientes espaciais;
  • Visitantes a partir de 8 anos de idade poderão aproveitar as atividades parcialmente; e
  • Visitantes a partir dos 11 anos de idade poderão aproveitar as atividades completamente.

Para um público mais velho, acho que a exposição oferece pouca atividade. Com a programação já feita e circuitos já montados, jovens interessados em automação podem ficar desanimados em apenas observar ou ligar e desligar um LED.

Veja Também: Robô da NASA, Moxie, produz oxigênio respirável em Marte

Engenharia 360

Rafael Panteri

Estudante de Engenharia Elétrica no Instituto Mauá de Tecnologia. Parte da graduação em Shibaura Institute of Technology - Japão.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo