Engenharia 360

Pesquisador propõe transformar vinhaça do caldo de cana em biogás

Engenharia 360
por Eduardo Mikail
| 26/08/2012 | Atualizado em 05/04/2022 2 min

Pesquisador propõe transformar vinhaça do caldo de cana em biogás

por Eduardo Mikail | 26/08/2012 | Atualizado em 05/04/2022
Engenharia 360

Para cada litro de etanol produzido, segundo o professor Rubens Maciel Filho, da Unicamp, são gerados entre 10 e 11 litros de vinhaça, que acabam atualmente descartados no solo como adubo. Uma das propostas estudadas é a transformação desse resíduo em biogás.

biogás
Para cada litro de etanol produzido, segundo o pesquisador, são gerados entre 10 e 11 litros de vinhaça. Foto: Fora do Eixo

Pouca atenção tem sido dada à vinhaça e ao dióxido de carbono (CO2) que sobram após a fermentação do caldo de cana para a produção de etanol. A opinião é de Rubens Maciel Filho, professor titular da Faculdade de Engenharia Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e membro da coordenação do programa Bioen-Fapesp.

O pesquisador apresentou um projeto temático sobre o tema, coordenado por ele, durante um workshop realizado nos dias 20 e 21 de agosto, em São Paulo, que reuniu pesquisadores e estudantes de duas das cinco divisões do Programa Fapesp de Pesquisa em Bioenergia (Bioen): Tecnologias de Biocombustíveis e Biorrefinarias.

“O objetivo foi divulgar os avanços em cada um dos projetos com o intuito de promover maior interação entre os grupos e identificar áreas que necessitam de mais investimento em pesquisa”, explicou Maciel à Agência Fapesp. O gás metano resultante pode ser vendido ou usado na própria usina como fonte de energia.

Para cada litro de etanol produzido, segundo o pesquisador, são gerados entre 10 e 11 litros de vinhaça, que atualmente acabam descartados no solo como adubo. Uma das propostas estudadas é a transformação desse resíduo em biogás.

Outras possibilidades para o biogás

“Para isso, a vinhaça é enriquecida com parte do material hidrolisado obtido na produção do etanol de segunda geração e, em seguida, passa por um novo processo de fermentação. O gás metano resultante pode ser vendido ou usado na própria usina como fonte de energia”, sugeriu Maciel.

No caso do CO2 liberado durante a fermentação da cana, uma das possibilidades estudadas é o uso do resíduo para alimentar microalgas que, por sua vez, serviriam de biomassa para a produção de etanol de terceira geração e de biodiesel.

“Cada litro de etanol produzido emite o equivalente em CO2. Hoje, isso é liberado na atmosfera e, conceitualmente, é reabsorvido pela cana. Mas podemos fazer um uso mais integrado ao processo de produção. Há muito COna atmosfera para a cana absorver”, ressaltou Maciel.


Via Ecodesenvolvimento.org

Engenharia 360

Eduardo Mikail

Engenheiro Civil e empresário, tem o empreendedorismo como estilo de vida. Já trabalhou em uma das maiores construtoras do país e hoje é sócio-fundador da Mikail Engenharia, além do portal Engenharia360.com, um dos pioneiros e maiores veículos especializados no Brasil. É formado também em Administração com especialização em Marketing pela ESPM. Adora viajar e adquirir conhecimento, pois acredita que é a maior riqueza do ser humano.

Comentários

LEIA O PRÓXIMO ARTIGO

Continue lendo