Engenharia 360

ESCOLHA A ENGENHARIA
DO SEU INTERESSE

Digite sua Busca

Arranha-céu é evacuado na China após tremer [entenda o que ocorreu]

por Cristiano Oliveira da Silva | 26/05/2021

Arranha-céu na cidade chinesa de Shenzhen, na China, tremeu e precisou ser evacuado. O Engenharia 360 explica a causa mais razoável para isso ter ocorrido!

Recentemente, em 18 de maio de 2021, um arranha-céu de 291 m de altura tremeu na cidade chinesa de Shenzhen. Entenda o que pode ter ocorrido na matéria a seguir!

Abalo sísmico?

As autoridades locais, informaram que não houve nenhum abalo sísmico na cidade. Então, evidentemente, essa hipótese é descartada!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A título de curiosidade, alguns edifícios mais modernos, localizados em regiões de atividade sísmica frequente, são dotados de um sistema capaz de absorver os deslocamentos oriundos de um tremor de terra.

Podem ser utilizados nesse sistema:

  • contra-pesos instalados na parte mais alta, para compensar oscilações no edifício;
  • paredes com amortecedores, evitando o fenômeno da ressonância durante abalos;
  • sistema de amortecedores nas fundações, também amenizando os tremores no edifício.

Aliás, no Japão, por exemplo, dependendo do projeto estrutural, é muito comum a utilização de um desses sistemas ou a combinação deles!

Sistema antiterremoto em edifício
Sistema antiterremoto

Veja Também: Como projetar edifícios à prova de terremotos (e por que isso é tão importante)

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Problema estrutural no arranha-céu?

As autoridades locais inspecionaram as estruturas e não observaram qualquer tipo de rachaduras, evidências de rupturas ou qualquer indício de falha estrutural. Então, essa hipótese também foi descartada!

Arranha-céu China
Arranha-céu de 291m em Shenzhen – Imagem extraída de G1

Veja Também: Os 10 arranha-céus mais altos do mundo

O que ocorreu então?

A hipótese mais razoável, é que o vento tenha sido o responsável pelas oscilações observadas no edifício!

Foi noticiado, que foram observados ventos locais da ordem de 40km/h. Isso é considerado um vento de baixa intensidade. Os edifícios são dimensionados para ventos muito maiores. No Brasil, há uma norma que recomenda uma rotina de cálculo para obtenção dos esforços devido ao vento em estruturas, a NBR-6123. Nessa norma é apresentado um gráfico de isopletas, mostrando as velocidades de vento para cada região do Brasil. Observe isso na imagem a seguir!

Isopletas
Gráfico de Isopletas – Brasil

Como se pode observar, na região de São Paulo o vento de projeto é de 45m/s ou da ordem de 160 km/h. Enfim, realmente um vento de 40 km/h não era para ser tão importante, certo? Bem, depende!

Os ventos podem atuar em rajadas, com certa frequência – em intervalos de ocorrência dessas rajadas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os engenheiros estruturais sabem que toda estrutura tem uma característica própria, chamada de “frequência natural” ou “frequência de ressonância”, que é basicamente uma função da sua geometria e de sua massa. A saber, qualquer software estrutural minimamente competente, consegue calcular a frequência natural de uma dada estrutura.

Recentemente, o Engenharia 360 publicou uma matéria sobre um colapso estrutural ocorrido na Ponte de Tacoma.

No caso de um arranha-céu, considerado esbelto – ou seja, altura muito maior que o raio de giração da seção transversal -, os fenômenos de ressonância passam a ter importância.

Sendo assim, é muito razoável concluir que o fenômeno observado – de oscilação do edifício – pode ter sido provocado por rajadas de vento, atuando numa frequência próxima à frequência de ressonância do edifício, ampliando os deslocamentos observados, causando o desconforto dos usuários e provocando a sua evacuação.

E você, tem uma opinião diferente sobre o caso? Escreva nos comentários!


Fonte: G1.

Comentários

Engenharia 360

Cristiano Oliveira da Silva

- Engenheiro Civil (Poli-USP/2003) - Pesquisador colaborador UFABC - Capacitação e disseminação de BIM - Gerente de Engenharia / BIM Manager - Projetos, Planejamento e Qualidade na empresa BEN - Bureau da Engenharia - INEXH - Instituto Nacional de Excelência Humana - MasterPractitioner e Coach Sistêmico - Analista Corporal - O Corpo Explica - Músico, pai e curioso por natureza